Estes são alguns dos carros conversíveis mais legais do GT40

Equipe FlatOut 11 setembro, 2018 0
Estes são alguns dos carros conversíveis mais legais do GT40

Ao tirar o teto de um carro, removendo-lhe a capacidade de te proteger dos elementos, você ganha em troca uma experiência muito mais orgânica e envolvente para os sentidos, com o som do ar sendo cortado pela carroceria, o vento no rosto e uma visão muito mais ampla do mundo a seu redor. Eles também são bons para atrair olhares no trânsito – algo que vale tanto para os mais antigos e simples quanto para os mais exóticos, e é uma das razões para que nem todos curtam os carros de carroceria aberta.

Se você é dos que curtem, porém, certamente vai gostar da nossa lista temática do GT40 de hoje, na qual selecionamos alguns conversíveis e tentamos incluir carros de diferentes faixas de preço e segmentos. Quem sabe você não se anima?

Só precisamos lembrar: esta é uma situação diferente das listas de anúncios de pessoa física, que seguem uma ordem cronológica: escolhemos a dedo os carros desta lista, e todos são interessantes em nossa opinião, cada um por suas razões. Entendido? Então vamos lá!

img_132356_4_698e6ff5-2318-4e58-9ac4-9932a7f502e6

Fechado ou aberto, o Porsche 911 Turbo S da geração 997 continua sendo um monstro mesmo uma década depois: este exemplar, fabricado em 2009, tem um flat-six biturbo de 3,6 litros e 500 cv acoplado a uma caixa manual de seis marchas. Com tração nas quatro rodas, ele é capaz de ir de zero a 100 km/h em 3,5 segundos (apenas 0,1 segundo mais lento que o cupê) e tem máxima de 312 km/h. O anunciante diz que este exemplar tem 20.000 km rodados e traz opcionais como sistema de escape Capristo, som Bose e faróis com máscara negra. Clique para ver o anúncio.

 

img_16656_4_37edbbeb-7f58-4a89-b6d8-5c9f8d2c5257

Que tal algo completamente diferente? Quem curte hot rods deve saber que, na década de 1930, os caras que montavam seus project cars não pensavam duas vezes antes de juntar o chassi de uma fabricante com o motor de outra e o câmbio de uma terceira – pouco importava se o carro resultante era um monstro de Frankenstein, se no fim ele fosse mais rápido que os outros. E é mais ou menos a filosofia deste carro: um Ford 1929 Phaeton, conversível de quatro portas do Modelo A, com um V8 Dodge de 318 pol³, o mesmo usado por todas as variações do Dodge Dart no Brasil. Segundo seu proprietário, o Ford tem carburador Quadrijet, câmbio manual, rodas “palito” de 14 polegadas e instrumentos Autometer. Clique para ver o anúncio.

 

img_275896_4_46e55a02-cc06-4620-b45a-438bb6a0f6e2

Aos fãs da “preparadora de fábrica” da Mercedes-Benz: dêem uma olhada neste SLK55 AMG. Não é o modelo mais lembrado da linhagem, mas seu conjunto é bem interessante. O roadster tem um V8 naturalmente aspirado de 5,4 litros e 360 cv acoplado à transmissão automática 7G-Tronic, capaz de levá-lo de zero a 100 km/h em 4,3 segundos, com máxima limitada em 250 km/h. Este exemplar foi fabricado em 2010, segundo seu anunciante, tem 25.800 km rodados. Clique para ver o anúncio.

img_260288_4_25d402e9-c22b-4073-9d5a-9a3ece7e3163

Este é o mais rápido da lista, ao menos nos números: trata-se de um Lamborghini Gallardo LP570-4 Spyder Performante, movido por um V10 de 5,2 litros e 570 cv acoplado a uma caixa automatizada de seis marchas. O Spyder Performante é a versão aberta do Gallardo Superleggera, que tem componentes mais leves para pesar 1.485 kg, contra 1.570 kg do Spyder “comum”. Com isto, vai de zero a 100 km/h em 3,9 segundos, com máxima de 324 km/h. Detalhe: fabricado em 2011, este exemplar tem apenas 6.000 km declarados. Clique para ver o anúncio.

 

img_205144_4_f3ed861c-c002-4c00-b801-4b0e869635f4

Procura algo mais old school e  mais acessível? Curte os seis-cilindros alemães? Então veja este BMW 325i E36 1994. O carro tem 96.000 km declarados, está com rodas aftermarket e é movido por um seis-em-linha de 2,5 litros e 192 cv. Este é acoplado a uma caixa manual de cinco marchas, algo relativamente raro de ser ver em um E36 em bom estado de conservação. Clique para ver o anúncio.

 

img_206256_4_ccaf263a-1fce-46c4-b9db-e9b0153af532

Se for para falar de um conversível old school de verdade, vamos então a este Alfa Romeo Spider 2000 Veloce, equipado com o famoso motor Twin Cam da Alfa Romeo – comando duplo no cabeçote, dois litros e 132 cv, acoplado a uma caixa manual de cinco marchas. Com desenho agradável, baixo peso e suspensão bem acertada, o Alfa Spider tinha uma receita tão competente que durou 28 anos, de 1966 a 1994, com pequenas variações. Este exemplar de 1972 tem, segundo a descrição do anúncio, 80.000 km rodados e está muito íntegro e bem cuidado – ainda que não fique claro se já houve restauração. Clique para ver o anúncio.

 

img_226892_4_f76547cb-dbd1-48f5-bbd3-93132b0444ca

Também fabricado em 1972 foi este Porsche 911 Targa que, embora não seja um conversível tradicional, encaixa-se na lista pois o teto e o vigia traseiro são removíveis, o que efetivamente torna o carro um modelo aberto. Este exemplar é um 911 T, com motor flat-six de 2,4 litros e 140 cv e câmbio manual, e o proprietário diz que o mesmo é muito original e que possui vasto histórico do carro desde sua chegada ao Brasil. Clique para ver o anúncio.

 

img_322668_4_e4372bc6-e961-47e4-be42-0bff3175ac70

O Pontiac Solstice é um carro que tinha todos os ingredientes para dar certo, mas veio em uma hora ruim: em meados dos anos 2000, quando a Pontiac já dava sinais de que não duraria muito mais tempo. Trata-se de um roadster esportivo com um quatro-cilindros de 2,4 litros com comando duplo no cabeçote e 175 cv, acoplado a uma caixa manual de cinco marchas, com suspensão independente por braços triangulares sobrepostos nas quatro rodas. Ele é capaz de ir de zero a 100 km/h em 7,2 segundos, com máxima de 198 km/h. Este é um exemplar fabricado em 2006 que, segundo o anunciante, tem 20.000 km rodados. Clique para ver o anúncio.

img_263624_4_a9f590a1-640b-4759-bc19-e3538cf7d594

O mais em conta da lista é este Puma GTS 1977, que usa mecânica de Fusca 1600 e, segundo o anunciante, foi todo restaurado nos padrões originais e nada ficou de fora – pintura, suspensão, mecânica e interior devem estar, portanto, em excelente estado. O vendedor ressalta que o carro foi vistoriado pela FBVA e recebeu placas pretas. Clique para ver o anúncio.

 

img_111140_4_f287b570-6140-4dc9-bb87-722ae26e9bab

Feito sobre a plataforma do Honda Civic de quinta geração, o Del Sol é um conversível com teto targa, dois lugares e a mesma mecânica da versão VTi – o motor B16, de 1,6 litro e 160 cv, com comando variável V-TEC, acoplado a uma caixa manual de cinco marchas. O anunciante diz que o carro tem apenas 34.000 km rodados e está muito bem conservado, incluindo o acabamento e o berço da capota, que fica guardada no porta-malas quando não está em uso. Clique para ver o anúncio.

 

img_334564_4_f29e6313-ba33-4e75-8d8d-636af5eaf499

O Porsche Boxster Spyder foi uma versão lançada junto com o Cayman GT4 e, como ele, tem o motor flat-six do 911 Carrera S (porém um pouco menos potente, com 370 cv) e câmbio manual de seis marchas. O charme do carro é a traseira, com visual inspirado pelo Porsche 718 Spyder de corrida dos anos 60 e uma capota minimalista de acionamento manual. Clique para ver o anúncio.

 

img_323284_4_9dc35b03-0299-40d9-8bf3-e8063c9e544d

O Ford Mustang de quarta geração, especialmente na fase pré-facelift, não é dos mais adorados pelos fãs do pony car. Mas ele tem seus méritos, como mostra este Mustang GT conversível 1995: um V8 de cinco litros e 215 cv (potência respeitável para um V8 americano 23 anos atrás), câmbio manual de cinco marchas e capacidade de ir de zero a 100 km/h em menos de sete segundos. Clique para ver o anúncio.