FlatOut!
Image default
Car Culture

Hipercarros, clássicos e bólidos históricos no Goodwood Festival of Speed 2014

Desde 1993, um evento que reúne carros de corrida históricos para reviver seus dias de glória em uma propriedade particular na Inglaterra acontece todos os anos. É o Goodwood Festival of Speed que, desde então, cresceu e se tornou o paraíso para quem quer ver lendas do automobilismo acelerando bólidos de todas as épocas e categorias. A edição de 2014 não foi exceção, e o FlatOut preparou um apanhado com os melhores momentos!

O Festival of Speed cresceu muito nestas duas décadas — se, antes, eram dois dias de festival e dezenas de milhares de visitantes em um fim de semana, hoje são quatro dias e  mais de 100 mil pessoas por dia. A atração principal sempre foram os carros acelerando em um hill climb no circuito feito especialmente para o festival em Goodwood House, propriedade do aristocrata britânico Lord March, mas os anos acabaram trazendo outros destaques.

Hoje, fabricantes usam o festival como palco para apresentar conceitos, carros lendários do rali aceleram em um estágio na floresta, equipes de Fórmula 1 levam seus pilotos para acelerar monopostos do passado e donos de superesportivo testam o potencial de suas máquinas e acertam suas diferenças no asfalto — sem falar nas várias lendas vivas do automobilismo que marcam presença. Quem sai ganhando com tudo isto, no fim das contas, é o entusiasta que tem a oportunidade de ver pessoalmente carros que fizeram história em diversas categorias do automobilismo.

Para quem não pode prestigiar o evento ao vivo, a cobertura do evento na Internet é bem extensa. Sendo assim, separamos os melhores momentos do FoS 2014 para você!

 

Felipe Massa no Williams FW18

Na temporada de 2014 da Fórmula 1, Felipe Massa está pilotando um dos carros mais bonitos do grid — o Williams FW36 com pintura branca e as cores da Martini Racing. Contudo, no Goodwood Festival of Speed ele ficou encarregado de conduzir um dos últimos carros a vencer um título pela Williams — mais precisamente, o FW18 que deu a Damon Hill seu único título de campeão na temporada de 1996 e garantiu à Williams seu 9º título no mundial de construtores.

O FW18 é equipado com um V10 Renault de três litros (exatamente 3.000 cm³!) e foi o penúltimo carro a ganhar um título pela Williams — o último foi o FW19, com Jacques Villeneuve.

 

Kimi Räikkönen e John Surtees em seus carros campeões pela Ferrari

Nosso piloto finlandês favorito, Kimi Räikkönen, e John Surtees, veterano que competiu nos anos 60 e 70, têm algo em comum: conquistaram seus títulos em seus anos de estreia pela Ferrari — Surtees em 1964 e Räikkonen em 2007.

Ambos aceleraram seus carros campeões juntos no FoS 2014: a Ferrari 158, com motor V8 de 1,5 litro, e a Ferrari F2007, com um motor V8 de 2,4 litros. Ver dois carros de épocas tão diferentes acelerando juntos, com seus pilotos campeões, é o tipo de espetáculo que difícilmente se veria fora de Goodwood.

 

Richard Petty e seu Plymouth Belvedere 1966

Ao lado de Dale Earnhardt, Richard “The King” Petty é o piloto que mais venceu campeonatos na NASCAR, com sete títulos em 35 anos de carreira. Aos 76 anos, ele pilotou o Plymouth Belvedere de 1966 e 1967, possivelmente o carro que mais venceu corridas na NASCAR — 36 das 200 vitórias de Petty na NASCAR foram com este carro. O ronco do V8 Hemi 426 é absolutamente glorioso, e certamente um deleite para os ouvidos de todos aqueles britânicos.

 

A La Ferrari verde “Kermit” de Jay Kay, vocalista do Jamiroquai

O Jamiroquai é uma das maiores bandas de funk e jazz do Reino Unido, e sua popularidade rendeu a Jay Kay, o vocalista, uma fortuna equivalente a mais de R$ 160 milhões — mais do que o suficiente para garantir que ele fosse o dono de uma das 499 LaFerrari antes que as encomendas se esgotassem.

gfwilliams

E ele escolheu uma cor que, certamente, jamais passará despercebida: um berrante tom de verde que lembra Kermit, o Sapo, dos Muppets (ou Caco, para os saudosistas).

A Ferrari levou dois carros para o FoS 2014: uma LaFerrari e a F12 TRS, homenagem especial à Testarossa encomendada por um milionário britânico. Mas a LaFerrari verde de Jay Kay provavelmente roubou boa parte dos olhares — e com razão: o verde caiu muito bem ao hipercarro híbrido, que tem um motor V12 de 6,3 litros e 800 cv e um motor elétrico com KERS de 163 cv, para um total de 963 cv disponíveis a todo momento. E o ronco é absurdamente extasiante.

 

Koenigsegg One:1 — em movimento e onboard!

Outra estreia incrível do FoS foi a do Koenigsegg One:1 — a obra prima de Christian von Koenigsegg com motor V8 biturbo de 1.360 cv e peso de exatamente 1.360 kg — daí o nome, que exalta a relação peso-potência perfeita.

Com toda esta força, a Koenigsegg garante que o carro é capaz de chegar aos 440 km/h. Só faltava vê-lo em movimento — até que o carro apareceu em público pela primeira vez no Goodwood Festival of Speed 2014. O carro é uma das seis unidades produzidas, e todas já tem dono. E como é a sensação de acelerar um carro tão potente e exclusivo? Assim:

Conheça todos os detalhes técnicos do Koenigsegg One:1 aqui.

 

O Ford Mustang 2015 estica as pernas pela primeira vez

A nova e revolucionária geração do muscle car já apareceu muitas vezes em público — mas sempre parada, exibindo suas lanternas sequenciais e, no máximo, o ronco do motor. Mas a primeira vez do Mustang 2015 acelerando foi no Goodwood Festival of Speed 2014 — pra inglês ver, literalmente. O Mustang de sexta geração é, oficialmente, um carro de verdade e não um conceito ou produto da nossa imaginação. E a gente gosta dele cada vez mais.

 

Sébastien Loeb, recordista do ano em Goodwood

O circuito de Goodwood é uma subida sinuosa de 1,8 km de extensão e, naturalmente, há uma disputa pelo mais rápido do evento. E o piloto francês Sébastien Loeb foi o vencedor da vez, percorrendo o trecho em apenas 44,6 segundos — o sexto tempo mais rápido da história. O motor V6 biturbo de 875 cv certamente ajuda, mas o talento e a experiência do cara que conquistou nove títulos do WRC também não atrapalha.

 

Um RX7 de drift invade o Festival

“Mad Mike” é o apelido de Mike Whiddett, piloto de drift da equipe da Red Bull. Seu carro é um Mazda RX-7 com motor Wankel de quatro rotores preparado para render 534 cv nas rodas traseiras (sem turbo!) com câmbio sequencial HKS de seis velocidades. Suas derrapagens controladas com maestria e o uivo ensurdecedor do motor rotativo fazem valer a pena cada segundo de sua participação no FoS 2014.

 

O Goodwood Festival of Speed 2014 na íntegra

Para quem realmente ama carros de corrida clássicos e superesportivos, a organização do FoS transmitiu os quatro dias do evento ao vivo pelo YouTube. Se você tiver tempo e não se importar de ver mais máquinas acelerando do que seu cérebro consegue processar, a playlist acima traz os dias em sequência. É humanamente impossível assistir a tudo na íntegra, mas você com certeza vai gastar uns bons minutos navegando por trechos aleatórios dos vídeos e vendo que preciosidades sobre rodas você vai encontrar. É um belo passatempo, confie na gente!

Matérias relacionadas

Por dentro da coleção secreta de carros de corrida da Toyota Motorsports GmbH

Dalmo Hernandes

O Brasil inventou mesmo o carro a álcool (e o carro flex)?

Leonardo Contesini

Retrospectiva 2014: os melhores posts do FlatOut! em seu primeiro ano de vida – a escolha dos leitores

Dalmo Hernandes