A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos GT40 Classificados Zero a 300

Imagine como é dirigir este Chevrolet Corsa Wind com motor 1.8 de Cobalt – que está à venda!

Já tratamos inúmeras vezes do assunto engine swap aqui no FlatOut, mas temos certeza de que você já fantasiou inúmeras vezes em colocar um motor mais potente em um carro com potencial. Acontece que um swap é um serviço complicado e dispendioso – fora todas as questões técnicas que precisam ser levadas em consideração, ainda há toda a burocracia envolvida na troca do coração de um automóvel. Dito isto, há quem decida que vale a pena e faça acontecer – como o dono deste Chevrolet Corsa Wind que, visto por fora, não parece ser movido por um motor 1.8 vindo do Chevrolet Cobalt, parece?

O carro, anunciado no GT40.com.br, é um Corsa Wind 1997 que, originalmente, saiu da fábrica com um motor 1.0 com comando no cabeçote, oito válvulas, injeção eletrônica multiponto, 60 cv e 8,3 mkgf de torque. Agora, ele tem um motor 1.8 17 anos mais jovem, vindo de um Chevrolet Cobalt LTZ 2014 e capaz de entregar até 108 cv e 17,1 mkgf (quase o dobro da potência original e mais que o dobro do torque), totalmente regularizado em termos de documentação. E o mais bacana: o visual do carro é 100% original e o Corsa Wind é bem mais leve que o Cobalt LTZ: 870 kg contra 1.122 kg. É praticamente um sleeper!

corsa-18 (8)

A surpresa debaixo do capô

Eder Martins, de Curitiba/PR, é o dono deste Corsa, e diz que a adaptação mecânica foi relativamente simples: apesar de ser bem mais novo, o motor do Cobalt deriva da Família I da General Motors, a mesma linha do motor do Corsa. Com isto, os pontos de fixação, coxins e suportes do câmbio são exatamente os mesmos – Eder diz que as medidas são exatamente iguais e todos os encaixes, incluindo os dos coletores de admissão e escape, são perfeitos, e que foi por isto que ele escolheu colocar o motor do Cobalt no Corsa. O carro foi comprado em março de 2017, exatamente com este propósito. Entre as modificações o motor recebeu os injetores do Chevrolet Astra e um kit de embreagem completo, com volante torneado, da Luk.

O proprietário também afirma que o câmbio de cinco marchas original do Corsa suporta muito bem o torque mais elevado do motor 1.8, e que a única modificação que faria seria colocar a engrenagem da quinta marcha do câmbio utilizado nos Corsa 1.6 – que é mais longa e, neste caso, funcionaria mais ou menos como um overdrive (4+E), aproveitando melhor a entrega de força do motor para reduzir as rotações em velocidade de cruzeiro.

corsa-18 (3)

Eder conta que, caso não fosse vender o carro por conta de uma mudança de prioridades, segundo suas palavras, instalaria um sistema de escape dimensionado no motor, um filtro esportivo do tipo cold air intake (CAI) e molas e amortecedores esportivos. O Corsa está com componentes de suspensão novos, porém nas especificações originais, assim como os discos e pinças de freio, que também são novos. Colocar discos maiores e pinças melhores também estava nos planos.

corsa-18 (4)

corsa-18 (5) corsa-18 (6)

Dito isto, o Corsa parece extremamente íntegro por fora e por dentro, apesar de alguns sinais de desgaste completamente justificáveis em um automóvel de 20 anos de idade. Mecanicamente, tudo em ordem: depois da compra e do swap, Eder realizou uma revisão que incluiu a troca de fluidos e filtros, cabos, velas, bomba d’água, correias e tensores.

corsa-18 (2)corsa-18 (9)corsa-18 (11)corsa-18 (12)

O dono encerra dizendo que o Corsa 1.8 foi montado com calma e capricho, feito para ser usado no dia-a-dia e em eventuais track days, mas a venda se faz necessária. O preço está acessível e o projeto, ainda que mereça alguns acertos, já teve a parte mais difícil concluída.

Se você gostou da ideia, é só acessar o GT40.com.br para pegar todos os detalhes do carro e também os contatos do dono!

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

V8, biturbo, 650 cv e tração integral: este é o Lamborghini Urus

Leonardo Contesini

Oldsmobile: a história de uma das fabricantes mais inovadoras de todos os tempos – Parte 1

Dalmo Hernandes

Chevrolet apresenta nova Blazer, Audi RS3 ganha pacote de 500 cv da Abt, uma Ferrari de R$ 170 milhões e mais!

Leonardo Contesini