A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Fiat 130: este raro cupê esportivo italiano está à venda

Diga o que quiser a respeito da Fiat, mas há uma coisa incontestável: a reputação mundial da fabricante quando se trata de modelos compactos. Ao longo de sua história, a fabricante italiana colocou no mercado diversos carros pequenos de grande importância, tanto em sua terra natal quanto em outros países. Na Itália, houve o lendário Nuova 500. Na Polônia, o Fiat 126 foi produzido por décadas e se tornou uma espécie de patrimônio nacional. No Brasil, não se pode deixar de mencionar o Fiat 147, e muito menos o Uno.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Nos anos que se seguiram, outros modelos compactos da Fiat, como o Palio, o Punto e o 500, ajudaram a manter esta reputação. Por outro lado, os modelos maiores e mais refinados da Fiat não têm a mesma fama. O que é uma pena pois, especialmente nas décadas de 1960 e 1970, a companhia teve alguns modelos interessantes em seu portfólio, com apelo mais luxuoso e esportivo. O Fiat 130, por exemplo – que, com uma elegante carroceria cupê, é nosso Achado meio Perdido de hoje.

Lançado no Salão de Genebra em março 1969 – ou seja, exatos 50 anos atrás – o Fiat 130 era um carro grande, vendido como sedã, perua ou cupê, e equipado exclusivamente com motores V6. Sua missão era ser o novo modelo de topo da marca, substituindo o já antiquado Fiat 2300, que datava de 1961.

O Fiat 130 era um carro moderno para seu tempo, com suspensão independente nas quatro rodas (MacPherson na dianteira e na traseira, com barras de torção e molas helicoidais, respectivamente), direção hidráulica ZF, construção monobloco e um motor V6 que, nos primeiros exemplares, deslocava 2,9 litros (2.866 cm³) para entregar 140 cv a 5.600 rpm. O motor foi projetado por Aurelio Lampredi com base no quatro-cilindros do Fiat 128 – ou seja, tinha comando duplo no cabeçote e taxa de compressão de 8,3:1. Em 1970, a taxa de compressão aumentou para 9:1 e um carburador maior foi adotado, com a potência passando a 160 cv. Finalmente, em 1971 o deslocamento do motor foi ampliado para 3.235 cm³ através de um aumento no diâmetro dos cilindros (de 96 mm para 102 mm), com a potência subindo para 165 cv. Em qualquer caso, o motor era acoplado a uma caixa manual de cinco marchas da ZF, ou a uma transmissão automática de três marchas da BorgWarner.

O desenho do sedã e da perua foi assinado por Gianpaolo Boano, que trabalhava no Centro Stile Fiat. O cupê, porém, tinha carroceria Pininfarina, projetada pelo designer Paolo Martin. Em qualquer das versões, o conjunto mecânico era sempre o mesmo, mas a identidade visual do cupê era diferente: enquanto sedã e perua tinham quatro faróis circulares, ele vinha com faróis retangulares largos e baixos, que davam um aspecto bem sério à dianteira. O interior também tinha desenho exclusivo, com acabamento em madeira e formas mais complexas. O trabalho de Martin foi premiado naquele ano, e o prêmio, recebido em nome da Pininfarina, ajudou a colocar o estúdio de design em destaque na década de 1970.

Foram feitos cerca de 15.093 exemplares do Fiat 130 com carroceria sedã entre 1969 e 1976. O cupê é bem mais raro – apenas 4.491 carros foram fabricados entre 1971 e 1977.

O exemplar anunciado no GT40 é um Fiat 130 Coupé fabricado em 1974, o que significa que ele possui o motor de 3,2 litros. De acordo com o anunciante, o carro é um dos cerca e 800 exemplares equipados com câmbio manual de cinco marchas. O carro é equipado com ar-condicionado e freios a disco.

O vendedor afirma que o Fiat 130 Coupé está em boas condições de conservação – a carroceria apresenta a tonalidade original de azul marinho, e traz diversos componentes originais de fábrica e bem conservados, incluindo faróis, lanternas, emblemas e demais itens de acabamento, como para-choques, grade, detalhes cromados e rodas Também são originais todos os vidros e as peças do interior – volante, instrumentos, comandos para o motorista e todos os revestimentos.

Exemplares em bom estado de conservação, com a manutenção em dia e capazes de rodar, são difíceis de encontrar à venda mesmo lá fora – se vê, porém, muitas unidades fora de circulação, aguardando uma restauração completa. Se você é um colecionador que admira modelos obscuros, e possui uma queda por cupês italianos com motor V6 e tração traseira, este Fiat 130 Coupé pode ser uma boa adição a seu acervo.

Se você ficou interessado, pode clicar aqui para acessar o anúncio e entrar em contato com o vendedor!


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Este Gol GTS é mais um clássico esportivo nacional a um preço justo

Dalmo Hernandes

Sim, este VW Gol Mi 1.6 1999 tem só 2.100 km rodados – e está à venda!

Dalmo Hernandes

Um Porsche 911 aircooled para curtir a céu aberto: este Targa 1978 está à venda

Dalmo Hernandes