A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Edições anteriores

FlatOut Edição 18: discutindo o trânsito, um guia FlatOuter de parafusos, a história das peruas Audi RS e mais!

Caros leitores, muito bem vindos à mais nova edição do FlatOut Brasil! Aqui temos elencadas as matérias exclusivas para assinantes. Caso você ainda não faça parte do universo do FlatOut, clique aqui e assine agora mesmo! Caso queira conferir as edições anteriores, clique na imagem abaixo.

 

Técnica

O guia FlatOuter dos parafusos

Se você pretende começar a fazer a manutenção do seu carro ou até mesmo pequenos reparos por conta própria, a primeira coisa que você deve fazer é comprar as ferramentas adequadas. Não dá para usar uma faca como chave de fenda, e muito menos um alicate como chave de boca. Por isso sua primeira compra deve ser um conjunto de chaves abrangente, capaz de apertar e desapertar os mais de 3.000 parafusos de diferentes tipos que se encontra em um automóvel. Clique aqui para ler o post.


 

Trânsito

Como a sinalização pode tornar o trânsito mais perigoso?

“Sem sinalização os motoristas agiam com cautela na aproximação da rotatória e no cruzamento. Eles eram obrigados a olhar para o lado e a se comunicar com os outros motoristas por que não havia uma placa para validar suas manobras. Eles não podiam acelerar e cruzar as pistas de forma agressiva porque não havia uma placa obrigando os outros a parar. Além disso, a velocidade também ajudava a travessia dos pedestres.” Clique aqui para ler o post.


 

Como a discussão sobre segurança no trânsito é distorcida no Brasil

É curioso como a opinião pública e o imaginário coletivo podem ser facilmente modelados. No momento, as prefeituras das principais metrópoles ocidentais como Nova York, São Paulo, Rio de Janeiro e Paris colocaram em pauta a segurança e os riscos dos patinetes elétricos. Mas um olhar mais atento, uma leitura além da linha-fina (aquele resumo da notícia entre o título e o corpo do texto) revela que os patinetes nem são assim tão perigosos. É a semântica da discussão pública que faz tudo parecer pior. Quer ver só? Clique aqui para ler.


 

Clássicos

O Mercedes 300SL Gullwing de Cuba está restaurado – e acelerando na Europa

Uma das primeiras histórias que contamos no FlatOut falava sobre um Mercedes 300SL Gullwing que estava abandonado embaixo de uma bananeira em Cuba. O carro fora descoberto por um fotógrafo espanhol nos anos 1990 depois de ouvir “a lenda do 300SL abandonado” no episódio cubano do programa Jeremy Clarkson Motorworld. O achado foi divulgado amplamente ao longo dos últimos anos, e tudo indicava que ele permaneceria por muito mais tempo lá.

Acontece que além do fotógrafo espanhol, um colecionador italiano também estava no encalço do clássico — nos anos 1990 os 300SL já eram carros altamente valorizados — e finalmente o encontrou em 1996. A partir dali, ele passou 22 anos tentando juntar as peças do carro e tentando encontrar uma forma de tirá-lo de lá. Ele finalmente conseguiu em 2018, levando o carro como ferro-velho, dizem. No início deste ano o carro deu as caras em eventos de clássicos na Europa, e seu proprietário parece disposto a fazer valer todo o tempo que passou atrás do carro. Clique aqui para ler o post.


 

Bentley 8 Litre Sportstourer Gurney Nutting: conheça o “Best of Show” de Pebble Beach 2019

O vencedor do Concours d’Elegance Pebble Beach de 2019 foi um nome meio underground: trata-se do único Bentley 8 Litre Gurney Nutting Sports Tourer que existe em todo o planeta. E nós contamos sua história completa. Clique aqui para ler o post.


 

Automobilismo

Marlboro: o “cigarro saudável” que ajudou a escrever a história do automobilismo

Ao lado da Martini e da John Player Special, a Marlboro criou uma das pinturas de corrida mais icônicas de todos os tempos. Mas você sabe como ela foi parar no automobilismo? Clique aqui para ler o post.


 

História

Audi RS2, RS4 e RS6 Avant: 25 anos de evolução das super peruas alemãs

A Audi meio que aproveitou o lançamento da nova RS6 Avant para comemorar os 25 anos de suas super peruas – linhagem que começou lá em 1994, com a Audi RS2 Avant. A super perua alemã original, que foi sucedida pela RS4 e pela RS6. Neste post, fizemos algo simples, porém trabalhoso: catalogamos todas as gerações das três peruas Audi RS. Clique aqui para ler o post.


 

Como um engenheiro da Volvo criou o cinto de três pontos

Não foi a Volvo quem inventou os cintos de segurança – eles já existiam desde meados do século 19. E os cintos subabdominais já eram usados esporadicamente desde a década de 1940. Mas foi em 1959, 60 anos atrás, que a Volvo convocou um de seus engenheiros mais talentosos para criar um novo cinto de segurança, mais seguro, confortável e prático. Eis a história do cinto de três pontos. Clique aqui para ler o post.


 

A pré-história da aviação: como o homem voava antes dos aviões? | Parte 1

Bairrismos à parte, todos sabemos que o avião moderno foi invenção de um brasileiro – o 14-Bis de Alberto Santos Dumont, que no dia 23 de setembro de 1906 tornou-se o primeiro avião do mundo a decolar e voar com sua própria força. Ele tinha um motor aeronáutico Antoinette de 50 cv e, no campo de provas de Bagatelle, em Paris, voou por sete segundos, a dois metros de altura, percorrendo sessenta metros diante de 1.000 espectadores. Em outros países, a invenção do avião é atribuída aos irmãos Orville e Wilbur Wright, mas a máquina voadora que eles criaram em 1903 não era capaz de levantar voo sozinha. Mas… e antes dos aviões? Clique aqui para ler o post.


 

Quando o McLaren F1 se tornou o protótipo do Mercedes-Benz CLK GTR

No fim de 1996, depois que a FIA tentou transformar o campeonato de turismo alemão (DTM) em um campeonato mundial batizado International Touring Car Championship e fracassou miseravelmente, a Mercedes teve que encontrar outro palco para seu programa de automobilismo. Coincidentemente, naquele ano a FIA havia mudado as regras do endurance mais uma vez e criou a GT1. Só havia um pequeno problema: havia pouquíssimo tempo até o início da temporada de 1997 e o regulamento exigia que fossem construídas, no mínimo, 25 unidades de rua para que um modelo pudesse disputar o Mundial. Como eles conseguiram? Comprando um McLaren F1 para usar como protótipo. Clique aqui para ler o post.


 

Matérias relacionadas

FlatOut Edição 12: adeus ao Beetle, 50 anos de CB750 Four, História de Silverstone, Dinâmica na Pista e mais!

Juliano Barata

FlatOut Edição 13: o novo Corvette de motor central-traseiro, a história de Ken Miles, 25 anos da Audi RS e mais!

Leonardo Contesini

FlatOut Edição 04: a evolução de Zandvoort, as curvas americanas, os 20 anos do Classe A e mais!

Leonardo Contesini