A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Papo de Garagem Zero a 300

Hidrazina: o aditivo mais perigoso já usado nas pistas

3,5 segundos. É o tempo que um top fuel leva para sair da imobilidade completa e chegar aos 540 km/h em 305 metros. Poucas coisas no mundo conseguem um deslocamento assim violento. É praticamente como pilotar uma explosão. O negócio explode e você precisa manter a expansão em linha reta. Agora... imagine se em vez de uma metáfora, essa descrição — pilotar uma explosão — fosse exatamente o que acontece com o carro? Não precisa imaginar: esse é o efeito da hidrazina no motor. Uma substância instável e imprevisível, que você coloca no tanque do carro e não sabe quando ela vai explodir. A hidrazina é uma daquelas descobertas incríveis que os corredores das antigas descobriram em sua busca por maior desempenho. Ela foi utilizada pela primeira vez como combustível na Segunda Guerra Mundial, quando os alemães da Luftwaffe desenvolver um combustível para seus Messerschmitt Me 163 Komet, um avião interce

Matérias relacionadas

Automobili Amos Futurista: um Lancia Delta “restomod” de 330 cv que custa R$ 1,5 milhão

Dalmo Hernandes

Quando o Porsche 911 se chamava “901” – e por que ele não se chama mais assim

Dalmo Hernandes

O “dilema do bonde” dos carros autônomos: quais vidas devem ser salvas?

Dalmo Hernandes