Edição diária: 20/06/2019
FlatOut!
Image default
Car Culture Projetos Gringos Zero a 300

Este Plymouth Barracuda com chassi e motor de Dodge Viper é o restomod quase perfeito

Você já deve ter visto aqui no FlatOut alguns projetos de muscle cars modernizados. Geralmente este tipo de cirurgia é complicado – especialmente quando estamos falando de vestir um carro moderno com uma carroceria clássica, ou reconstruir um clássico utilizando elementos modernos. Não faltam exemplos, mas logo de cara vêm à mente os Mustang da Retrobuilt.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Talvez você lembre deles, até porque é difícil esquecer o que acontece quando se pega um Ford Mustang de quinta geração – o modelo retrô lançado em 2004 – e coloca-se nele elementos estéticos da primeira geração, como faróis, lanternas, grade e para-choques.

10298651_641776832585812_7808334404319527776_o

As proporções mais robustas do pony car moderno não recebem muito bem os componentes projetados para o Mustang mais esguio da década de 1960, e o resultado é um monstro de Frankenstein um tanto desajeitado, com a traseira alta demais, um espaço muito grande entre o topo do capô e da tampa do porta-malas e as caixas de roda, e uma postura raked (com a traseira mais alta que a dianteira) meio forçada.

Parece meio que um problema sem solução: como colocar uma carroceria clássica sobre uma estrutura moderna e acertar nas proporções? Pois há como fazê-lo – basta escolher os carros certos. Prova disto é o carro que viemos mostrar hoje.

45262349_1933956040045429_780340161195016192_n

Isto, caro leitor, é um Dodge Viper com a carroceria de um Plymouth Barracuda – mas se a gente só tivesse mostrado a foto, sem dizer nada, você talvez sequer tivesse percebido. Quer dizer, os mais atentos talvez tenham notado as rodas de Viper mas, fora elas, não há muito no carro que denuncie sua verdadeira natureza.

45167927_1933950716712628_1023734106728431616_n

Como disse o pessoal do The Drive, este é provavelmente um dos project cars mais conceitualmente norte-americanos já feitos – afinal, trata-se de um muscle car icônico do início dos anos 70 com as entranhas de um dos esportivos que melhor materializam tudo o que gostamos nos carros dos EUA: um enorme motor em V com comando no bloco, câmbio manual e tração traseira – e a capacidade encarar de igual para igual as melhores ofertas das fabricantes europeias a um custo muito menor.

45092006_1933957276711972_5504477077790785536_n

Mas este carro foi feito no México, e não nos EUA. Os responsáveis são os caras da Street Toys Hot Rods and Customs, que fica em Ciudad Juárez – quase na fronteira com o Texas. Eles fizeram um excelente trabalho ao casar o chassi (que na verdade, está mais para monobloco) de um Dodge Viper à carroceria de um Plymouth ‘Cuda. O projeto foi concretizado nos últimos meses, em um trabalho intensivo para apresentar o carro no SEMA Show 2018 – quer dizer, no estacionamento do evento em Las Vegas. Onde, verdade seja dita, muitas vezes ficam projetos mais interessantes que aqueles apresentados dentro do evento.

O ponto de partida foi um Dodge Viper de terceira geração, ZB I, fabricado entre 2003 e 2007. Trata-se da primeira atualização abrangente feita pela Dodge no Viper, que ganhou um visual mais agressivo e um novo motor V10 de 8,3 litros com 507 cv e 72,6 mkgf de torque, acoplado a uma caixa manual de seis marchas Tremec T56. O Viper cedeu seu chassi, conjunto mecânico, interior e suspensão ao projeto.

45220859_1933928023381564_5973096505576259584_n 45146957_1933906846717015_3207142965726150656_n45096511_1933905283383838_5514867329529282560_n

Já a carroceria utilizada era de um Plymouth Barracuda 1970. Embora não tenha ficado claro qual era a versão do carro, pense conosco: o ‘Cuda mais potente de todos tinha um V8 Hemi 426, big block de sete litros com 430 cv e 67,7 mkgf de torque. Ou seja, do ponto de vista puramente numérico, o transplante de carroceria/chassi foi absolutamente vantajoso. E mais: em termos de manejo, a suspensão independente nas quatro rodas do Viper, com braços triangulares sobrepostos nos dois eixos, é tecnicamente superior ao sistema original do ‘Cuda.

45042862_1933956066712093_4865983717694242816_n 45167896_1933940386713661_6068208938598268928_n

A escolha dos elementos se mostrou acertada também por conta das dimensões. Veja só: enquanto o Dodge Viper ZB I tem 4.460 mm de comprimento, 1.920 mm de largura e 2.510 mm de entre-eixos, o Plymouth ‘Cuda tinha 4.739 mm de comprimento, 1.902 mm de largura e 2.743 mm de entre-eixos. Traduzindo: como a largura dos dois carros é quase idêntica, foi preciso apenas aumentar o entre-eixos do chassi do Viper em pouco mais de 20 cm para acomodá-lo sob a carroceria do Barracuda. Com isto, as proporções do muscle car fabricado em 1970 não foram alteradas, e a harmonia de suas belas linhas foi totalmente preservada.

45167972_1933909706716729_6571109768843231232_n 45198459_1933909356716764_8090108159475056640_n

Em essência, o que ocorreu foi um transplante completo de estrutura, quase que um cruzamento – a carroceria do ‘Cuda foi removida de sua própria estrutura e os painéis foram instalados sobre a estrutura do Viper, que por sua vez foi devidamente modificada. Aliás, vale lembrar que o Viper é um caso curioso de construção híbrida: embora tenha carroceria sobre chassi, há longarinas e o assoalho e o túnel de transmissão são componentes estruturais, como em um monobloco. Uma forma de chamar este tipo de construção é “semi-monocoque”.

Caso tivesse sido um engine swap, teria sido necessário adaptar o cofre do muscle car, alargar o túnel de transmissão e adaptar as caixas de roda originais para abrigar os enormes pneus do Viper – 275/35 na dianteira e 335/30 na traseira. Agora, por mais que pareça ter sido um trabalho mais simples por conta disto, não pense que é brincadeira pegar um pony car com monobloco, retirá-lo de seu monobloco e adaptá-lo sobre uma estrutura completamente diferente sem prejudicar sua integridade.

45231258_1933907200050313_3031321461487828992_n 45155420_1933937436713956_1913576404755152896_n45129819_1933955840045449_5120241924736811008_n

Como se não bastasse, eles também incluíram um supercharter Paxton montado sobre o V10 de 8,3 litros, devidamente coberto por um scoop funcional no capô. O compressor mecânico leva a potência do motor de 507 cv para 720 cv. Câmbio e diferencial original do Viper, que já são superdimensionados, foram mantidos sem alterações.

45148054_1933956426712057_752818848280870912_n 45215920_1933942913380075_187197304942362624_n

Pois agora chegamos à parte que faz deste restomod um caso quase perfeito: o interior do Viper também foi preservado. E, embora as dimensões do carro tenham casado perfeitamente – o painel de instrumentos simplesmente não foi alterado em nada, e apenas novos revestimentos de porta de fibra de vidro precisaram ser feitos sob medida, o conflito estético entre o lado de fora e o lado de dentro pode não agradar a todo mundo.

45099230_1933940580046975_1448723843676897280_n 45101166_1933944686713231_5600976291328163840_n 45148051_1933956243378742_2448665949004365824_n

Na nossa humilde opinião, os caras da Street Toys poderiam ter adaptado o interior do ‘Cuda ao projeto – existem instrumentos modernos com visual clássico que cairiam bem ao carro e deixariam o visual interno mais condizente com a carroceria.

Fora isto, este certamente é um dos nossos body swaps favoritos dos últimos tempos.

45203930_1937770062997360_124008487658192896_n

Matérias relacionadas

Citigo-Go: um “Volkswagen Up” com motor 2.0 turbodiesel de 280 cv e tração 4Motion

Dalmo Hernandes

Qual é sua fabricante de componentes aftermarket favorita?

Dalmo Hernandes

F*CK CANCR: como um entusiasta usou seu Nissan GT-R para lutar até o fim contra um câncer terminal

Dalmo Hernandes