A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos GT40 Classificados Zero a 300

Ford Ka XR: este pocket rocket brasileiro bem cuidado e íntegro pode ser seu primeiro esportivo

Há quem diga que, por ter tração dianteira e um motor quatro-cilindros de 1,6 litro com “apenas” 95 cv, o Ford Ka XR não é um esportivo de verdade. A gente discorda: ele é leve (930 kg) bem acertado e naturalmente divertido de guiar por conta do entre-eixos curto e dos balanços quase inexistentes na carroceria – o carro muda de direção rápido e é estável, pois não sofre tanto com a inércia polar. Além disso, tem modificações importantes na suspensão, rodas e pneus de medidas exclusivas da versão e um visual bem interessante, chamativo na medida certa.

Sendo assim, quem gosta do Ka XR e sabe de seu potencial na pista já deve ter percebido que está cada vez mais difícil encontrar um exemplar original, bem cuidado e que não tenha sido modificado para track days e afins. É o caso do nosso Achado meio Perdido de hoje, anunciado no GT40.

img_103088_4_45c6ad31-89aa-45e3-bedf-b2e4b779214a

O Ka XR foi lançado pela Ford relativamente tarde: a versão “comum” do hatchback chegou em 1997, com motores 1.0 e 1.3 de 51 cv e 60 cv, respectivamente. Como contamos recentemente neste post, em 2000 veio o motor Zetec RoCam, com comando no cabeçote e versões 1.0 de 65 cv e 1.6 de 95 cv – esta última, só para o esportivo XR, ao menos no início. Foi o bastante para que o XR brasileiro fosse o Ka mais potente fabricado no mundo. Na Europa, só havia a versão de 60 cv até 2003, quando foi lançado o Ford SportKa, com motor 1.6 Duratec 8V de 94 cv (que era o RoCam rebatizado) e desenho mais agressivo.

Com os 95 cv a 5.500 rpm e 14,5 mkgf de torque a 3.000 rpm tinha disposição para levar o pequeno hatch aos 100 km/h em 10,8 segundos, e a velocidade máxima era de 186 km/h. Era um belo salto em relação ao 1.0 de 65 cv, cujos números eram 15,4 segundos e 157 km/h, respectivamente. A Ford dizia que, do aumento de 29 km/h na velocidade máxima, 7 km/h se deviam à redução no arrasto aerodinâmico proporcionada pelo spoiler traseiro.

img_103092_4_45c6ad31-89aa-45e3-bedf-b2e4b779214a

Além disso, as modificações necessárias na estrutura do Ka para receber o motor mais potente acabavam por contribuir para sua rigidez no geral – as longarinas, por exemplo, eram mais parrudas, e havia uma barra estabilizadora na dianteira que não estava disponível no 1.0. Da mesma forma, os amortecedores com mais carga ajudavam a lidar com o maior peso na frente e auxiliavam na hora de contornar curvas, reduzindo a rolagem – no que também ajudam os pneus de medidas 185/60/14. Se você já guiou um XR, mesmo original, sabe do que a gente está falando.

Na verdade a Ford demorou tanto para lançar o Ka XR que já no ano seguinte, 2002, o modelo passava por sua primeira reestilização. Tal qual o resto da família, o Ka XR ganhou para-choques um pouco mais volumosos e lanternas traseiras com novo formato, mais verticais (e, na opinião de alguns, mais harmônicas). Além disso, a placa traseira saiu do para-choque e foi para a tampa do porta-malas.

img_103148_4_45c6ad31-89aa-45e3-bedf-b2e4b779214a

img_103168_4_45c6ad31-89aa-45e3-bedf-b2e4b779214aimg_103152_4_45c6ad31-89aa-45e3-bedf-b2e4b779214a

O proprietário deste exemplar de 2003 é Henrique Menegotto, de Bento Gonçalves e ele diz que pegou o carro há pouquíssimo tempo, em agosto deste ano. Henrique conta que procurou por muito tempo um Ka XR bem cuidado e com menos de 100.000 km rodados, finalmente encontrando este carro em Curitiba/PR.

Ele também afirma que a dona anterior havia realizado serviços de manutenção importantes havia pouco tempo: a embreagem foi trocada, os amortecedores são novos e o sistema de ar-condicionado foi higienizado há cerca de quatro meses.

img_103128_4_45c6ad31-89aa-45e3-bedf-b2e4b779214a

Hoje o hodômetro marca 99.840 km, segundo Henrique, e o motor 1.6 goza de plena saúde. Ele diz também que o carro já teve alguns retoques na pintura, e que é possível alguns sinais de desgaste, mas que no mais o carro está com excelente aspecto. O lado de dentro é totalmente original, e o dono afirma que só apresenta alguns acabamentos soltos – mal comum do modelo, observa.

Henrique diz que realizou alguns outros serviços assim que levou o carro para casa, substituindo o atuador da embreagem, o reservatório de água e as mangueiras, todos os fluidos e um dos retentores do virabrequim. Conta, também, que o carro já era equipado com filtro cônico K&N e comando de válvulas SWR1 – este último, upgrade bastante comum entre os donos de carros com motor Zetec RoCam. Fabricado na África do Sul pela Steve Wyndham Racing, o comando promete ganhos de cerca de 10 cv segundo o site da preparadora.

img_103084_4_45c6ad31-89aa-45e3-bedf-b2e4b779214a

Por fim, Henrique afirma que no início de setembro o carro teve o assoalho e o cofre do motor lavados e a pintura polida e espelhada. Ele diz que só está vendendo o carro porque terá que sair do Brasil para continuar os estudos.

Se você ficou interessado, é só clicar aqui para acessar o anúncio e pegar mais detalhes com o dono.

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Porsche 911 GT2 RS revelado, Ferrari 488 híbrida em testes, um dos 24 Ford RS200 bateu em Goodwood e mais!

Leonardo Contesini

Havaianas patrocina halo da Force India, Jeep terá modelo menor que Renegade, SP quer cobrar IPVA de carros de outros estados e mais!

Leonardo Contesini

O que você faria com este motor de Ferrari Enzo que encontramos à venda?

Dalmo Hernandes