A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Honda confirma Civic Si turbo no Brasil, Porsche lança 911 T com pegada entusiasta, Fiat revela nome do Argo sedã e mais!

Este é o Zero a 300, nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo, caro car lover. Assim você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere com a gente!

 

Honda Civic Si turbo será vendido no Brasil

Honda_Civic_SI_Coupe_at_Sodegaura_Raceway_23th_OCT_2017_by_Pedro_Gomes_PED_2649

Quando a Honda anunciou o novo Civic Si turbo, ficamos em dúvida sobre a possibilidade de ele ser vendido por aqui. Afinal, o Civic com o motor 1.5 turbo já passa dos R$ 120.000 e o Civic Si 2.4 da geração passada não foi exatamente um fenômeno de vendas como o antecessor de quatro portas e motor 2.0 — especialmente porque ele veio importado do Canadá, inicialmente em um lote de 100 unidades e também foi limitado pelas cotas de importação do Inovar-Auto.

Mas nesta segunda-feira (23) a Honda confirmou que a nova geração do esportivo será vendida por aqui a partir de 2018. Como a geração passada, o modelo será oferecido na versão cupê e continuará importado do Canadá. Como vimos na ocasião do lançamento, o modelo vem com o mesmo motor 1.5 turbo da versão Touring, porém modificado para produzir 208 cv e 26,5 kgfm de torque.

São apenas 2 cv e 2,6 kgfm, porém torque e potência agora estão disponíveis em rotações mais baixas e por uma faixa mais ampla. No antigo 2.4 eram 206 cv a 7.000 rpm e 23,9 kgfm a 4.400 rpm. Agora, o 1.5 turbo tem 208 cv a 5.700 rpm e os 26,5 kgfm de torque entre 2.100 e 5.000 rpm. Parece uma boa troca, embora esta geração tenha perdido o maior apelo do Civic Si, que era seu motor girador. O câmbio continua manual de seis marchas.

Honda_Civic_SI_Coupe_at_Sodegaura_Raceway_23th_OCT_2017_by_Pedro_Gomes_PED_2499

O Si turbo também será equipado com rodas de 18 polegadas, pneus 235/40 e discos de 312 mm, amortecedores adaptativos, direção com relação variável, diferencial de deslizamento limitado, barras estabilizadoras 30% mais rígidas na dianteira e 60% na traseira, buchas sólidas e braços de controle da suspensão dianteira compartilhados com o Type R. Por dentro, ele terá bancos esportivos com costuras vermelhas, como seus dois antecessores que tivemos por aqui, ar-condicionado de duas zonas e sistema multimídia com tela de sete polegadas, Apple CarPlay, Android Auto e 10 alto-falantes com potência total de 450 watts.

A Honda ainda não divulgou a data de início das vendas, limitando-se a dizer que ele será vendido a partir do início de 2018. Os preços devem ficar na faixa dos R$ 140.000, o que o coloca como rival direto do Golf GTI, de 220 cv.

 

Sedã do Argo se chamará Cronos

Na última sexta-feira a Fiat revelou o nome da versão sedã do Argo em um vídeo da corrida de Uno com escada no teto, anunciada na semana passada. Na corrida — que foi previamente gravada e editada — cada um dos seis Uno com escada no teto entrou nos boxes para ser substituído por outro carro da linha atual com uma das letras do nome do Argo sedã no capô.

Para batizar o sedã a Fiat voltou a buscar inspiração na mitologia grega: Cronos é o último dos titãs, filho de Gaia com Urano e pai de Zeus, que deu origem à entidade Chronos, que é a personificação do tempo e o “deus que rege os destinos das pessoas”. A possibilidade de trocadilhos também foi mantida, tal como em “Argo”.

Quanto ao sedã da Fiat, ele será produzido na Argentina e será lançado por aqui somente em 2018. A ideia é enfrentar o Volkswagen Virtus e, por isso, ele não deverá ser oferecido na versão 1.0 como o hatchback. As motorizações serão 1.3 FireFly, de 109 cv, acoplado a um câmbio de cinco marchas manual ou automatizado, e 1.8 EtorQ Evo de 139 cv, que pode ser acompanhado de câmbio manual ou automático de seis marchas.

 

Porsche ressuscita nome 911 T em seu novo modelo

(PRNewsfoto/Porsche Cars North America, Inc.)

Você deve lembrar que há alguns meses a Porsche prometeu lançar mais versões voltadas a entusiastas para atender a demanda reprimida e também para combater os especuladores de versões limitadas e especiais. O primeiro passo foi o lançamento do 911 GT3 Touring, que adota um visual mais discreto que sua variação alada e é praticamente uma reedição do 911 R, com motor atmosférico e câmbio manual.

Agora, a novidade é o 911 T, o mesmo nome da versão de entrada do 911 lançada em 1968. A ideia é praticamente a mesma: trata-se de uma versão simplificada do 911 R e baseada no 911 Carrera. O motor é o 3.0 turbo de 370 cv e 46,8 kgfm, que é combinado com o câmbio manual de seis marchas e pode levá-lo aos 100 km/h em 4,3 segundos — 0,1 segundo mais rápido que o 911 Carrera — e segue até os 293 km/h. O câmbio PDK pode ser comprado como opcional, e cumpre a aceleração em 4 segundos, mas tira 3 km/h da velocidade máxima. Não parece uma troca muito empolgante.

(PRNewsfoto/Porsche Cars North America, Inc.)

O 911 T também ganha um diferencial com bloqueio mecânico, suspensão esportiva e pode ser equipado com eixo traseiro esterçante como opcional. Visualmente ele se diferencia dos demais 911 por seus emblemas pretos, faixas laterais, bancos de tecido exclusivos da versão, laços de tecido no lugar das maçanetas internas. Para reduzir o peso, ele não vem equipado com sistema de áudio e também tem menos isolamento acústico, o que resulta em em 1.425 kg de peso seco — 5 kg a menos que o Carrera básico.

 

O Alfa Romeo mais antigo do mundo está a venda

225d8567f5d73e8546a11d1b310a2dd10192a882-1508511938

Historicamente a trajetória da Alfa Romeo inicia em 1910, quando foi fundada a Anonima Lombarda Fabbrica, mais conhecida como A.L.F.A., mas foi somente em 1921 que a fábrica se junto a Nicola Romeo e se tornou a marca que conhecemos hoje. Foi também naquele ano que o primeiro veículo equipado com a marca Alfa Romeo veio ao mundo, o G1. Infelizmente não restaram muitos modelos do G1 para contar a história. Na verdade, existe apenas um exemplar completo e em condições plenas de funcionamento. E ele está a venda.

O G1 era equipado com o primeiro motor de seis cilindros da Alfa, um 6.3 de 70 cv e, embora fosse um carro atraente e possante, ninguém se interessou muito por ele e, por isso, somente 52 exemplares foram construídos. Apenas o chassi #6018 sobreviveu inteiro até hoje. Ele foi vendido para um cliente australiano e usado em uma fazenda, mas acabou guardado em um celeiro até 1965, quando foi descoberto por um entusiasta da marca, que o arrematou e o restaurou nos anos 1970.

Em 2000 ele voltou a ser restaurado, e já foi exposto no concurso de elegância de Pebble Beach e disputou provas da Mille Miglia e do Goodwood Members Meeting. Agora, ele será leiloado em janeiro pela RM Auctions, e deve ser arrematado por cerca de US$ 1,5 milhão.

 

Volkswagen irá fazer um protótipo elétrico para a Subida de Pikes Peak

vw-1508424655

A Volkswagen, determinada a limpar sua imagem pós-dieselgate, anunciou mais um novo modelo elétrico: um protótipo para disputar a edição de 2018 da Subida de Montanha de Pikes Peak. A última vez que a Volkswagen deu as caras no pico americano foi em 1987.

Depois que foi totalmente asfaltada, a subida de Pikes Peak vem se tornando um dos principais eventos para supercarros elétricos, que não são afetados pela variação da pressão atmosférica em altas altitudes, como é o caso de Pikes Peak. Infelizmente, a Volkswagen limitou-se a divulgar um teaser misterioso de seu protótipo elétrico, e não revelou nenhuma especificação mecânica do carro. Assim que tivermos mais informações, você verá aqui mesmo no Zero a 300.

 

Matérias relacionadas

Porsche 911 Turbo ganha mais potência e vai aos 330 km/h, BMW M2 é apresentado oficialmente, Jeep Grand Cherokee terá versão Hellcat e mais!

Leonardo Contesini

BMW lança motor quadriturbo, LaFerrari spider confirmada, os detalhes do novo Chevrolet Cruze e mais!

Leonardo Contesini

Os carros mais vendidos em março, Lamborghini terá trator comemorativo, Volkswagen confirma novo Polo no Brasil e mais!

Leonardo Contesini