A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Ford Ranger atualizada no Brasil, o recorde do Mini JCW GP em Nürburgring, o perfil do novo Defender e mais!

Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Ford Ranger 2020 é apresentada com atualizações na suspensão

A Ford apresentou nessa terça (25) a linha 2020 da Ranger com leves retoques e algumas melhorias. A dianteira recebeu novos faróis com DRL de LED e farol baixo de xenônio, grade nova e para-choque novo. As rodas e as motorizações não mudaram. No interior mudaram apenas o console central e a alavanca de câmbio.

A Ranger recebeu câmera externa de alta resolução, antena receptora de GPS, o radar frontal foi reposicionado, chave presencial e barras te torção na tampa da caçamba, que reduz em até 70% o esforço para fechar a tampa. A suspensão dianteira foi redesenhada e recebeu nova barra estabilizadora, novos coxins, e novo conjunto de molas e amortecedores.

A linha 2020 da Ranger pode vir com cruise control adaptativo com leitor de placas. A Versão XLS recebeu itens de conforto como ar condicionado de duas zonas, central multimídia SYNC 3 e sensor de pressão dos pneus. A Ranger não oferece mais o motor 2.5 flex, vem apenas com o quatro cilindros 2.2 diesel de 160 cv e o cinco cilindros 3.2 diesel de 200 cv. O cambio manual de seis marchas é disponível apenas no 2.2, o automático continua o de seis marchas, o de dez adotado na Europa e nos EUA não veio. (ER)

Ford Ranger XLS 2.2 4×2 AT: R$ 128.250
Ford Ranger XLS 2.2 4×4 MT: R$ 147.520
Ford Ranger XLS 2.2 4×4 AT: R$ 154.610
Ford Ranger XLT 3.2 4×4 AT: R$ 176.420
Ford Ranger Limited 3.2 4×4 AT: R$ 188.990

 

Flagras revelam perfil, interior e suspensão do novo Defender

A quantidade de flagras do novo Defender vão acabar com as novidades sobre o carro quando ele finalmente for lançado. Após o vazamento do kit Lego do Defender uma foto do painel do novo Defender revela o desenho final do perfil do carro em seu cluster digital.

O carro revelado é a versão de quatro portas, que tem estilo quadradão inspirado no Defender clássico e que lembra o Discovery 3. É possível notas que o Defender tem as colunas todas pintadas de preto como no Range Rover, mas com uma porção “flutuante” pintada na cor da carroceria na coluna C.

Outro detalhe que é possível notar é uma escotilha de vidro no teto perto da coluna C, inspirada por escotilhas similares presentes no Defender clássico. No gráfico do cluster o Defender conta com um estepe externo.

O flagra do interior revela uma alavanca de câmbio automático em forma de joystick localizada no painel como em vans. O Defender ainda mantém botões para comandar o ar condicionado, não adota a solução de agrupar os comandos em telas táteis como na linha Range Rover.

Outros flagras revelam informações sobre a suspensão do Defender, já noticiamos em abril que ele terá suspensão a ar, segundo um flagra da equipe da Motor Trend. Os novos flagras mostram essa disposição foi flagrada mais uma, a novidade é que também foi flagrado outro Defender usando molas helicoidais comuns. O que indica que a suspensão a ar será opcional ou disponível apenas nos modelos mais luxuosos. O lançamento do Defender será no Salão de Frankfurt em setembro. (ER)

 

Audi considera versão “semi-pista” do R8 inspirada no GT3

A Audi Sport está considerando uma versão mais hardcore do R8, inspirada pelo R8 LMS de corrida. Essa versão seria a sucessora do R8 RWS de 2017 e chegaria para competir com o futuro Mercedes-AMG GT Black Series.

Oliver Hoffman, chefe da divisão de performance da Audi, disse que o motor do R8 LMS é muito próximo da versão de rua e que os pilotos da GT3 ajudam nos acertos dos carros da marca. Essa versão mais extrema seria focada em aerodinâmica, redução de peso e acerto dinâmico..

Hoffman também afirmou que a Audi Sport não tem interesse em eletrificar o V10 5.2 aspirado e prefere mantê-lo aspirado nessa geração do R8. Outros modelos da linha RS da Audi também não vão receber versões de tração traseira, apenas o R8, eles também não vão receber um modo de tração traseira na tração Quattro como o BMW M5 e Mercedes E63 AMG. A tração integral permanente faz parte da identidade das versões esportivas da marca. A última declaração do chefe da Audi Sport foi que um RS Q8 virá em breve para fazer companhia ao SQ8 TDI apresentado ontem. (ER)

 

Carros “populares” europeus estão em risco

Vejam só que ironia: as leis cada vez mais restritivas sobre emissões e consumo de automóveis podem levar os modelos “populares” europeus à extinção. O motivo? Bem… tecnologia não fica barata porque o governo quer.

Segundo os fabricantes, as novas leis de emissões exigem a adoção de um volume cada vez maior de tecnologias nos carros. Os modelos mais luxuosos têm uma margem para compensar, mas os modelos populares, por sua essência, têm custos de produção menores. Agregar o custo das tecnologias necessárias pode torná-los inviáveis e o segmento pode ser abandonado por grande parte dos fabricantes em breve.

Isso resulta em dois problemas: os carros pequenos ajudam a reduzir o índice médio de emissões das fabricantes (lembra do Aston Martin Cygnet?). Sem eles, os carros maiores precisarão de mais tecnologia ou menos desempenho, como aconteceu nos anos 1970 nos EUA. Mais tecnologia encarece os carros, o que pode levar ao segundo efeito: o carro poderá se tornar um artigo de luxo reservado às classes mais altas, caso os elétricos não consigam reduzir os preços das tecnologias de eletrificação a tempo. (LC)

 

Mini JCW GP cravou 7:56,69 em Nürburgring

Depois de nos provocar ontem (24) dizendo que o novo John Cooper Works GP virou Nürburgring em menos de oito minutos, a Mini decidiu agora revelar o tempo da volta: 7:56,69.

Por mais que não seja o recorde absoluto entre os carros de tração dianteira (este ainda percente ao Renault Mégane RS Trophy, que virou 7min40s1 há algumas semanas), o tempo do Mini JCW GP é mais do que respeitável – e a Mini orgulha-se tanto dele que até decidiu gravá-lo no painel de instrumentos do carro, como mostra este flagra do interior.

Agora, só falta o vídeo onboard. O novo Mini JCW GP, não custa lembrar, terá uma versão de pelo menos 300 cv do motor 2.0 turbo TwinPower da BMW, e deverá ser apresentado ainda neste ano. As vendas começam em algum momento de 2020. (DH)

 

Citroën C4 Cactus não terá segunda geração

A Citroën não pretende desenvolver um sucessor para o C4 Cactus. O modelo, que é o “lançamento mais importante da história da marca no Brasil”, segundo a própria Citroën, deixará de ser produzido na Europa ao fim desta geração. Em seu lugar, virá um novo modelo sem o nome Cactus e completamente diferente do crossover.

A informação vem da própria Citroën, por meio de seu diretor de produto Xavier Peugeot (sim: Peugeot…) durante uma entrevista à revista Top Gear. Segundo Peugeot, o sucessor do Citroën C4 (será um Opel?) será “especial” e manterá a filosofia da marca em fazer carros “pouco convencionais”.  Tomara. (LC)

 

BMW apresenta novos conceitos de supercarro e motocicleta

A BMW mostrou nesta semana uma dupla de carros-conceito que, de acordo com a companhia, fornecem um vislumbre de seu futuro em termos de design. O primeiro é o Vision M Next Concept, esportivo em formato de cunha que adianta, possivelmente, o sucessor do i8.

Sendo assim, é natural que ele tenha proporções muito parecidas com as do i8 – talvez até demais. Nos parece pouco inspirado, na verdade, como se a BMW simplesmente tivesse pego um i8 e o deixado mais retilíneo e futurista, sem se esforçar muito para surgir com algo realmente novo.

De qualquer forma, há alguns toques de criatividade, como a pintura em dois tons – laranja fosco “Thrilling Orange” na traseira e prata “Cast Silver” na dianteira, com rodas igualmente bicolores. Os detalhes em laranja também aparecem na grade, nas entradas de ar da dianteira e em insertos no interior.

O M Next Concept é movido por um conjunto híbrido, com um quatro-cilindros turbo de 600 cv. É o bastante para ir de zero a 100 km/h em três segundos, com máxima de 300 km/h. Usando apenas energia elétrica, o carro tem autonomia de 100 km.

O outro conceito é uma moto elétrica: a BMW Vision DC Roadster. Com visual bastante futurista (e mais criativo que o M Next Concept, diga-se), a motocicleta traz uma bateria instalada onde geralmente ficaria o motor – ladeada por dois coolers nas laterais, posicionados de forma a emular o perfil de um motor boxer  de dois cilindros.

Da mesma forma, a estrutura da moto é curvada na parte superior, de modo a imitar o desenho de um tanque de combustível. O motor elétrico fica na parte posterior do quadro, e leva a força para a roda traseira através de um cardã.

Diferentemente do M Next Concept, porém, a BMW DC Roadster está mais para um exercício de design do que para uma previsão de um modelo futuro – a fabricante alemã ainda não está investindo em motocicletas híbridas e elétricas da mesma forma que está fazendo com os carros. Ainda. (DH)

 

BMW R 1250 GS é anunciada para setembro e parte de R$ 69.950

Falando em motos da BMW, porém no mundo real: o próximo lançamento da marca no Brasil está marcado para setembro – a nova R 1250 GS, a ser produzida em Manaus/AM. A moto chegará às lojas com com preços entre R$ 69.950 e R$ 91.950.

Como o nome diz, a nova BMW R 1250 GS passará a usar um motor maior, com 1.250 cm³ em vez dos 1.200 cm³ da versão anterior. O novo boxer entrega 136 cv a 7.750 rpm e 14,5 kgfm de torque a 6.250 rpm – um ganho de 11 cv e 1,8 kgfm, respectivamente. O motor possui comando de variável ShiftCam nas válvulas de asmissão, e é acoplado a uma caixa de seis marchas com embreagem hidráulica. A moto também é equipada com acelerador eletrônico, hill holder, monitor de pressão dos pneus, farol de LED, painel digital e tomada de força de 12 volts.

A versão básica é a que custa R$ 69.950. O modelo Premium, de R$ 82.950, acrescenta aos equipamentos de série controle de tração, suspensão com ajuste dinâmico, partida por botão e preparação para navegador por GPS. O modelo mais caro, Adventure, sai por R$ 91.950 e tem suspensão diferenciada, pneus de uso misto e protetores para as pernas. (DH)

 

Supercarro elétrico da Lotus poderá se chamar Evija

Foto: Auto Express

Como todos sabemos, a Lotus tem o costume de batizar seus carros com a letra “E” – Eleven, Esprit, Elise, Exige, Evora, Elite… Seu novo supercarro, atualmente conhecido como Type 130, não deverá fugir desta tradição: segundo relatam os britânicos do site Auto Express, a fabricante britânica acaba de registrar o nome “Evija” no Reino Unido.

O registro abrange uma série de categorias – incluindo até mesmo brinquedos. Com isto, deduz-se que o nome já foi escolhido, mas a fabricante foi procurada pela publicação e recusou-se a comentar. Vamos ter que esperar mais alguns dias, visto que a apresentação oficial está marcada para 16 de julho. (DH)

Matérias relacionadas

Duelo do dia especial Copa do Mundo: Colômbia vs. Inglaterra, ou Montoya vs. Mansell

Dalmo Hernandes

Mercedes-AMG GT C chega por mais de R$ 1 milhão, a morte do pai do Ford Maverick, novo TVR já tem data de lançamento e mais!

Leonardo Contesini

Ford Kent: a história do motor dominou as pistas nos Lotus dos anos 1960 e se tornou um dos mais populares do Brasil

Leonardo Contesini