FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos GT40 Classificados Zero a 300

Este raríssimo Chevrolet Chevette País Tropical está à venda!

A indústria automotiva brasileira é repleta de séries especiais. Algumas delas têm apelo esportivo, mas outras vão para o lado do luxo, do confortou ou simplesmente da exclusividade estética. Um bom exemplo disto é o Chevrolet Chevette – além dos conhecidos GP, GP II e S/R, por exemplo, havia o Chevette Ouro Preto, o Chevette Jeans e o Chevette País Tropical. Este último é bastante raro e, veja só, é nosso Achado meio Perdido de hoje.

O Chevette País Tropical foi lançado em 1976, três anos depois do lançamento do Chevette no Brasil, em 1973. Na época, o único motor disponível para o compacto da Chevrolet era o quatro-cilindros de 1,4 litro com comando simples no cabeçote, acionado por correia dentada (o primeiro do Brasil), de 68 cv a 5.800 rpm, e 10,3 mkgf de torque a 5.000 rpm. Era o suficiente para ir de zero a 100 km/h em 19,1 segundos, com máxima de 140 km/h. O Chevette só foi ganhar um motor maior e mais potente em 1981, quando o Chevette S/R introduziu o motor 1.6 de 80 cv.

img_169696_4_b40c8d1e-cdce-49d6-8fa5-5f19025a8022

A versão País Tropical não trazia qualquer tipo de alteração mecânica. O foco eram mesmo os acessórios e a estética. Na época, muito se valorizava itens como rádio, rodas esportivas e revestimentos diferenciados. E era exatamente isto o que o Chevette País Tropical oferecia.

chevette pais tropical propaganda

Segundo a propaganda da época, o carro vinha de fábrica com rádio AM/FM, toca-fitas e dois alto-falantes estéreo. O interior também trazia revestimento “monocromático”, enquanto do lado de fora havia rodas mais largas e faixas laterais especiais, além de um espelho “esportivo” igual ao do Chevette GP e do Opala SS. As cores das rodas e das faixas variavam de acordo com a cor da carroceria, e este contraste também era exaltado no material publicitário. No mais, era um Chevette igual aos outros – ou seja, confiável, leve, estiloso e com câmbio manual e tração traseira.

unnamed-23

A inspiração tem a ver com a canção País Tropical, de Jorge Ben Jor. O cantor compôs a música nos anos 60, e sua primeira gravação data de agosto de 1969 na voz de Wilson Simonal. Jorge Ben lançou sua própria versão em novembro daquele mesmo ano no álbum Jorge Ben, seu sexto trabalho de estúdio. Anos depois, exatamente em 1976, o álbum Tropical trouxe outra versão da música. O toca-fitas Nissei instalado no carro vinha com uma fita cassete da música.

O proprietário deste exemplar é Gutto Morais, de Bento Gonçalves/RS. Se o nome dele e as fotos do carro lhe parecem familiares, é porque você já o viu por aqui antes: é o Project Car #433. Que, aliás, até ajudou a espalhar conhecimento sobre a rara série País Tropical, catalogando exemplares sobreviventes (dá para contar nos dedos de uma mão quantos são) e cores disponíveis.

Gutto conta que comprou o carro há cerca de dois anos, e que o dono anterior era um senhor de idade já avançada. O Chevette já havia passado por uma repintura nas laterais e na traseira, mas a estrutura estava muito íntegra. Para se ter noção, Gutto diz que o carro teve as borrachas dos vidros trocadas e que não havia um ponto de corrosão sequer – e esta é uma das áreas críticas da carroceria do Chevette. Havia sinais de corrosão próximos ao assoalho, mas nada grave.

img_169640_4_b40c8d1e-cdce-49d6-8fa5-5f19025a8022 img_169684_4_b40c8d1e-cdce-49d6-8fa5-5f19025a8022img_169644_4_b40c8d1e-cdce-49d6-8fa5-5f19025a8022

Assim que comprou o carro, Gutto fez uma revisão mecânica completa e, em seguida, partiu para a restauração estética. Os podres foram corrigidos, um banho de tinta no porta-malas foi providenciado e as faixas foram refeitas no padrão original, pois estavam erradas. As rodas também foram restauradas, com jateamento e pintura nova na cor Laranja Bronze ’76, mesma cor das faixas. Gutto diz que a pintura ainda merece um pouco de cuidado para ficar igual à original de fábrica, mas que isto seria feito futuramente. Agora, o carro foi colocado à venda.

img_169692_4_b40c8d1e-cdce-49d6-8fa5-5f19025a8022 img_169652_4_b40c8d1e-cdce-49d6-8fa5-5f19025a8022 img_169660_4_b40c8d1e-cdce-49d6-8fa5-5f19025a8022

Do lado de dentro, todo o estofamento dos bancos foi refeito e a pintura das partes de metal exposto foi recuperada. Segundo Gutto, é impossível reproduzir a cor original usando fotos antigas como referência, mas ele diz que ficou satisfeito com o resultado.

Depois da restauração o carro foi inspecionado e recebeu a placa preta. Nos parece um colecionável bem interessante, e certamente capaz de fornecer diversão a quem curte um bom antigo de tração traseira. Se você ficou interessado, pode clicar aqui para acessar o anúncio e entrar em contato com o dono.

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Estes são alguns dos Ford mais legais anunciados no GT40

Dalmo Hernandes

Eis alguns dos clássicos dos anos 50 mais legais anunciados no GT40

Dalmo Hernandes

Os recordes de Nürburgring: afinal, quais são os carros mais rápidos do Inferno Verde agora?

Dalmo Hernandes