A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #405

Fiat Brava 2.4: a história do raro Project Cars #405

Minha história com Bravas já vem de muito antes do 2.4, tudo começa em 2006 quando meus pais compraram um Brava SX 1.6 2001. Daí em diante foi só paixão, passei a participar de fóruns de Brava e Marea e a conhecer melhor esses carros que sempre tiveram muito de ame ou odeie. Pois bem, eu os amo.

Defini então que meu primeiro carro seria um Brava, e através dos fóruns conheci a história dos três Brava 2.4 que foram produzidos pela Fiat. Naquela época não havia nenhum a venda e com isso resolvi fazer meu próprio Brava 2.4.

Para “facilitar” tudo o fiz com câmbio automático — afinal pra que facilitar quando se pode dificultar? Com a ajuda e empenho de vários amigos, muito sangue, suor e dedicação depois de um ano o carro ficou pronto, mas como o Project Cars não é sobre ele e sim sobre o 003 (por ser o terceiro dos três 2.4 produzidos) vou apenas colocar umas fotos e um vídeo em memória do meu antigo Brava 2.4 homemade, que hoje está nas mãos do meu grande amigo Cleiton, porém com câmbio manual.

 

Bem, desde o momento em que passei a conhecer sobre a história desses três carros passei a admirá-los mais ainda, não só pela exclusividade, nem só pela graça de ser um Fivetech, mas sim por tudo isso torná-los parte da história da indústria automobilística nacional.

Em meados de 2009 surgiu no fórum do Bravaclub um anúncio de internet com o número 003 a venda, não me lembro ao certo o valor que estavam pedindo, porém em lembro que o carro estava em uma agência em BH e me lembro também que eu não tinha a mínima condição de comprá-lo, mesmo sendo um sonho de consumo dos grandes.

Pois bem, o tempo passou, o anúncio do carro sumiu e a vida seguiu em frente, até que um belo dia me surge o contato do cara que o comprou da revenda na época. Por segurança e planos futuros mantive contato com o proprietário do carro, que sabia que esse carro era meu sonho e quanto apreço eu tenho pela história dele mesmo sem nunca tê-lo visto.

Um dia, o cara me chama e fala que vai vender o carro. Me bateu um desespero semelhante ao que me deu quando vi o anúncio da agência, porque novamente eu não teria condições de comprar o carro. Àquela altura a venda do carro havia sido divulgada aqui no FlatOut, mas o dono, que já era amigo, facilitou tudo o que pôde para que eu pegasse o carro. No entanto mesmo com tudo isso não foi possível e mais uma vez o 003 se foi, passando por mim sem que eu pudesse comprá-lo.

O carro foi vendido e junto com ele foi o meu contato para o novo dono, já sendo passado como sendo alguém que é um grande fã do carro e gostaria de acompanhar o carro sempre que possível. Em sua primeira semana com o carro, o novo proprietário entrou em contato comigo para saber mais sobre o carro e buscar informações, pois sabia ser um carro especial mas não conhecia a história. Com isso me tornei amigo do novo proprietário do carro, e sempre mantendo o sonho de um dia poder chamar de meu. E como não podia deixar de ser mais uma vez o carro foi colocado a venda e eu?

Bem como é o estado natural de 80% dos gearheads me mantinha quebrado, e de novo vi o carro ser vendido, e dessa vez sem ter o contato do novo dono. Poderia ser o fim da minha busca pelo 003, porém assim como a maioria dos leitores do FlatOut eu faço constantes buscas no OLX e Mercado Livre por carros de todos os tipos — mesmo sem ter a mínima condição ou intenção de comprá-los. Nessas buscas, um belo dia o 003 aparece novamente em um anúncio em Juiz de Fora/MG, imediatamente entrei em contato com o anunciante e para minha surpresa mais uma vez o carro estava em uma agência. Conversa vai, conversa vem o cara diz que aceita carros na troca, o que não mudava em nada minha vida pois não teria nenhum carro exceto meu daily drive para oferecer, e eu não poderia ficar sem ele.

Até que um dia depois um amigo que me devia uma grana me ligou e falou: “Apareceu um Vectra Challenge 2001 em uma condição boa pagamento pra mim, aceita como pagamento daquela dívida?” Pois bem… minha resposta todos vocês já imaginam qual foi, não?

Negociações feitas com o dono do Brava que aceitou o Vectra vendo apenas por fotos, tudo acertado com meu amigo e uma viagem para Minas marcada, meu amigo, Cleiton, iria comigo nessa, afinal também é louco por Fiat e se amarra na história do 003 iríamos no Vectra e voltaríamos no Brava. Seria uma viagem com dois carros que não conhecíamos em um trajeto de 800 quilômetros com cada carro. Mas afinal, qual seria a graça se fosse fácil não é?

Alguns dias depois, tudo combinado, tudo pronto e pegamos a estrada, o Vectra foi de forma exemplar, carro muito macio, forte, realmente nos surpreendeu bastante, chegamos lá fizemos checkin no hotel e já liguei par o cara do Brava que veio ao nosso encontro; bem, após todos esses anos “perseguindo” o 003 eu estava totalmente ansioso para finalmente ver o carro e poder dar uma volta.

Alguns minutos depois eis que ele chega, ouvir o ronco do Fivetech chegando, ver aquele carro de perto, logo em seguida entrar, poder dirigir ele foi realmente a realização de um sonho, uma sensação impossível de explicar, ele finalmente estava ali e dessa vez sem a possibilidade de ser vendido para mais ninguém. Como podem imaginar foi quase impossível dormir à noite, já querendo pegar a estrada de volta para Brasília, logo cedo antes de pegar estrada tirei algumas fotos do carro ainda na garage do hotel

Óleo e água conferidos, tanque cheio e vamos para a estrada com ele. As primeiras impressões foram as melhores possíveis, o carro tem uma suspensão muito boa, bastante firme e muito mais confortável do que eu podia imaginar, mesmo com rodas 17 com o carro baixo, o motor se mostrava muito mais disposto do que eu me recordava de qualquer Marea 2.4 que já andei.

O Fivetech 2.4 já é muito mais disposto que qualquer um outro motor do Marea em baixas rotações e sempre teve por característica também ser um motor elástico, que responde muito bem em qualquer faixa de giro, mas o 003 se mostrou muito mais do que qualquer um que já andei costumava ser, a quantidade de torque disponível em qualquer rotação me surpreendeu demais em toda a viagem, não foi preciso reduzir a quarta para nenhuma ultrapassagem sequer. Mesmo em ultrapassagens onde era preciso reduzir para 60 por hora, bastava afundar o pé de quinta para ter uma resposta mais que satisfatória, devido a não conhecermos o carro, fomos bem contidos em 80% da viagem, sempre controlando a vontade de acelerar tudo que dava.

O único inconveniente da viagem toda foi o ar-condicionado que estava meio fraco, mas quer saber? Eu estava naquele carro, realizando um desejo quase de infância, transformando em realidade tudo que eu imaginei ao longo desses anos, voltando pra Brasília com o carro que sempre me deixou na vontade, ao som do Fivetech (afinal ele não é nada silencioso). Com o passar dos quilômetros chegamos a conclusão que ele não usa as relações de câmbio originais do 2.4, o câmbio é mais curto, o que colabora as respostas do carro muito mais rápidas, e nos 20% finais da viagem descobrimos que o câmbio faz o carro engolir o painel de uma forma muito surpreendente, porém não o leva até o final do painel como faz em um Marea 2.4. Mas chega bem perto, e muito rápido…

Bem o carro chegou em Brasília na maior tranquilidade do mundo, sendo muito além de tudo que eu imaginava ser possível e surpreendendo em cada ponto, no único abastecimento que foi feito ao longo da viagem o carro fez uma média incrível de 12,1 km/l, inclusive refiz os cálculos porque não acreditei que seria possível tudo isso. Aí vi que realmente valeu a pena andar a no máximo 120 por hora a maior parte da estrada.

Bem a intenção com o carro e trazê-lo o máximo possível de volta a sua originalidade, para mim um carro com a história que ele tem deve ser mantido sem modificações radicais, portanto meu projeto com ele é retirar praticamente todas as modificações que foram feitas ao longo dos anos.

As primeiras modificações, a história e todos os mitos e verdades sobre esses tr6es carros, as curiosidades e características deles serão os assuntos do próximo post onde trarei muitas fotos e responderei as dúvidas que o pessoal tiver e colocar nos comentários.

Grande abraço a todos!

Por Gustavo Veras, Project Cars #405

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #45: a fabricação do Escort XR3 conversível

Leonardo Contesini

Alfa Romeo 156: a história do Project Cars #367

Leonardo Contesini

Honda Civic VTi: o início da restauração e a preparação do motor B16

Leonardo Contesini