A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Extintor ABC? No futuro você talvez possa apagar incêndios com… o som do carro!

Desde 1º de janeiro de 2015, o Conselho Nacional de Trânsito está tentando implementar definitivamente a adoção de extintores de incêndio do tipo ABC nos veículos de passeio brasileiros. O motivo é que o pó químico do extintor ABC é capaz de apagar as chamas de materiais sintéticos como o tecido e a espuma dos bancos, como podemos ver no vídeo abaixo:

Brincadeiras à parte, o extintor é um equipamento útil em caso de princípio de incêndio, quando você avista as chamas ainda em baixa intensidade. Até o começo deste ano, os carros podiam rodar com os extintores do tipo BC e ABC. O extintor BC é designado para combater incêndio causado por líquidos inflamáveis e equipamentos elétricos, mas não é recomendado para materiais sólidos como tecidos, espuma, plásticos e borrachas. Por isso, o Conselho Nacional de Trânsito decidiu tornar obrigatório o uso do extintor ABC — o “A” designa a capacidade de combater chamas em materiais sólidos.

Atualmente não há um extintor capaz de combater todo tipo de incêndio. Existem cinco tipos de extintores – A, ABC de pó químico e de halotron, BC, D e K. O tipo A combate incêndio em sólidos; o AB em sólidos e líquidos; o ABC em sólidos, líquidos e em circuitos elétricos; o D em metais; e o K em gorduras, óleos e graxas. É por isso que você não deve tentar apagar o fogo se ele já estiver instalado na carroceria do carro, por exemplo — você precisaria de um ABC e um D para combater o incêndio. Um não, vários.

Mas imagine se houvesse uma forma de extinguir o fogo usando somente um dispositivo para qualquer tipo de incêndio. Esse “extintor ideal” é objeto de estudo de vários pesquisadores de todo o mundo, que há algum tempo vêm procurando uma forma mais moderna de combater o fogo. Pensou em ficção-científica? É quase isso.

As pesquisas para modernizar os sistemas de supressão de incêndio começaram em 2008 com a DARPA, a agência militar de projetos de pesquisa avançada de defesa dos EUA. Você talvez tenha reconhecido o nome pois eles são aqueles cientistas malucos que fazem e patrocinam o desenvolvimento de robôs aterrorizantes de tão parecidos com seres vivos:

Em 2011 eles deixaram os robôs de lado por um instante e desenvolveram um extintor de incêndio baseado em ondas sonoras. Sim, você leu certo: ondas sonoras, o bom e velho som. Parece loucura, mas eles até divulgaram um vídeo para demonstrar como o negócio funciona:

No meio está uma tigela com combustível em chamas. Os dois tubos ao lado dela têm alto-falantes reproduzindo uma determinada frequência para criar um campo acústico que irá aumentar a velocidade do ar. À medida em que a velocidade do ar aumenta a camada  que separa a chama do combustível fica mais fina, facilitando o desprendimento da chama. Ao afetar a superfície do combustível, o campo acústico aumenta a vaporização do combustível, o que aumenta a chama mas reduz sua temperatura. Como a mesma quantidade de calor se espalha por uma área maior, a combustão é interrompida.

Como você percebeu, esse sistema não é exatamente prático — o fogo precisaria estar sempre entre dois canhões de som para ser suprimido por um campo acústico. Contudo, dois estudantes da George Mason University, Seth Robertson e Viet Tran, desenvolveram um extintor sonoro mais compacto e portátil, e provaram que ele funciona apagando as chamas da queima de álcool isopropílico em uma frigideira a céu aberto.

O princípio do aparelho dos estudantes é o mesmo do sistema da DARPA: as ondas sonoras de 30 a 60 hertz separam o oxigênio do combustível pela agitação do ar, impedindo que o fogo volte a se formar. De acordo com a declaração dos estudantes à revista New York, se escalonado de forma adequada, os extintores de ondas sonoras poderia eliminar o uso de pó químico e o desperdício de água para conter incêndios em casas e até florestas.

Claro, ainda há muito pela frente. Primeiro os estudantes precisam testar o sistema em incêndios com tecidos, madeira, gorduras e outros materiais sólidos, caso obtenham sucesso, o próximo passo é desenvolver uma forma prática de combate a incêndio usando ondas sonoras.

Tudo isso, contudo, nos faz pensar que eles talvez tenham encontrado alguma utilidade para os campeonatos de SPL. Quem precisa de ABC quando se tem subwoofers?

Matérias relacionadas

Este Porsche 935 de rua tem 750 cv e é um dos dois únicos que existem no mundo

Dalmo Hernandes

Os melhores hot hatches do universo: Honda Civic Type R

Dalmo Hernandes

Já imaginou como seria um BMW M3 E30 Touring? Não precisa mais imaginar

Dalmo Hernandes