A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Top

Estes são alguns dos conta-giros mais estilosos e icônicos já feitos – parte 1

Há alguns dias, perguntamos aos leitores quais eram os conta-giros mais estilosos e emblemáticos já colocados em um carro. Foram diversas respostas excelentes, e algumas que foram até surpreendentes – do tipo que nos fez pensar “eu não lembrava desse!”

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Agora, cá está a primeira parte da lista com as respostas, que complementa bem nossas três sugestões iniciais: o conta-giros no capô usado pelos Pontiac e outros muscle car dos anos 70; o conta-giros digital minmalista do McLaren 720S; e o relógio analógico atemporal do Porsche 911. Ou seja: alguns estão aqui por seu visual impecável, outros pela inventividade, e outros simplesmente por que são icônicos e inconfundíveis.

 

Singer DLS

Sugerido por: Eduardo W.

Precisaríamos de um post inteiro para falar de todos os aspectos interessantes do Singer Dynamic and Lightweight Study – DLS, para os íntimos. Aliás, já o fizemos, e você confere aqui. O caso é que se a Singer é reconhecida pelo nível inacreditável de atenção aos detalhes em todos os seus Porsche reimaginados, o DLS é o Santo Graal neste sentido. Pegue, por exemplo, seu motor – um flat-six naturalmente aspirado de 500 cv desenvolvido com a ajuda da Williams e do lendário Hanz Merger (o engenheiro que projetou os motores de praticamente todos os Porsche, nas pistas e nas ruas, até os anos 1990).

O motor entrega sua potência máxima às 9.000 rpm – o que nos traz ao tema principal. O conta-giros do Singer DLS, como em todo Porsche 911, é uma peça destacada, bem no centro do cluster de instrumentos – nos 911 atuais, é o único mostrador analógico. A diferença é que, no DLS, o conta-giros é uma peça extremamente bem trabalhada, que parece um objeto de decoração. Ela foi elaborada pela tradicional Smiths, tão presente em esportivos europeus dos anos 60 e 70.

O conta-giros tem a moldura folheada a ouro, assim como o chapelim e as marcações próximas aos números. A face, em tom de champagne anodizado, traz a assinatura da Singer também folheada a ouro, e a marcação vai até 11.000 rpm, sendo que a faixa vermelha do conta-giros começa a 9.500 rpm. Dá para fazer o boxer arrefecido a ar gritar bastante antes de passar para a próxima marcha.

Os outros instrumentos do 911 Singer DLS também são da Smiths, porém com uma acabamento escuro, mais discreto.

 

McLaren F1

Sugerido por: David

O McLaren F1 era o carro mais tecnologicamente avançado de seu tempo, com um monocoque de fibra de carbono, um V12 BMW de 6,1 litros e 627 cv a 7.400 rpm, e 62,3 kgfm de torque a 5.600 rpm, capaz de ir de zero a 100 km/h em 3,6 segundos, com máxima de 386 km/h – o suficiente para fazer dele o carro produzido em série mais veloz do planeta entre 1998 e 2007. O McLaren F1 só foi superado pelo Bugatti Veyron, que chegou aos 408 km/h com seu W16 quadriturbo, câmbio de dupla embreagem e tração nas quatro rodas.

Justamente: o McLaren F1 foi lançado há 26 anos, em 1993, e por isso ele também é um carro bem analógico para os padrões de hoje. O motor era naturalmente aspirado, o câmbio era manual de seis marchas e a tração era traseira. Não havia freios ABS, amortecedores ajustáveis ou qualquer tipo de assistência eletrônica – até porque, para Gordon Murray, seria acréscimo de peso.

O aspecto do painel de instrumentos reflete este espírito: o cluster centralizado é simples e funcional, com três elementos principais: à direita, o velocímetro que marca até 240 mph e 380 km/h. À esquerda, o nível do combustível e as temperaturas do óleo e do fluido de arrefecimento. No meio, o conta-giros honesto, marcando até 8.000 rpm. O detalhe é que, em vez de usar os números simples das rotações, com o fator de multiplicação “x100” ou “x1000” marcado na parte inferior, o conta-giros do McLaren F1 mostra os números inteiros, de 1.000 a 8.000.

 

Honda S2000

Sugerido por: mateus eliaquim

Falar em conta-giros e sem mencionar o VTEC, yo, seria inadmissível. O grande barato do sistema de comando variável da Honda é justamente o ganho de força do motor em alto giro – e bota alto nisto. Na época do lançamento, o Honda S2000 usava o mítico motor F20C, um 2.0 todo de alumínio com pistões forjados que compartilhava algumas características de construção com o Honda K20.

A versão japonesa tinha 250 cv a 8.600 rpm e 20,7 kgfm de torque a 7.500 rpm – potência específica de impressionantes 125 cv/litro. O perfil do comando VTEC ficava mais agressivo na marca das 6.000 rpm, e o motor seguia girando até as 9.200 rpm. Poucos quatro-cilindros originais de fábrica cantam tão bonito quanto o motor do Honda S2000.

O felizardo ao volante podia conferir a velocidade no velocímetro digital. O conta-giros também era digital – um arco sobre o velocímetro, que era preenchido à medida que o giro subia. A marcação, novamente, era totalmente sincera.

O painel digital do S2000 era de um tipo bastante comum desde o final dos anos 1980 (que o digam os fãs do Kadett GSi), mas ainda era considerado algo moderno na época do lançamento. Por outro lado, atualmente ele é o aspecto mais datado do roadster, que é notório por seu desenho harmônico e atemporal, e pelo comportamento dinâmico acertadíssimo, lembrando um Mazda MX-5 Miata com mais punch.

 

Lexus LFA

Sugerido por: Filipe Pompilio

Aliás, o conta-giros digital do Honda S2000 (e do Kadett GSi) era diferente do que se vê hoje – não eram animações geradas em telas coloridas, e sim luzes que apagavam e acendiam de acordo com as rotações. Um dos primeiros carros a trazer um conta-giros digital como os que temos hoje completará nove anos em dezembro: o Lexus LFA.

Quem conhece a Lexus sabe que, dez anos atrás, a ideia de um superesportivo da marca era, no mínimo, improvável: a Lexus nasceu como fabricante de luxo com o LS400, criado para encarar Mercedes-Benz Classe S e BMW Série 7 nos Estados Unidos, e foi com carros de luxo que ela construiu sua reputação de 1989 para cá.

Pois foi o que aconteceu em 2011 – talvez porque usar a marca Toyota fosse ainda mais inusitado. Mas o Lexus LFA tinha colhões: um motor V10 de 4,8 litros, desenvolvido em parceria com a Yamaha, e capaz de entregar 560 cv a 8.700 rpm, com 48,9 kgfm de torque a 6.800 rpm. A redline começava nas 9.000 rpm, com o giro limitado a 9.500 rpm.

O V10 era acoplado a uma caixa sequencial de seis marchas com acionamento eletro-hidráulico, e o conjunto era suficiente para que o LFA fosse de zero a 100 km/h em em 3,7 segundos, com máxima de 326 km/h.  O sistema de escape foi criado em parceria com a divisão de instrumentos musicais da Yamaha – tudo para encontrar o ronco perfeito.

O conta-giros era o único instrumento que usava uma tela LCD no painel, e a tela ficava vermelha quando o ponteiro chegava às 9.000 rpm.

Em 2012, a Lexus declarou que o conta-giros digital não foi adotado por vaidade, e sim por necessidade. O V10 levava apenas 0,6 segundo para ir do zero até a redline, e o ponteiro analógico não respondia rápido o suficiente para mostrar as rotações de forma precisa. Em outras palavras: o ponteiro era lento demais para o motor.

 

Citroën C4

Sugerido por: Rogério Rodrigues

A Citroën, historicamente, tem reputação de marca inovadora, com carros repletos de características pouco usuais e complexas, porém eficientes – como a suspensão hidropneumática, por exemplo. Esta personalidade excêntrica prevaleceu até poucos anos atrás, mas agora os Citroën estão ficando mais “normais” – até certo ponto. O painel digital do Citroën C4, lançado no Brasil em 2006, é um bom exemplo.

A unidade principal do painel fica centralizada, com um display digital que mostra a velocidade e demais dados instantâneos sobre o carro. O conta-giros, porém, fica separado – em cima do volante. Uma tela horizontal monocromática mostra as rotações, marcadas até 8.000 rpm. A presença do conta-giros digital ajudou o Citroën C4 a ganhar uma aura mais sofisticada junto ao público, e de certa forma remetia à fama de inovadora que a fabricante francesa cultivou em um século de existência.

Além disso, ele tinha um easter egg. Na versão de estreia, equipada com um 2.0 16v de 143 cv a 6.000 rpm, a iluminação laranja do conta-giros ficava vermelha – o que podia assustar os mais distraídos, que pensavam se tratar de um defeito.

 

Pagani Zonda R

Sugerido por: Fernando Motta

Apresentado pela primeira vez em 1999, no Salão de Genebra, o Pagani Zonda foi produzido, tecnicamente, até 2017 – quase vinte anos, mantendo a mesma identidade visual. Simples: ele não se parecia com nenhum outro supercarro que existia em 1999, nem em 2009, e nem agora – exceto, de certa forma, pelo Huayra, que é sua evolução natural.

Com quantidades copiosas de fibra de carbono e um motor V12 emprestado da Mercedes-Benz – e aperfeiçoado pela AMG – o Pagani Zonda tinha um apelo estético único, misturando elementos inspirados nas pistas com toques retrô, antiquados, ou quase bregas. Mas ele andava muito e soava melhor ainda, então… tudo bem. O Zonda era assim, e assim ele se tornou um dos supercarros mais icônicos dos últimos vinte anos.

Isto é especialmente verdadeiro no caso do Pagani Zonda R, de 2007, versão ultra-radical que usava o motor V12 6.0 M120 do Mercedes-Benz CLK GTR – preparado para entregar 750 cv a 7.500 rpm e 72,4 kgfm a 5.700 rpm, e acoplado a uma caixa manual de seis marchas. O zero a 100 km/h vinha em 2,7 segundos, a velocidade máxima era de mais de 350 km/h, e o conta-giros ficava no volante.

Fotos do interior mostram que o Zonda era mesmo meio bizarro do lado de dentro, com um painel digital monocromático em uma moldura cromada e botões coloridos sem marcação que deixam o interior com um quê de brinquedo – a não ser pelo fato de haver fibra de carbono exposta em vários lugares. Como no volante, que tinha os raios de fibra de carbono e o conta-giros (que lembrava os tradicionais Stack, muito usados em carros de rali) ali no meio.

Completamente inesperado e, temos certeza, nem um pouco prático (você fica olhando para o botão da buzina o tempo todo quando dirige?), mas estamos falando do Zonda. Dá para relativizar tranquilamente – e até apreciar o exotismo. Mesmo porque um conta-giros digital também aparece no painel.

Matérias relacionadas

Heresia ou delícia? Toyota AE86 com V8 LS3 de quase 600 cv!

Dalmo Hernandes

Esta picape Chevrolet acabou de ser restaurada… pela Honda! Mas por quê?

Dalmo Hernandes

O Honda Prelude de tração traseira (!) e motor Cosworth que arrepiou no Reino Unido

Dalmo Hernandes