A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos Zero a 300

Este Pontiac Firebird com um V8 de oito litros e 480 hp está à venda no Brasil

Se você quer um muscle car americano, o momento não é dos piores: os autênticos cupês esportivos dos EUA nos anos 60 e 70 estão em um patamar muito próximo de clássicos nacionais da mesma época. Ford Maverick, Chevrolet Opala e os Dodge brasileiros são carros muito legais, mas os preços praticados atualmente no mercado às vezes acabam por tornar os antigos importados mais interessantes ao colocar tudo na balança.

Este Pontiac Firebird de segunda geração, fabricado em 1974 e anunciado no GT40, pode ser um belo exemplo. Não estamos falando de um carro totalmente original, mas talvez isto não seja um problema como você verá mais adiante. E, de acordo com o proprietário, o motor tem só 5.000 km rodados.

img_80460_4_4d6aeb9d-64a7-446e-8a08-3c417013db0aimg_80456_4_4d6aeb9d-64a7-446e-8a08-3c417013db0a

Segundo consta, o visual da segunda geração do Pontiac Firebird, lançada em 1970 – mais especificamente a reestilização de 1971, que deixou o carro mais “bicudo” – foi a inspiração da Chevrolet do Brasil pra a remodelação do Chevette em 1980. Repare no formato da grade e dos faróis no Chevette que, coincidentemente, costuma ser chamado por aqui de “bicudo”.

Uma curiosidade: ao longo dos anos 1970, a Pontiac quase não dividia motores com as outras subsidiárias da General Motors e, em vez disso, utilizava seu próprio design, batizado simplesmente “Pontiac V8.” Em 1971, o Firebird começou a ser equipado com uma versão de 455 pol³ (7,5 litros) do motor, que tinha comando no bloco e, originalmente, capacidade para entregar mais de 400 cv até 1973 – depois disto, por conta das leis para emissões de poluentes e dos preços dos combustíveis, a potência passou a 225 cv declarados, e cerca de 290 cv na prática (como bem esclareceu Fabio Aro, dono do Project Cars #72, em seu primeiro post).

img_80396_4_4d6aeb9d-64a7-446e-8a08-3c417013db0a

Como também já foi tratado aqui, o Formula é a versão mais comum do Firebird no Brasil, e difere do Trans Am, mais raro, em diversos aspectos estéticos e mecânicos. No geral, ele tem um visual menos agressivo pela ausência do splitter frontal, e capô com scoops do tipo Ram Air voltados para a frente (o Trans Am tinha aerodinâmica mais refinada, saídas de ar quente no para-lama dianteiro e um scoop do tipo Shaker voltado para trás).

De qualquer forma, o Formula também é um carro raro no Brasil. E este exemplar, que pertence a Diego Rimonato, de São Paulo/SP, passou por algumas melhorias bem interessantes. A começar pelo motor: trata-se de um V8 de 492 pol³ (oito litros) de 480 hp feito sob medida pela Blueprint Engines, empresa americana especializada em crate engines de alto desempenho.

img_80412_4_4d6aeb9d-64a7-446e-8a08-3c417013db0aimg_80420_4_4d6aeb9d-64a7-446e-8a08-3c417013db0aimg_80424_4_4d6aeb9d-64a7-446e-8a08-3c417013db0a

Trata-se de um motor com bloco de aço, bielas reforçadas da GM Performance, pistões com anéis de molibdênio, tuchos hidrálicos, comando preparado feito sob medida e coletor de admissão de alumínio, tudo alimentado por um carburador quadrijet Edelbrock de 800 CFM. O motor é acoplado a um câmbio manual Muncie, de quatro marchas, com trambulador, alavanca e manopla Hurst.

Diego conta que comprou o carro já com o swap pronto, mas que o mesmo ainda era um diamante bruto que precisava de algum refinamento. O carburador precisava de uma boa regulagem, que também foi realizada, e a carroceria recebeu um bom polimento. No mais, o carro foi mantido com as mesmas especificações que tinha quando chegou às mãos de Diego.

img_80436_4_4d6aeb9d-64a7-446e-8a08-3c417013db0aimg_80432_4_4d6aeb9d-64a7-446e-8a08-3c417013db0a

Isto inclui também escapamento Magnaflow 8×2, buchas da suspensão das bandejas em PU e barra estabilizadora. As rodas são originais do carro, calçadas com pneus Cooper Cobra Radial/GT. Diego ressalta que uma revisão preventiva foi feita há um mês. Todos os fluidos (óleo do motor e do câmbio, fluido dos freios e do radiador) foram trocados, assim como as juntas do coletor de escape, o volante do motor e as lonas dos freios traseiros. Trata-se de um carro aparentemente bem cuidado que teve seu desempenho trazido para um pouco mais próximo dos padrões modernos, pelo que dá para ver.

Se você se interessou e quer saber mais, é só acessar o anúncio no GT40 para pegar todos os detalhes e contatos do dono!

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Civic Si: o carro que atacou o império dos “esportivos de adesivo” em 2007 | FlatOut 56

Juliano Barata

Novo Cayenne ficou mais leve, mais potente e “mais Porsche”

Dalmo Hernandes

Estes são alguns dos carros conversíveis mais legais do GT40

Dalmo Hernandes