A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Estes Fiat 0km ficaram 30 anos abandonados em uma concessionária na Argentina

Este post não é um Achado meio Perdido, excepcionalmente – mas você não vai se decepcionar. Especialmente se for fã dos modelos da Fiat: um belo acervo de modelos zero-quilômetro da fabricante (com direito a alguns Alfa Romeo no meio) foi encontrado em uma concessionária abandonada na Argentina. E todos eles deverão ser vendidos em breve.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

A história começa com a concessionária Ganza Sevel, em Avellaneda, na região de Buenos Aires. Até a década de 1990, a revenda era uma das maiores representantes oficiais da Sevel na Argentina. Para quem não sabe, a Sevel foi a companhia responsável por produzir e vender modelos da Fiat, da Alfa Romeo e da Peugeot na Argentina. Eles também fabricavam motores e outros componentes para exportação – incluindo o motor “Sevel” usado em alguns Fiat brasileiros.

A concessionária Ganza Sevel era um negócio de pai e filho, e ia muito bem quando fechou as portas repentinamente no final da década de 1990, pouco antes de a própria Sevel encerrar as atividades na Argentina. Não se sabe ao certo o motivo do fechamento repentino – nem mesmo os argentinos têm muita noção do que ocorreu, mas fala-se que pai e filho morreram com pouco tempo de diferença e que a manutenção do negócio tornou-se inviável. O lugar foi trancado, acumulando dívidas, com vários carros dentro. E assim ficou por quase três décadas.

Recentemente, porém, o terreno onde fica a concessionária foi vendido – e seu novo proprietário decidiu demolir o local para construir um novo empreendimento. E, felizmente, ele decidiu vender todos os carros antes de colocar o plano em prática.

O acervo de carros é interessantíssimo para quem aprecia a Fiat. Além de carros que conhecemos bem, como o Tempra e o Tipo, também há alguns exemplares mais incomuns para os brasileiros. Como um Uno “Mk2” europeu, que tinha uma carroceria mais arredondada, frente mais baixa e uma nova tampa traseira, com inspiração no próprio Tipo. O visual não era tão harmônico quanto no Uno original, mas a silhueta reduzia ainda mais o coeficiente aerodinâmico do Uno, que passava de 0,34 para 0,30.

Também há pelo menos um Fiat Duna SL, versão argentina do Premio que chegou a ser importada para o Brasil em 1995 – se seguiu em produção na terra dos hermanos até 2001, vendendo mais de 180.000 exemplares.

Quem comprou os carros foi uma concessionária chamada Kaskote Calcos, em Buenos Aires. De acordo com o Argentina Autoblog. Eles retiraram todos os carros da concessionária e higienizaram todos eles. E, como a Kaskote Calcos também tem uma oficina de manutenção e restauração, é certo que cada um dos carros receberá os devidos cuidados.

A loja também esclareceu como encontrou e como negociou o lote de automóveis.

“Tivemos a sorte de receber a oferta de um lote de carros zero-quilômetro que estavam abandonados. Ficamos bem interessados.

Nos encontramos com a pessoa e perguntamos mais detalhes a respeito da história. Ele nos contou que um conhecido havia herdado algumas propriedades, e em uma delas havia um galpão com vários carro zero-quilômetro: Fiat Uno 70S italiano, Fiat Tipo, Duna, Ducato, Tempra Ouro, Alfa Romeo 33, Alfa Romeo 133 e Peugeot 405.

Era um verdadeiro tesouro, mas o herdeiro não tinha interesse nenhum nos carros. Ele só queria as propriedades. Quando abrimos o galpão e vimos todos os carros lá, ele só disse: ‘tirem todas estas porcarias daqui, eu quero vender o galpão.”

De acordo com a Kaskote Calcos, a ideia é vender todos os carros – o que não deve demorar muito, considerando que na Argentina os Fiat das décadas de 1980 e 1990 são cultuados de forma comparável aos Volkswagen da mesma época no Brasil. A maior probabilidade é que eles vão parar nas mãos de colecionadores – ou seja, se são novos em folha e não rodaram nunca, provavelmente vão continuar assim.

Por um lado, acredito que carros foram feitos para rodar e adoraria colocar pelo menos um deles na minha garagem (talvez aquele Uno italiano, só pelo exotismo). Por outro lado, sei o quanto tais carros são valiosos para colecionadores, e que o fato de nunca terem andado só os torna ainda mais valiosos – e vou compreender se o próximo dono quiser mantê-los assim. Mesmo que eu discorde.

Fotos: Franco Cipolla/Facebook. Sugestão de Diego Fabuel Garcia

Matérias relacionadas

Vantablack: como funciona a “tinta” preta mais escura que existe?

Dalmo Hernandes

Rod Stewart (sim, o cantor) levou 23 anos para construir este diorama gigantesco e absurdamente detalhado

Dalmo Hernandes

Para-choques de impacto: como uma canetada destruiu o design automotivo nos EUA ao longo de um ano

Dalmo Hernandes