A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #43

Ford Focus Tributo a Colin McRae: as novidades do Project Cars #43

Foto: Rodrigo Precioso

E aí, amigos! Depois de algum tempo sem conseguir atualizar a novela, finalmente mais um capítulo.  Enquanto a radical “Evolução 3” do MothaFocus não começa, aproveitei pra acertar algumas pendências de percurso e deixar tudo meio engatilhado para o que vem pela frente.

Tive alguns problemas de alimentação no decorrer do projeto, e na 2ª Subida de Montanha acabei perdendo a oportunidade de fechar um ótimo tempo na minha 3ª tentativa (SS3) por conta disso. Como estava usando pneus semi slick, não havia muito tempo para esquentá-los, e esse tipo de pneu só funciona bem com temperatura alta. Então, depois de quase me matar na SS1 com algumas atravessadas “à la McRae”, antes da 2ª largada andei com o carro alguns km no outro sentido para aquecer os pneus, e testar o ajuste de calibragem que fiz pra “comportar” a traseira. Como tudo foi bem e melhorei 3s em relação à SS1, me preparei para a SS3 que seria no “modo soviético”.  Aqueci os pneus novamente, calibragem perfeita, comecei forte mas no km 2 já comecei a sentir falta de combustível. Usava uma bomba externa somente, com a captação na saída original, então mesmo com mais de ¼ de tanque começou a falhar nas curvas. Que raiva… Por mais que tenha andado bem, a gente sempre quer mais, e eu estava seguro que viria um tempo excelente na SS3. Tudo bem, vai ter próxima.

Então, recentemente enviei o carro aos amigos Acacio e Jorginho da Akira Motors, pra resolver algumas coisas, entre elas resolver de uma vez por todas esse problema de alimentação. Instalamos então um surge tank da Imohr de 4l no porta malas (agradeço ao amigo Rafael por toda a atenção), uma bomba de Astra internamente no lugar original somente para alimentar o surge, e mantendo a externa para empurrar pro motor. Refizemos toda a linha de combustível, entrada e saída da flauta e trocamos o dosador.

foto5

 

Comecei a eliminar coisas desnecessárias para o meu uso como o ar condicionado, por exemplo. Arrancamos tudo, com um bom alívio de peso. Com isso também sobrou espaço para um intercooler maior feito pela Supercooler, aproveitando a enorme entrada de ar do parachoque do RS.

foto6 foto7

O painel de instrumentos que utilizo é do Focus RS, possui shift light originalmente e no lugar do mostrador de temperatura possui um manômetro de pressão de turbo. Só que originalmente, o funcionamento desse manômetro é eletrônico e não teria como fazer funcionar no módulo do meu carro. Anos atrás, logo que chegou o painel, adaptei um mecanismo de um manômetro normal de 1 kg, aproveitando o mostrador. Funcionou bem por algumas semanas, e depois parou. Entrei em contato com o pessoal da Cronomac, expliquei meu pepino e pedi ajuda.

Me surpreendi (e aqui deixo meus parabéns e muito obrigado pelo apoio) com a atitude da empresa: enviaram um mecanismo que resolveria meu problema. Com a falta de tempo e mudança de cidade inclusive devido ao trabalho, a troca acabou ficando de lado. O Jorginho comentou nessa revisão sobre o manômetro do painel, e comentei que precisava trocar o mecanismo por esse enviado pela Cronomac, e assim foi feito. Funcionando perfeitamente agora, aferido e testado! Obrigado MESMO à Cronomac por todo o apoio, e ao Jorginho e Akira pela instalação ninja!

Trocamos os retrovisores por modelos usados em rally, da Mountney, mais pelo visual do que funcionalidade, mas não tem jeito, as duas coisas tem que caminhar juntas!

foto8 foto9

O carro voltou pro Funari para refazer a tubulação do escape, e ele fez tudo em inox com 3” e sem abafadores. Ficou nervoso o ronco, mas impossível de usar direto, então instalei um abafador de 3” interna pra pelo menos quebrar um pouco o escândalo e demorar um pouco mais pra ir preso!

foto11

foto10

Outros detalhes como as porcas de roda forjadas Volk, cabos de vela LiveWire com capa térmica, capa térmica Sickspeed para os terminais das velas, e alguns outros pequenos detalhes também já fizemos.

foto14 foto15

Comprei um motor Zetec 16V preparado pela inglesa Mountune para F-Ford, mas somente para retirar o sistema de carter seco para o próximo motor que vou fazer para a “Evolução 3”, e acabei usando também o volante, bastante aliviado. Revisamos a embreagem (outro parabéns, agora para a Displatec), que mesmo com quase 15.000 km não necessitou nada além de limpeza, e já aproveitamos para instalar o novo volante.

foto12 foto13

A ideia do carter seco no próximo motor é poder inclinar mais a posição de montagem, e não sofrer com falta de lubrificação em curvas ou altas RPM, pois os novos comandos são bem agressivos. É um conjunto Crower Stage4 de 300º de permanência, para mais de 8000RPM. Como já advertiu a própria Crower na descrição do comando no site, “não é para amadores”!

Possivelmente teremos uma nova edição da Subida de Montanha de Campo Largo no fim desse ano, então os pequenos problemas que tive foram resolvidos. Estou animado com as melhorias feitas no carro, e mesmo antes do motor novo acredito que o comportamento vai ser ainda melhor.

Depois de pronto, recebi um convite do amigo Henrique para fazer umas fotos profissionais com outro amigo, Rodrigo Precioso. Fomos para a estrada e o Rodrigo fez fotos muito legais, que renderam um convite da Fullpower para fazer uma matéria com essas fotos, e assim foi feito. Edição de abril desse ano com matéria e pôster do MothaFocus! Agradeço aos amigos da Fullpower pelo convite!

Tudo isso ainda não é a cereja do bolo, que por enquanto mantenho em segredo e certamente vai “chocar populares”! Provavelmente a próxima atualização do projeto vai demorar um pouco, em torno de seis meses pelo menos, sem contar o motor, então peço desculpas desde já pela futura demora.

Um abraço a todos, e “if in doubt, FlatOut!”

 

Por Gustavo Loeffler, Project Cars #43

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #373: como meu Renault Clio de rua se tornou um carro de track day

Leonardo Contesini

Project Cars #279: os resultados do meu Honda Fit 1.4 na pista

Leonardo Contesini

Project Cars #274: a ressurreição do Chevette Tubarão amarelo trigo – e sua primeira viagem

Leonardo Contesini