FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos Carros Antigos

Este raro Peugeot 203 1953 é um clássico do Pós-Guerra à venda no Brasil

Desde a década de 1980, com o 205 GTI, a Peugeot cultiva uma boa reputação entre os entusiastas graças a seus hot hatches. No entanto, a história e a tradição da fabricante são muito mais antigas do que isto – e e a Peugeot já teve várias outras facetas. Após a Segunda Guerra Mundial, por exemplo, seu único modelo era um sedã de família chamado 203, que foi um dos carros mais vendidos da França na época.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Não estamos falando isto por acaso, como você já percebeu: nosso Achado meio Perdido de hoje é justamente um Peugeot 203. Como de costume, ele está anunciado no GT40, e nós vamos conhecê-lo melhor agora!

O Peugeot 203 foi concebido em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, e deveria ser o carro responsável por recuperar a fabricante depois do conflito. Eram circunstâncias problemáticas: a França sofreu bastante com os efeitos da Guerra, e o desenvolvimento do carro levou cinco anos antes que ele pudesse ser apresentado, em 1947, no Salão de Paris.

O estilo do Peugeot 203, como em diversos automóveis europeus da época, era inspirado nos carros norte-americanos daquela época – se você olhar para o 203 sem conhecê-lo, pode até confundi-lo com um Ford Super Deluxe ou um Chevrolet Fleetline da década de 1940. O estilo do carro, aliás, era um dos seus grandes atrativos, especialmente considerando seu antecessor no segmento – o Peugeot 202, de 1938, fazia uma linha mais experimental (repare nos faróis atrás das grades, na foto abaixo) e não agradava a todos, apesar de ser um automóvel competente.

O desenvolvimento do Peugeot 203 foi demorado não apenas por conta do momento que a França vivia na época, mas também porque o 203 foi muito bem projetado – afinal, ele tinha a missão de colocar a Peugeot de volta nos trilhos no Pós-Guerra.

O Peugeot 203 foi o primeiro modelo da marca com construção monobloco, e usava um novo motor quatro-cilindros de 1,290 cm³ com comando no bloco, carburador Solex 34 e câmaras de combustão hemisféricas. Com 42 cv, o motor 1.3 era capaz de levar o Peugeot 203 de zero a 100 km/h em 20 segundos, com máxima de 115 km/h. Ele era acoplado a uma transmissão manual de quatro marchas, com alavanca na coluna de direção. Em 1952, a potência do motor passou a 45 cv, o que aumentou a velocidade máxima para 120 km/h.

Com bom espaço interno, um porta-malas enorme (algo comum aos sedãs de dois volumes da época, cabe observar) e desempenho mais que satisfatório para a época, o Peugeot 203 foi o único carro de passeio no portfólio da companhia entre 1948 e 1955. Depois disso, as coisas melhoraram e a fabricante conseguiu colocar mais um modelo em seu portfólio – o sedã 403, um carro muito mais adequado à década de 1950 em estilo e desempenho. Ainda assim, o Peugeot 203 seguiu em linha até 1960, deixando o mercado com mais de 104.000 unidades produzidas.

O exemplar anunciado no GT40 é um Peugeot 203 1953 – ou seja, já com o motor mais potente. O vendedor afirma que o carro está em raro estado de conservação. Ele afirma que o carro possui diversos componentes originais, como faróis, lanternas e demais peças de acabamento, além de itens específicos como as bananinhas de seta na coluna C.

O carro também acompanha o manual do proprietário original em francês, e possui placa preta com certificado.

O vendedor diz que a carroceria está bem alinhada e que, estruturalmente, o Peugeot encontra-se em muito bom estado. O mesmo vale para o interior, que conserva o padrão original de fábrica em azul, e para o motor, que funciona bem e está com a manutenção básica em dia.

Contudo, em um carro com 66 anos de idade, é sempre uma boa ideia realizar uma revisão geral e verificar o estado dos componentes de desgaste natural, borrachas e fluidos após a compra.

Este é um carro de nicho, com público bem específico – colecionadores de carros da época, ou de modelos franceses raros – que, levando em consideração a raridade e o aparente bom estado de conservação, pode ser uma adição interessante a um acervo em expansão.

Se você ficou interessado, pode clicar aqui para acessar o anúncio e para pegar os contatos do vendedor.

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

McLaren M12 Coupe: o supercarro de rua que veio antes do F1

Dalmo Hernandes

Lancer Evolution VI Tommi Mäkinen: um dos dois únicos exemplares do Brasil está à venda!

Dalmo Hernandes

Como seria a perseguição de Bullitt se ela tivesse sido gravada em Silverstone?

Leonardo Contesini