Ford Ka XR: esta pode ser sua chance de comprar um dos esportivos mais legais do Brasil

Dalmo Hernandes 26 maio, 2014 205
Ford Ka XR: esta pode ser sua chance de comprar um dos esportivos mais legais do Brasil

Hot hatches são queridos por todos porque são relativamente acessíveis e oferecem diversão mesmo sem doses cavalares de potência. Um dos mais legais a serem oferecidos no Brasil foi o Ford Ka XR, com motor potente na medida, tamanho compacto e dinâmica extremamente empolgante. E nós achamos um belo exemplar à venda!

Quando o Ford Ka foi lançado no Brasil, em 1997, ele ainda era avançado demais para seu tempo. Não em tecnologia, pois não trazia nenhum recurso revolucionário, mas sim na proposta e no design. Concebido pela Ford europeia para ser um carro urbano com capacidade para só quatro pessoas e quase nenhuma bagagem, seu foco era o visual.

ka

O Ka estreou a linguagem de design New Edge da Ford, que foi usada por boa parte da década de 2000, e trazia como principais características as linhas angulosas e a presença marcante de formas triangulares — é só reparar nos faróis do Focus de primeira geração, que veio pouco depois do Ka, e de outros modelos da época. Nem todo mundo aprovou as proporções, com capô curto, entre-eixos longo e para-choques bem integrados à carroceria.

A mesma coisa aconteceu no Brasil, com o agravante de que o tamanho diminuto não era adequado para o mercado — a maioria das pessoas achava que, como qualquer hatch compacto, ele deveria levar cinco pessoas e carregar mais bagagem, mas vendeu razoavelmente bem — e, na segunda geração desenvolvida por aqui, cresceu em espaço e pode finalmente desempenhar a função de carro de entrada. Agora, a próxima geração será um carro global, maior, com quatro portas e até versão sedã.

O caso é que, para os entusiastas, o Ka é um brinquedinho muito atraente — seu tamanho reduzido, com balanços dianteiro e traseiro quase inexistentes, além do baixo peso fazem dele um dos carros mais divertidos de guiar já vendidos no País. E nem precisa ser muito potente: mesmo as versões com motor 1.0 são adoradas por quem gosta de acelerar. Sendo assim, o Ka XR 1.6 é quase um ícone.

ka-xr-2

O motor 1.6 de 95 cv fez da versão esportiva brasileira o Ka mais potente do mundo na época. A suspensão, independente do tipo McPherson na dianteira e traseira por eixo de torção, era mais firme e recebia uma barra estabilizadora na dianteira (não disponível nos 1.0), melhorando seu comportamento em curvas. Esteticamente, tinha rodas de 14 polegadas, saias laterais e aerofólio funcional na traseira.

ka-xr (5)

Contudo, as modificações são mais profundas: o carro passou por uma série de modificações além do motor 1.6, como câmbio curto, radiador mais eficiente e novo sistema de escapamento. Além disso, o aerofólio garantia 7 km/h a mais na velocidade máxima. Os dados de desempenho: 0 a 100 km/h em 10,8 segundos e velocidade máxima de 186 km/h.

ka-xr

O carro das fotos, anunciado no Bom Negócio, é um XR 2004 — ou seja, já traz o facelift que deixou a dianteira mais moderna e a traseira mais palatável para o público geral, e era mecanicamente igual à versão Action, lançada em 2002. Está em excelente estado por dentro e por fora, com as rodas originais e a pintura azul (que cai muito bem a um Ford esportivo) aparentemente impecável.

O lado de dentro está em condições semelhantes, apenas com uma parte solta no forro da porta do carona — algo comum nos Ka e Fiesta dessa época —, e traz como itens de conforto ar-condicionado, trio elétrico e direção hidráulica. O hodômetro marca pouco mais de 58 mil km, um número baixo para um carro de 10 anos de idade.

Quanto pedem por ele? Um valor justo: R$ 15 mil — na verdade, um pouco abaixo da média para os XR deste ano. Se você quer um hatch esportivo por um preço atraente e não precisa se preocupar com espaço interno, eis uma belíssima oportunidade.


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! na qual selecionamos e comentamos anúncios de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de uma reportagem aprofundada e não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios – todos os detalhes devem ser apurados com o anunciante.

[ Bom Negócio. Sugestão de post: Henrique Romano ]