A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Projetos Gringos

Icon E-Flyer: passado e futuro juntos na bike elétrica mais cool que já vimos

No início do século 20, pilotos com colhões maiores que os seus (e os nossos) pilotavam motos que mais pareciam bicicletas motorizadas em pistas ovais de madeira — os chamados motordromes — atrás de recordes de velocidade. Agora, você pode andar em uma versão moderna daquelas motos. E elétrica.

As corridas em pistas de madeira começaram por volta de 1910, quando o interesse das pessoas por motos crescia rapidamente. Madeira era barata e abundante, e as corridas de moto em estradas de terra já não eram tão emocionantes — e não eram muito rentáveis. Por isso, naquele ano foi construído o Los Angeles Motordrome, inspirado nos velódromos franceses onde eram realizadas corridas de bicicleta. Além da velocidade muito maior, era possível realizar um evento fechado e cobrar pela entrada — todo mundo saía ganhando.

moto-icon-e-flyer (1)

Contudo, os espectadores não eram os únicos que pagavam por sua diversão. As motocicletas rudimentares alcançavam mais de 160 km/h nas pistas circulares, e não era raro uma queda causar a morte do piloto. Contudo, para ganhar até US$ 20 mil por ano, eles topavam arriscar suas vidas. A taxa de mortalidade levou os motordromes a serem conhecidos como murderdromes — algo como “assassinódromos”.

Nove décadas depois do fim das corridas nos motordromes, que acabaram com a chegada da Grande Depressão no fim dos anos 20, o que resta são as lembranças daqueles homens corajosos e de suas clássicas motocicletas. E foi naquelas motos que os criadores da Icon E-Flyer se inspiraram para criar esta bicicleta elétrica.

moto-icon-e-flyer (3)

O visual absolutamente retrô serve como moldura para a tecnologia de ponta usada na construção desta bike feita à mão. O quadro é de alumínio moldado por hidroformagem — um método que  utiliza a pressão da água sobre um molde para dar forma ao metal, e pintado de cinza metálico. Os garfos podem ser de billet de alumínio ou aço, e os freios são a disco, da Avid. Além disso, a bike tem farol de LED e um selim com molas e forração de couro costurado à mão.

moto-icon-e-flyer (4)

moto-icon-e-flyer (5) moto-icon-e-flyer (7)

Além da força das suas pernas, a Icon E-Flyer usa um motor elétrico de 3,5 kW, movido pela energia de uma bateria de 52 volts — a peça em formato que lembra um motor a combustão. Com um sistema de freios regenerativos, a bateria pode ser recarregada em apenas duas horas, e uma carga cheia é capaz de empurrar a bicicleta a 30 km/h por até 56 km — uma autonomia mais do que razoável. E isso usando apenas 0,75 kW. No modo “race“, toda a potência do motor pode ser usada para chegar até os 57 km/h.

Temos certeza de que outras bikes elétricas possam ser tão eficientes e úteis quanto a E-Flyer, mas certamente nenhuma delas tem um visual tão descolado. Disponível nos EUA, a bike custa US$ 4.995, ou cerca de R$ 12 mil. Se interessou? Então é bom se apressar, porque a produção será limitada.

moto-icon-e-flyer (6)

Isso por que, na verdade, as bicicletas nem são a praia da Icon — a empresa americana é especializada em releituras modernas de lendas do off-road, como o Toyota Land Cruiser e o Ford Bronco, com estilo clássico e motores modernos. Um de seus lançamentos mais recentes, porém, é a Icon Thriftmaster, baseada na picape Chevrolet Advance Design das décas de 40 e 50. O motor é um V8 de 5,3 litros e 320 cv, acoplado a um câmbio manual Tremec de seis marchas.

moto-icon-e-flyer (8)

Seria legal encomendar uma picape destas com uma bike E-Flyer na caçamba…

Matérias relacionadas

Carros acumulados desde os anos 1960 são vendidos por R$ 70 milhões

Dalmo Hernandes

Lamborghini Aventador SV completa volta em Nürburgring Nordschleife em menos de sete minutos

Leonardo Contesini

O “Trabant mais rápido do mundo” tem um motor Honda de 270 cv atrás dos bancos dianteiros

Dalmo Hernandes