A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars #51

Honda Civic Supercharger: os primeiros testes com o motor novo, o acerto fino e os próximos passos Project Cars #51

Por William Klaumann, Project Cars #51

Aqui estamos em mais um episódio da longa jornada com o Civic. Na última matéria mostrei a vocês como foi a montagem do motor e agora já comemoro cerca de 3.000 km de alegria com o Hondinha, o que torna esta a primeira publicação falando sobre a avaliação dinâmica do carro. 

Depois da primeira partida decidimos dar um rolê para ver o comportamento do carro, utilizando apenas o freio de mão (que foi usado em boa parte dos primeiros ajustes). Confesso que fiquei com medo nos primeiros instantes, sendo que o carro puxava demais e os pneus ainda eram os que estavam em péssimas condições, mas foi bom pra avaliar as melhorias feitas.

Alguns dias após instalei um kit de freios dianteiros com discos de New Civic Si de 300mm e pinças de CRV 2011 de dois pistões. Na traseira continua o sistema a disco original do EXS. Uma boa notícia pra quem criticou os pneus Pirelli Phanton que havia comprado, foi que consegui substituí-los por pneus Ling Long na medida 205/45 R16. Apesar de não ser o melhor pneu estou satisfeito pelo conforto que proporcionam, mais que os Pirelli com perfil 55. Neste primeiro momento não faria sentido gastar comprar o melhor dos pneus.

Falta falar um pouco mais sobre o conjunto, pois não foi feita.uma avaliação em alta velocidade devido a vibração excessiva na frenagem acima dos 80 km/h. Não é problema de balanceamento e nem mesmo disco empenado, mas sim dos cubos de rodas que serão substituídos junto com rolamentos, homocinéticas, tulipas e trizetas, itens estes que foram instalados usados provisoriamente e dão sinais de fim de carreira.

Após essas atualizações o carro passará por um novo balanceamento e geometria e será feita uma nova avaliação. As rodas em alumínio receberam pintura feita em casa, próximo ao tom grafite do cofre do motor e receberam prisioneiros Epmann by Ballestra Parts.

Na suspensão os amortecedores estavam praticamente sem ação e foram substituídos por um jogo da Cofap, usados em ótimas condições, agora trabalhando em conjunto com molas Tein S-Tech e batentes novos. Mesmo com os amortecedores originais me surpreendi com o desempenho das molas, que além de mais estabilidade e agilidade, reduziram o carro a uma altura perfeita, mantendo um conforto incrível, sem que as rodas encostem em qualquer lugar da carroceria. Agora ficou mais fácil fazer curvas, desviar de obstáculos e receber uma resposta mais imediata do carro. Ainda pretendo adicionar barras estruturais e investir em amortecedores melhores futuramente. Todas as buchas traseiras também foram substituídas pelas da marca R-Flex.

A cereja do bolo reluz no cofre como um troféu pelos quatro anos e meio de luta pra trazer a fênix de volta a vida. Tive problemas com os instrumentos no painel, sem informações sobre temperatura, rotação e velocidade. A peça foi substituída, assim como o sensor de temperatura do painel e cebolão do radiador.

Fiz a troca de óleo e filtro antes dos primeiros 1.000 km e atualmente está com um vazamento mínimo de óleo no cárter devido ao aperto excessivo dos parafusos, na próxima troca de óleo será substituído. Gasolina somente Shell V-Power com consumo médio de 13 km/l. A maior velocidade aferida até agora foi de 170 km/h.

Tive a oportunidade de realizar um dos maiores desejos nesta primeira fase da preparação: passar o carro no dinamômetro. A medição foi feita durante o Lasanha’s Day em Balneário Camboriú/SC pelos caras da Loca Dyno de Joinville/SC. Ta aí um coisa bacana, o dinamomêtro é móvel e pode ser levado para qualquer lugar… Ficaram curiosos sobre o gráfico? Então assistam ao vídeo e vejam o resultado:

Neste meio tempo, com a ajuda de um amigo também providenciamos a instalação de um kit duas vias selenium com módulo Tharamps S400. Particularmente não gosto de muito som, prefiro que seja algo voltado para a cabine, além disso quanto mais som, mais peso…

E por falar em peso (redução), um dos únicos sistemas que mantive foi do ar condicionado, que neste momento aguarda apenas a carga do gás. É quase impossível abrir mão desse tipo de conforto no clima tropical que temos em nosso país. Junto a essas mudanças também foram substituídos os coxins inferiores tipo canoinha.

Resumidamente ainda estão sendo feitos ajustes e as peças que não estão em boas condições estão sendo substituídas por novas originais, de boa procedência ou de desempenho superior. Várias outras modificações pequenas foram feitas e outras entrarão como prioridade no começo deste ano como a já citada troca dos rolamentos, homocinéticas, tulipas e trizetas. Em breve a iluminação também será melhorada com a substituição dos faróis e para este ano está na lista a aquisição de uma Hondata e o supercharger.

Um grande abraço e até as próximas atualizações!

Matérias relacionadas

Civic Supercharger: conheça o Project Cars de Willian Klaumann

Juliano Barata

Project Cars #51 – a dieta superleggera e as primeiras modificações do Civic Coupé Supercharger de Willian Klaumann

Leonardo Contesini

Civic Coupé Supercharger: o motor do Project Cars #51 finalmente está montado e funcionando!

Leonardo Contesini