FlatOut!
Image default
Zero a 300

Giannini 350 GP Anniversario é o Fiat 500 de motor central-traseiro de 350 cv que a gente sempre quis

Para a maioria das pessoas, Giannini é o nome de uma fabricante brasileira de instrumentos musicais. Se você curte carros e lê o FlatOut, porém, provavelmente vai lembrar que Giannini também é o nome de uma preparadora italiana que há décadas transforma os carros pequenos da Fiat em verdadeiros monstros. Uma de suas criações mais recentes, o Giannini 350 GP Anniversario, é uma bela prova disto.

Se você nos acompanha há um tempo, provavelmente vai lembrar deste post sobre o Fiat Uno Turbo i.e. italiano. Precursor do nosso próprio Uno Turbo i.e., ele lembrava bastante as versões 1.5R e 1.6R que tivemos no Brasil. De início, era movido por um motor 1.3 com injeção eletrônica Bosch e um turbo operando a 0,6 bar para entregar 105 cv. Sua versão reestilizada, originalmente com motor 1.4 turbo de 118 cv – praticamente igual ao que foi usado no Uno Turbo brasileiro – passou por uma transformação radical nas mãos da Giannini Automobili.

Giannini-t

Carroceria widebody, novos para-choques, bancos do tipo concha no interior e motor preparado para render 148 cv eram as principais mudanças do Fiat Uno Turbo Giannini Torino. No entanto, a tradição da Giannini em modificar os carros da Fiat vem de muito antes – desde o fim dos anos 1930, quando a companhia começou a construir carros de competição especiais feitos com base no clássico 500 Topolino. Nas décadas de 40 e 50 carros de corrida com motor de moto e cockpit aberto, foram desenvolvidos pela Giannini de forma mais independente, mas a parceria com a Fiat voltou a ser de suma importância nos anos 60.

Foi quando a Giannini começou a oferecer kits de preparação para o Fiat 500 clássico, apresentado em 1957. O chamado Giannini 500 TV (Turismo Veloce) foi apresentado em 1963, e sua receita era bastante parecida com a do Fiat 595 Abarth lançado no mesmo ano – seu rival, bem mais conhecido: motor com deslocamento ampliado, tampa traseira aberta o tempo todo para ajudar no arrefecimento e na aerodinâmica e bitolas mais largas.

fiat-500-giannini-modena

E parece ter vindo exatamente deste carro a inspiração do Giannini 350 GP Anniversario, que foi apresentado em no Salão de Turim em setembro de 2017 para comemorar os 60 anos do Fiat 500.

002_GIANNINI

De acordo com a Giannini, o carro foi feito para “celebrar toda a cultura automotiva italiana” e, aparentemente, para eles a melhor forma de fazê-lo é dar ao 500 o mesmo motor 1.75 turbo MultiAir do Alfa Romeo 4C, que em sua forma original entrega 240 cv a 6.000 rpm e 35,7 mkgf de torque a 2.100 rpm. O motor foi desenvolvido especialmente para o 4C, é todo feito de alumínio e fica posicionado na porção central-traseira de uma estrutura monocoque de fibra de carbono e alumínio. O Alfa 4C, produzido desde 2013, pesa apenas 895 kg sem fluidos (na Europa, pois nos EUA são 1.050 kg, por conta dos reforços na estrutura para adequar-se aos padrões de segurança americanos). Com transmissão de dupla embreagem e sete marchas, ele é capaz de acelerar de zero a 100 km/h em 4,5 segundos, com máxima de 258 km/h. E ainda agrada aos olhos! Por essas e outras, gostamos de chamá-lo de “mini supercarro”.

005_GIANNINI

O Giannini 350 GP é como a “versão hot hatch” do Alfa Romeo 4C – e com 110 cv a mais. O pessoal da Giannini começou aproveitando o monobloco de um Fiat 500 Abarth, porém pouco foi mantido original. A carroceria toda foi refeita usando fibra de carbono e segue as linhas gerais do 500 Abarth, adotando proporções mais horizontais e para-lamas estupidamente alargados.

Na verdade o 350 GP é maior que o Fiat 500 original em todas as dimensões. Enquanto o hatchback tem 3.546 mm de comprimento e 2.300 mm de entre-eixos, o especial da Giannini tem 3.751 mm de comprimento e 2.389 mm de entre-eixos. O aumento na largura é que impressiona: de 1.627 mm na dianteira e na traseira, o carro passou a 1.887 mm na frente e 1.905 mm atrás. Quase 30 centímetros!

007_GIANNINI_low

O resultado é um carro com uma postura visivelmente plantada no chão, e com uma relação entre largura e comprimento quase quadrada. As proporções mais robustas são complementadas por para-choques completamente redesenhados, com novos elementos aerodinâmicos, respiros no topo dos para-lamas, saídas de ar quente para os freios e um spoiler bem avantajado no teto. A dianteira ganhou um par de grandes faróis auxiliares que, junto com as dimensões e layout mecânico do carro, dão ao 350 GP ares de protótipo do Grupo B.

000_GIANNINI

No capô, por uma abertura nada discreta, é possível espiar os componentes da suspensão dianteira do tipo pushrod com amortecedores ajustáveis Öhlins – esquema replicado na traseira. As rodas são de 19 polegadas calçadas com pneus Pirelli PZero (a Giannini não especifica melhor) de medidas 225/35 na dianteira e 265/35 na traseira. Sob elas, ficam abrigados freios Brembo com discos ventilados e perfurados de 355 mm de diâmetro na frente e 328 mm atrás, mordidas por pinças de seis e quatro pistões, respectivamente.

0013_GIANNINI 0016_GIANNINI

Antes de ser instalado atrás dos bancos do 500 Abarth (cirurgia que exige a fabricação sob medida de um subchassi de alumínio), o motor 1,75-litro do Alfa Romeo 4C recebeu supercharger acompanhado de intercooler, além de uma reprogramação eletrônica e um novo sistema de escape com válvula ativa. Com isto, passou a render até 350 cv, sendo esta a potência máxima disponível – o 350 GP é equipado com um regulador eletrônico de pressão que pode ser comandado pelo motorista. Este também dispõe do mesmo sistema de controle de largada do Alfa Romeo 4C.

Infelizmente a Giannini não deu (ainda, mesmo depois de quatro meses) os números de performance do carro, mas aparentemente eles preferiram usar as demonstrações do carro em Turim para nos informar na prática como o carro anda.

É uma pena que a estética interior do primeiro protótipo não seja tão boa como do lado de fora, ao menos na nossa opinião. O revestimento azul e branco é a cara das preparadoras italianas, mas a gente preferia algo mais clássico, como camurça vermelha ou couro preto. Não se pode ter tudo. Até porque, Segundo a companhia, o plano é fabricar 100 exemplares e vender cada um deles a € 153.000 – aproximadamente R$ 598.000 em conversão direta. É pouco mais que três exemplares do Alfa Romeo 4C zero quilômetro, mas é certo que por esta grana é possível escolher qualquer revestimento para o lado de dentro…

Matérias relacionadas

Koenigsegg Agera One:1 tenta recorde em Nürburgring, GM quer rodas de fibra de carbono em seus esportivos, os futuros Volvo XC40 e S40 e mais!

Leonardo Contesini

Lamborghini Huracán ganha tração traseira, Porsche culpa Paul Walker e Rodas por acidente fatal, o novo Honda Civic Coupé e mais!

Leonardo Contesini

Ford lança 1.5 de três cilindros e 137 cv no Brasil, Classificados GT40 abre para anúncios PF, Novo Porsche GT3 é o 911 mais rápido de Nürburgring e mais!

Leonardo Contesini