A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Projetos Gringos

F*CK CANCR: como um entusiasta usou seu Nissan GT-R para lutar até o fim contra um câncer terminal

Não é à toa que a palavra “câncer” é muito para descrever qualquer aspecto desprezível de praticamente qualquer coisa. O câncer é uma doença devastadora, que pode chegar de repente e levar embora qualquer um de nós, ou de nossos entes queridos. Existem diversos fatores agravantes, como genética e hábitos de vida, mas na prática o câncer pode pegar qualquer um desprevenido. Como aconteceu com Andrew Lee, um entusiasta norte-americano que, em 2015, com 19 anos, foi diagnosticado com um tipo raro de câncer nos rins, já em estágio avançado. O prognóstico era sombrio: os médicos disseram que Andrew só tinha de um a três anos de vida.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Uma notícia dessas é suficiente para fazer qualquer pessoa entrar em desespero, e com Andrew não foi diferente. Contudo, não demorou muito para que ele percebesse que só podia fazer duas coisas: ficar parado, lamentando e com pena de si mesmo, ou sair dali e aproveitar ao máximo o pouco tempo que tinha.

Andrew decidiu ficar com a segunda opção, e agarrou-se a ela até onde conseguiu. Infelizmente, porém, ele acabou perdendo a luta – Andrew morreu no último domingo de Páscoa (21), cercado de sua família e amigos. E, por tudo o que fez no fim de sua vida, ele não deve ser esquecido.

Andrew morava em Maryland, Estados Unidos, e estava na escola quando sentiu dores agudas na barriga. A primeira suspeita foi apendicite, e imediatamente foi levado para o pronto-socorro. Após uma tomografia do abdômen, Andrew descobriu que tinha sofrido uma hemorragia interna em decorrência de vários tumores nos rins, que estavam em estágio 4 e já haviam se alastrado para a pelve. Os tumores eram inoperáveis.

No vídeo abaixo, gravado durante o SEMA Show, em novembro de 2018, Andrew conta que na primeira meia hora após o diagnóstico, ficou simplesmente arrasado, questionando-se: “por que eu?”. No entanto, não levou muito tempo para que ele percebesse que aquele não era o caminho – e começou a listar as coisas que gostaria de fazer antes de morrer. No topo, claro estava “comprar o carro dos meus sonhos”.

Como muitos entusiastas, especialmente as gerações mais novas, Andrew já gostava de carros na infância, mas foi com o primeiro “Velozes e Furiosos”, de 2001, que ele descobriu que era obcecado por eles. É claro que ter dado uma volta no TVR do pai de um amigo quando tinha dez anos de idade também ajudou.

Seu primeiro carro dos sonhos foi o Skyline GT-R R34, obviamente influenciado por Brian O’Conner. Mas, quando veio a ideia de montar a lista de “coisas para fazer antes de morrer”, o sonho era outro – um Nissan GT-R atual, naturalmente. No dia seguinte, ele e o pai foram à uma concessionária Nissan e, naquele fim de semana, Andrew voltou para casa ao volante de seu Godzilla novinho em folha.

Pouco depois, Andrew começou a fazer um tratamento experimental que, a princípio, mostrou-se eficaz e garantiu que ele tivesse disposição e tempo para cuidar do carro como queria. Ele até voltou a estudar – o que, nos primeiros meses, impediu que Andrew realizasse qualquer modificação no carro.

A fase “careta”, contudo, não durou muito tempo. Andrew tomou a decisão – compreensível, diga-se – de sair da escola e fazer algo mais produtivo com seu tempo. Algo que envolvesse carros, mais especificamente.

Foi quando ele teve a ideia de usar seu carro como ferramenta na luta contra o câncer. Não apenas contra seu câncer, mas de muitas outras pessoas diagnosticadas com a mesma doença que a sua – o HLRCC, que acomete principalmente adolescentes e jovens adultos.

Para isto, Andrew fundou a associação Driven to Cure (algo como “Dirigindo até a Cura”, em tradução livre), para aumentar a conscientização das pessoas a respeito de seu tipo de câncer, e também levantar fundos para apoiar a pesquisa e o desenvolvimento de novos tratamentos. Como? Usando seu GT-R como show car, atraindo a atenção das pessoas para a causa.

E assim teve início o projeto: Andrew instalou no GT-R um kit widebody da Liberty Walk e mandou pintar o carro de laranja metálico – uma tonalidade desenvolvida em parceria com a BASF, e batizada DTC Orange em sua homenagem.

Também foram adotados novos turbocompressores que, com uma reprogramação na ECU, levou a potência do motor VR38DETT a cerca de 700 cv, de acordo com Andrew. Ele não se importava muito com números, preocupando-se apenas em curtir o carro – algo que fez até seus últimos dias.

Andrew usava o carro diariamente: o GT-R era seu meio de transporte e também sua terapia. Ele dizia que, passeando pela cidade à noite, com as janelas abaixadas, dando uma esticada aqui e outra ali, conseguia esquecer dos problemas, do câncer, de tudo. O carro, aliás, era o maior símbolo de sua luta contra a doença terminal – a placa dizia “F CNCER”, uma grafia estilizada de F*ck cancer.

Participando de eventos e encontros, já em 2016 Andrew conseguiu levantar US$ 200.000 através de sua organização, participando de eventos e obtendo patrocínios. Todo o valor foi doado para a Foundation for the National Institutes of Health (FNIH), órgão que investe em pesquisas sobre o câncer nos rins que Andrew teve.

Andrew pode não ter conseguido vencer a luta contra o câncer, mas a Driven to Cure vai continuar em atividade, honrando sua memória, em busca de uma cura. Descanse em paz, Andrew. Seu legado continua vivo.

Fotos: Driven to Cure

Matérias relacionadas

Smokey and the Bandit: como Burt Reynolds transformou o Pontiac Trans Am em um ícone do cinema

Dalmo Hernandes

Simplicidade, leveza e diversão: duas décadas de Elise, o carro que salvou a Lotus

Dalmo Hernandes

Por que no Brasil não temos mais caminhões bicudos, como nos Estados Unidos?

Dalmo Hernandes