A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #358

Honda Civic Si Turbo: a história do Project Cars #358

Fala galera do Flatout! Sou Augusto Zuqui, 30 anos, atualmente cursando engenharia mecânica e um apaixonado por carros como todos aqui. Desde a época de escola eu era apaixonado por carros japoneses em geral, na época o tuning estava começando a aparecer no cenário com o lançamento do filme Velozes e Furiosos, e claro isso ajudou a incentivar o gosto pelos carros japoneses.

Quando estava no final do ensino médio comecei a olhar muito o Honda Civic Vti, e desde então sempre tive vontade de comprar um. O conhecido motor 1.6 de 160 cv girando alto chama atenção e se tornou um sonho ter um.

O tempo foi passando e na época que ia ganhar meu primeiro carro (meu pai iria parar de dirigir e iriamos trocar o carro dele por um para mim), comecei a pensar nas opções e cheguei a fazer um test drive em um Vti. Apaixonei no carro, mas no final a parte racional sobressaiu, acabei pegando um Ford Ka novo (2008), já que na época não trabalhava ainda. Apesar de ser o Ka básico, gostei muito do carro. Boa estabilidade, bom desempenho (se tratando de 1.0). Único ponto ruim era a falta do ar-condicionado, que faz muita falta em Vitória/ES. Uns seis meses depois da compra eu comecei a trabalhar, com isso veio a vontade de subir de carro.

primeiro carro

Depois de um ano e meio e quase 30.000 km acompanhado pelo Ka, decidi trocá-lo por um carro com ar-condicionado. Depois de alguma procura peguei um VW Polo 2007. Carro todo completo, muito bem-acabado, confortável de dirigir, suspensão achei meio mole (poderia ser os amortecedores cansados, pois se tratava de um carro usado) e esperava um pouco mais de desempenho por ser um carro 1.6, mas o peso do carro não ajudou. A compra desse carro foi mais pela falta que o ar-condicionado fazia no meu antigo Ka, com isso acabei não ficando muito tempo com ele (cerca de seis meses).

Um dia vi a promoção que a Hyundai estava fazendo para o modelo de entrada do i30. Apesar de ser um carro de entrada, ele tinha bastante itens de série. Fui na concessionaria olhar o carro, fiz o teste drive e gostei muito. Se tratava do i30 2.0 (único motor disponível na época) manual. Motor com torque que casou muito bem com o câmbio manual de cinco marchas, cheguei a dirigir o automático também, mas o câmbio de quatro marchas deixava o desempenho muito ruim. Além do motor e suspensão (suspensão mais firme aliada as rodas 17 deixavam o carro bem estável) o que me agradou muito no carro foi o sistema de som (melhor que do Honda Civic Si) e o sistema do limpador do para-brisas, que o modo intermitente é o automático, onde você seleciona a sensibilidade que o limpador vai ter as gotas de chuva que caem — é o melhor sistema que já utilizei até hoje, as vezes no intermitente do Honda você não acha o ponto ideal, e o automático do 308 que dirigi era muito sensível a chuva, e qualquer pingo ele já acionava o limpador.

Quando estava com o i30 resolvi olhar os classificados de carros no jornal do estado, apenas por curiosidade, e vi um Honda Civic Si à venda. Dizia apenas que era um 09/10. Liguei para conversar com a pessoa que estava vendendo e peguei mais informações do carro. Se tratava de um exemplar vermelho com 30.000 km (hoje com 110.000 km) e com um preço atrativo. O carro estava em Pinheiros, uma cidade do norte do estado, então chamei um amigo (Bruno Cesar) e fomos até lá, uma pequena viagem de 300 km até chegar ao destino.

Depois de dirigir o carro, tive a certeza de que queria ele. Fiz as contas para ver se tinha condições de abraçar esse carro e então decidi comprar. Não foi o Vti que tanto sonhei, mas era um Honda que também girava alto e um projeto mais novo, portanto mais confiável.

Como perdi um celular, acabou que perdi muitas fotos do carro. Nesse primeiro post vou ficar devendo fotos do Polo, do i30, e fotos do Si logo que peguei ele. No próximo post vou começar a ter mais fotos.

 

Primeiras impressões com o carro que se tornou meu PC

instalacao do cilindro de embreagem

Logo que peguei o carro o sorriso não saia do rosto, a cada abertura do VTEC eu ria sozinho dentro do carro, afinal tinha realizado o sonho de ter um Honda com VTEC. Suspensão bem firme, um carro muito bom para se guiar. Vou ficar devendo fotos do carro logo que peguei pois não achei nos meus backups, acho que acabei perdendo elas.

Decidi então entra para o fórum SiClub e comecei a buscar mais informações sobre o carro. Fui descobrindo os problemas mais comuns, vendo alguns upgrades de baixo custo que deixavam o carro mais divertido de ser guiado.

Comprei o short shifter da Skunk2 para deixar as trocas de marcha mais curtas, mas depois de um tempo de uso, acabei retirando e vendendo pois o engate das marchas do Si 09-11 já é mais curto que os 07-08. Pesquisando em forums descobri um amortecedor de capo que não atrapalhava a mexer no cofre, tirando a haste que segura o capo do meio do caminho. Apesar dos amortecedores terem uma carga um pouco elevada, gostei do resultado, a instalação deu algum trabalho mas no final o resultado valeu a pena.

amortecedor de capo 2

amortecedor de capo

A primeira coisa de performance que comprei foi o SRI da K&N, o barulho que vinha do filtro só aumentava a vontade de acelerar, na pratica não consegui dizer se houve algum ganho com ele.

Quando o carro atingiu 40 mil km foi a hora de levar para revisão. Deixando lá pedi para verificarem um barulho que parecia vir da suspensão dianteira. Quando fui buscar o carro tive uma notícia ruim, os 2 amortecedores dianteiros estavam empenados e necessitavam ser trocados. A concessionaria me passou o orçamento e achei o preço final um pouco alto, cerca de 1500 reais a troca dos amortecedores, coxins e mão de obra, então resolvi procurar que outras opções eu tinha. Vi que lá fora existia a opção da suspensão HFP (Honda Factory Performance), que era um kit de suspensão original da Honda que deixava o carro um pouco mais baixo e firme.

Como existia algumas lojas com esses kits parados nos EUA, consegui achar um kit com preço bom e realizei a compra. O kit consistia nas torres dianteiras completas (amortecedores, molas e coxins), amortecedores traseiros, molas traseiras e todos os parafusos novos. Mesmo sendo importado o kit saiu a 2000 reais, graças ao dólar baixo. Eu mesmo fiz a troca da suspensão na garagem de casa, tive problemas na retirada de um parafuso que fixava a torre no cubo dianteiro, liguei para um amigo meu do trabalho (Vitor Hugo) que também gosta de mexer em carros e pedi ajuda dele

Com a ajuda de uma Dremel (única ferramenta que nós tínhamos disponível) realizamos o corte da porca do parafuso e com isso conseguimos retirar ele do lugar. Depois de tudo instalado o visual do carro mudou totalmente, deixou de ser aquele jipe que a Honda resolveu vender aqui no Brasil, e ficou na altura ideal para o carro.

Lendo no fórum, vi muita gente reclamando da dificuldade em passar a marcha de primeira para segunda em altas rotações. Depois de um pouco de leitura, e pesquisa em fóruns (SiClub.com.br e 8thcivic.com), vi que a solução para o problema era a substituição do cilindro mestre de embreagem pelo cilindro do Civic 92-00.

Decidi pela opção da Hybrid Racing, que vendia um kit com o cilindro de embreagem e uma linha flexível para não precisar amassar a linha original. Cilindro novo instalado, hora do teste. Sair para dar uma volta com o carro e realmente a segunda marcha entrava com facilidade.

Fui pensando na possibilidade de montar o carro aspirado com receita básica: coletor, escape, intake e Hondata (ferramenta utilizada para realizar o reflash da ECU).

Vendo vídeos na internet de Civic’s lá nos EUA fui pensando se não seria interessante montar um turbo. Isso me fez tomar a decisão de comprar um escape de três polegadas. Poderia ser até grande para a ideia inicial que seria aspro, mas seria ideal para caso eu mudasse para turbo.

Com isso em mente comprei meus próximos upgrades: escape de 3” Full-Race, um cat-delete e a Hondata. O primeiro a chegar foi o escape. Não aguentei esperar o resto e já instalei em um dia que fui em um encontro no posto que fica na orla de Camburi, pedi permissão para usar o elevador deles, e ali mesmo instalei com ajuda do meu amigo Joelson (também gosta dos Hondas, possui um Prelude Vtec 93 muito conservado). O escape vinha com um adaptador para poder encaixar no escape original (saída do catalisador em 2,5”), e após algum tempo de serviço o escape estava instalado. Escape muito bonito e com um desenho que lembrava o original.

Após o restante das peças chegarem, terminei a montagem e acerto. Carro ficou muito bom de dirigir, mas já comecei a pensar se era mesmo a preparação aspirada que eu queria. Acabei conhecendo um mecânico (Adriano Pratissoli, conhecido pelo apelido Gringo) que fazia a montagem do kit turbo aqui no ES (a Rev It Up estava bem fora do meu orçamento) e conversando com ele decidi pela mudança de projeto.

A decisão das peças a serem compradas para montagem do kit turbo e todos os passos dessa etapa do projeto ficam para o próximo post.

Abraços

Por Augusto Zuqui, Project Cars #358

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #76: em busca de um sucessor para o Puma GTS – e os próximos passos do projeto

Project Cars

Project Cars #157: o início da restauração do meu Chevette 1983 – um novo interior, rodas e funilaria

Leonardo Contesini

Ford Ka XR Turbo: começando a solucionar o Project Cars #357

Leonardo Contesini
error: Direitos autorais reservados