A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Funcionário revela “técnicas de arrecadação” com multas, a nova cara do Equinox, os detalhes do Supra 2.0 e mais!

Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Funcionário de empresa de radares revela supostas técnicas de arrecadação com multas

A Rádio Bandeirantes revelou nesta última segunda-feira (13) um suposto serviço oferecido por uma empresa fornecedora e operadora de radares para aumentar a arrecadação com multas de trânsito. Segundo a reportagem de Agostinho Teixeira, a empresa oferece estudos e métodos para, digamos, otimizar a arrecadação dos radares.

Segundo a conversa do repórter com um funcionário da empresa, não há custo inicial de instalação dos equipamentos, apenas a recontratação dos serviços pela ampliação da fiscalização, em um sistema de se retro-alimenta — o que é permitido pela lei, uma vez que o dinheiro das multas pode ser utilizado para a contratação de mais radares.

As técnicas são bem conhecidas e exploram os limites da resolução 396 do Contran, conforme o FlatOut já mencionou em diversas ocasiões, como instalar a placa de limite de velocidade na distância máxima ou mínima do equipamento de radar, para confundir o motorista, não usar o radar próximo a lombadas — que servem justamente para reduzir a velocidade — e não instalar em ruas com pouco movimento.

Ainda segundo o funcionário da empresa, um radar gera uma arrecadação três vezes maior que seu custo operacional e, se as recomendações da empresa forem seguidas à risca, não há riscos de prejuízo.

Após a divulgação da matéria da Rádio Bandeirantes, a empresa divulgou uma nota oficial assinada apelas pela “diretoria”, sem nomes dos responsáveis. Na nota, eles confirmam o vínculo do funcionário entrevistado com a empresa, reforça que ele não tem autorização para falar em nome da empresa, e que a empresa desconhece tais práticas. A empresa ainda afirma que os radares são instalados segundo critérios técnicos e que sua divisão de radares foi encerrada há mais de cinco anos, embora em seu site ainda conste a oferta do serviço.

O problema desta denúncia é que, aparentemente, não há nenhuma ilegalidade no serviço. O problema é que a legislação pode ser explorada por administradores públicos de má-fé, que transformam a velocidade natural em “excesso” usando como justificativa correlações como se fossem relações de nexo causal, e narrativa falaciosa que sugere que as mortes acontecem devido à ausência de fiscalização.

Com isso, proliferaram-se os “pacotes de trânsito de prefeituras”, como costumo chamar: o trânsito sofre alterações para concentrar automóveis em umas poucas vias — normalmente com sistemas binários — seguido de redução dos limites devido à concentração de automóveis, que são reforçados por radares de velocidade.

No fim das contas as “técnicas” divulgadas pelo funcionário são apenas o uso mal-intencionado das resoluções do Contran, aliadas à psicologia do trânsito, ao comportamento natural das pessoas e à normalidade do trânsito. Conhecendo estes fatores, podemos salvar vidas — ou, como o veneno e o antídoto, podemos usar esta ciência para a finalidade contrária. (Leo Contesini)

 

Facelift do Chevrolet Equinox revelado antes do lançamento

Ele deveria aparecer apenas em alguns meses, mas graças aos escritórios de registros de propriedade industrial conhecemos antecipadamente a nova cara do Chevrolet Equinox. O facelift deu a ele novos faróis bipartidos (DRL e pisca na parte superior, luz baixa e alta na parte inferior), uma grade redesenhada e novos para-choques, que o deixaram com um visual mais contemporâneo, com algo que remete aos Volvo, ainda que de forma simplificada, como é típico nos carros americanos.

As novidades foram reveladas pelo escritório de patentes da China, porém não ficaão restritas àquele mercado e também serão aplicadas ao modelo norte-americano, o que significa que o Equinox vendido no Brasil também irá mudar, já que é importado do México.

As mudanças, contudo, serão limitadas ao visual. Sob o capô ele continuará com o 1.5 turbo de 172 cv e 27,8 kgfm combinado ao câmbio automático de 6 marchas nas versões LT, Midnight e Premier, e com o 2.0 turbo de 262 e 37 kgfm e o câmbio de nove marchas na versão Premier, que também tem tração nas quatro rodas. (Leo Contesini)

 

Toyota revela dados do Supra 2.0

Se os fãs raiz do Supra já torceram o nariz para o fato de ele ser baseado no BMW Z4, imagino que não será a versão 2.0 turbo que irá destorcer — e por isso ninguém deve estar aguardando ansiosamente seu lançamento, afinal, a Toyota já oferece um cupê com tração traseira e motor de quatro cilindros há um bom tempo, certo GT86?

“Ah, mas o GT86 não tem turbo”, alguém poderá dizer. É verdade. Mas ele tem um câmbio manual de seis marchas, algo que o Supra de quatro cilindros não tem. Ao menos não em um primeiro momento, porque a Toyota acabou de divulgar os dados técnicos do Supra 2.0 turbo e eles confirmam a expectativa de que o 2.0 será equipado apenas com o câmbio automático de oito marchas.

Como no BMW Z4, o motor 2.0 usa apenas um turbo de fluxo duplo (o chamado twin-scroll) e produz 258 cv e 40,7 kgfm para levá-lo aos 100 km/h em 5,2 segundos — pouco mais de 1 segundo mais lento que o Supra 3.0. Um apelo racional está em seu peso mais baixo: ele será 100 kg mais leve que o modelo seis-cilindros, e manterá a distribuição 50/50, mas 1.420 kg não é exatamente leve para um cupê de quatro cilindros com tração traseira.

Com isso, seu principal diferencial frente ao GT86 seria unicamente o motor turbo, já que quem procura um Toyota cupê, esportivo, leve e com câmbio automático pode levar o GT86, que tem 200 cv produzidos por seu boxer aspirado feito pela Subaru. Claro, ele não tem o refinamento do acabamento do Supra, mas certamente não custará tanto quanto o Supra.

O modelo começará a ser vendido na Europa em março de 2020 e já tem uma versão especial, a Fuji Speedway, que terá 200 unidades, rodas de 19 polegadas, bancos de Alcantara e detalhes de fibra de carbono. (Leo Contesini)

 

Nova geração do Nissan Versa será lançada em junho no Brasil

A Nissan prepara terreno para o lançamento do novo Versa no mercado brasileiro. O sedã compacto, com design inspirado pelos Nissan Kicks e March vendidos lá fora, tem a missão de encarar, principalmente, o Chevrolet Onix Plus e o Volkswagen Virtus, oferecendo maior porte, sofisticação e tecnologia do que o Versa atual.

O novo Versa foi apresentado nesta semana em Aguascalientes, no México, onde fica o complexo industrial no qual o carro será fabricado. De acordo com os colegas do Motor1, que compareceram ao evento, o modelo já tem data marcada para chegar ao Brasil – junho deste ano, com a produção das unidades destinadas ao nosso País começando em março.

O motor de 1,6 litro usado pelo modelo mexicano será, obviamente, adaptado para rodar com álcool ou gasolina – e, com isto, deverá render um pouco mais que os 120 cv do Versa atual. Este, aliás, continuará à venda no Brasil, com o nome V-Drive e a missão de enfrentar o Chevrolet Joy Plus (antigo Prisma), o VW Voyage e o Ford Ka Sedan. (Dalmo Hernandes)

 

Bentley Mulsanne ganha edição de despedida

O Bentley Mulsanne, modelo topo-de-linha da tradicional fabricante de luxo britânica, está com os dias contados. Ele deixará de ser produzido ainda em 2020, deixando o recém-modernizado Flying Spur na posição de único sedã da marca.

Para marcar o fim do Mulsanne, a Bentley anunciou o lançamento de uma série especial de despedida, a 6.75 Edition by Mulliner, limitada a 30 unidades. Todos os carros serão equipados com o motor V8 biturbo de 6,75 litros usado na versão Speed, com 537 cv e 112,1 kgfm de torque moderados pela caixa automática de oito marchas da ZF.

O Mulsanne 6.75 Edition não é apenas a despedida do modelo, mas também do motor, cuja origem pode ser traçada ao ano de 1959, quando a Bentley e a Rolls-Royce ainda eram uma empresa só. Por isso, o carro recebeu algumas decorações temáticas interessantes, como um desenho em cutaway do motor gravado no relógio e nos mostradores secundários do painel. Além disso, os comandos do tipo organ stop tradicionalmente usados para o sistema de ar-condicionado foram substituídos por peças que imitam a tampa de óleo do motor.

Os detalhes de acabamento externo são escurecidos, em preto cromo – o ornamento do capô, as saídas de escape, a grade e os frisos. Além disso, há emblemas “6.75 Edition” nos encostos de cabeça, no cofre do motor e nas luzes de soleira. Por fim, a plaqueta de cada motor foi assinada pessoalmente pelo CEO da Bentley, Adrian Hallmark.

O interior do carro ainda traz quatro opções de couro (Imperial Blue, Beluga, Fireglow e Newmarket Tan), com elementos em prata. (Dalmo Hernandes)

 

Primeiro Dodge Viper RT/10 produzido vai a leilão

O primeiro Dodge Viper fabricado, de chassi #001, será leiloado amanhã (16) pela agência Bonhams. Detalhe: não se trata apenas do primeiro de todos os Viper, mas também do carro que ficou com Lee Iacocca, que em 1992 aposentou-se do cargo de CEO da Chrysler.

O carro foi seu presente de despedida, e pertenceu a Iacocca até sua morte, em julho de 2019. Ao longo dos anos, o Viper rodou apenas 10.000 km, sem sofrer qualquer modificação e mantido sempre em condição impecável.

O motor é um V10 de oito litros com 406 cv a 4.600 rpm e 64,2 kgfm de torque a 3.600 rpm, moderados por uma caixa manual BorgWarner T56 de seis marchas – suficientes para ir de zero a 100 km/h em 4,6 segundos, com máxima de 266 km/h.

De acordo com a Bonhams, a estimativa é que o Viper de Iacocca seja arrematado por algo entre US$ 100.000 e US$ 125.000 – ou seja, por volta de R$ 416.000-520.000, em conversão direta.

Considerando que um exemplar usado da última geração, produzida entre 2014 e 2017, costuma ser vendido por pelo menos US$ 80.000, este carro pode ser considerado uma pechincha – é um clássico com importância histórica e em excelente estado de conservação, que só tende a valorizar. E logo ele completa 30 anos, ou seja: se um brasileiro maluco porventura decidir arrematá-lo, só vai precisar esperar mais um pouco para importá-lo. Alguém se habilita? (Dalmo Hernandes)

 

Volkswagen Tarok é registrada em versão de produção – e deve ser lançada em 2021

A Volkswagen Tarok, rival da fabricante alemã para a Fiat Toro, foi registrada ontem (14) junto ao INPI, o Instituto Nacional da Propriedade Industrial em sua versão de produção. O conceito foi apresentado em novembro de 2018 no Salão do Automóvel, e agora podemos ter uma boa ideia de como ela será nas ruas.

Vemos que, em relação ao conceito, apenas as proporções da dianteira parecem um pouco mais conservadoras, mas o design no geral foi mantido quase em sua totalidade. Entretanto, alguns detalhes mais conceitais, por assim dizer, certamente serão eliminados – como a grade com filetes de LED que eram ligados aos faróis, por exemplo.

A Volkswagen afirma que a Tarok tem capacidade de carga de até 1.000 kg, mas não confirma se o modelo de produção terá o sistema de remoção da separação entre a cabine e a caçamba, útil para aumentar o espaço para objetos mais longos. Também não é confirmado o conjunto mecânico, mas as maiores possibilidades caem sobre os motores TSI 1.4 de 150 cv e 25,5 kgfm de torque e 2.0 de 186 cv e 36,6 kgfm de torque, ambos acoplados a uma caixa automática de seis marchas. (Dalmo Hernandes)

Matérias relacionadas

A primeira vez do tricampeão: os 40 anos da estreia de Nelson Piquet na Fórmula 1

Dalmo Hernandes

“Do jeito que está, não vale vender”: venda de Interlagos precisa modificar autódromo, segundo vereador

Leonardo Contesini

Mustang EcoBoost perde 35 cv com gasolina comum, homem dirige 100 km com faca na cabeça no Piauí, radares são escondidos em caixas de metal e mais!

Leonardo Contesini
error: Direitos autorais reservados