A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Cinema Sessão da manhã

A evolução das cenas de perseguição — quantos filmes você consegue identificar?

Cerca de 40 filmes e menos de dois minutos: é só isto o que este vídeo precisa para nos contar a história das cenas de perseguição — o ápice de qualquer filme, ao menos do ponto de vista de entusiastas como nós. E, cara, como elas mudaram!

Nas primeiras cenas não há nem carros — só cavalos. Afinal, o filme mais antigo em existência feito com uma câmera que capturasse imagens em movimento foi Roundhay Garden Scene, de outubro de 1888 — três anos depois de Karl Benz patentear o primeiro automóvel. O primeiro cinema foi aberto em 1895 e, naquela época, o conceito de perseguição automobilística ainda não existia.

Para matar a curiosidade — sim, são só três segundos

O consenso é que a primeira perseguição com carros moderna a ser retratada na telona foi a gloriosa sequência de 10 minutos de Bullitt, em 1968. A disputa épica entre o Mustang verde e o Charger preto é tão lendária que dizem que o resto do filme foi só um pretexto para que ela fosse filmada. Pode até ser exagero, mas o fato é que ela é uma das primeiras a aparecer no vídeo, e a partir daí a coisa só foi ficando mais sofisticada. Agora, chega de papo e vamos à ação — literalmente.

Talvez você concorde com a gente, talvez não, mas lá vai: o que notamos foi que, à medida que as técnicas para filmar perseguições foram se tornando mais apoiadas nos efeitos especiais do que em manobras filmadas com carros de verdade (ou bolhas) e dublês, a abordagem das perseguições também mudou. Em filmes como “Golpe à Italiana” (The Italian Job, 1969), a trilogia original de Herbie, o Fusca nº 53, “Corrida Contra o Destino” (Vanishing Point, 1971), “60 Segundos” (o original da década de 1970) e outros, o foco são os carros realizando manobras desafiadoras (ou até impossíveis), como subir escadas, dar piruetas ou saltar de pontes em altíssima velocidade, aterrissar e sair rodando como se nada tivesse acontecido.

Com o tempo — e o surgimento dos efeitos especiais —, as perseguições passaram a incluir outros elementos, como helicópteros e explosões e cidades destruídas, com mais frequência. Elas ficaram mais megalomaníacas e — em alguns carros, menos convincentes, ainda que mais realistas.

Isto porque antes os carros voadores (como o Bluesmobile e seu clássico backflip) e outros elementos eram meio que uma licença poética: as pessoas sabiam que era impossível que um carro fizesse aquilo. Nos filmes mais modernos, as manobras em si são mais realistas, mas as perseguições se tornaram um espetáculo muito maior, e se levam a sério de mais. Meio que acaba com a graça.

Mas podemos estar falando isto por sermos ranzinzas demais — talvez porque, das 40 ou 50 cenas de perseguição retratadas no filme, nenhuma delas tenha o Dodge Charger General Lee. De qualquer forma, fica o desafio: quantos filmes você consegue identificar neste vídeo? E quais faltaram?

Matérias relacionadas

Este Chevrolet Corvette Grand Sport novinho virou sucata por causa de uma rachadura de 2,5 cm

Dalmo Hernandes

ReRendezvous: recriando o clássico curta-metragem francês com um Ford Mustang GT

Dalmo Hernandes

Como era o mundo quando o Renault Clio começou a ser feito no Brasil?

Leonardo Contesini