A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Projetos Gringos WTF? Zero a 300

Isso é um Mustang da Barbie com motor de motocross – que vai de zero a 100 km/h em seis segundos!

Um Ford Mustang de quarta geração conversível, com carroceria cor de rosa e boa parte do motor brotando de um corte no capô. O motor é tão grande que tampa boa parte do para-brisa mas, por sorte, não estamos falando de um carro de verdade, e o para-brisa sequer é transparente. É um Mustang da Power Wheels, fabricado pela Fisher Price, originalmente movido por um motor elétrico de 12 Volts e capaz de chegar a 8 km/h – velocidade apropriada para um veículo feito para crianças de até 7 anos de idade.

Acontece que o motor original foi trocado por algo bem mais… adulto. E o bagulho ficou louco.

E daí que o carro é cor de rosa? Quando eu era criança, tinha um carro de Fórmula 1 movido a pedal, e o meu maior sonho era colocar nele um motor de verdade – especialmente depois de descobrir que existiam motores monocilíndricos bem pequenos, com “50 cilindradas” (era como meu pai falava, embora não seja o termo correto) e que provavelmente caberia em algum lugar do meu monoposto de plástico. Que no fim das contas foi bem usado, passando seus últimos dias descendo a ladeira de 200 metros que era a rua onde eu morava. Em todo caso: se alguém me oferecesse um Mustang cor de rosa com um motor de verdade em troca do meu Fórmula 1 vermelho, eu aceitaria na hora. Se a cor “de menina” incomodasse demais, era só pintar.

maxresdefault

Então é perfeitamente compreensível o motivo pelo qual os dois caras por trás desta criação sejam adultos, já crescidos. Eles simplesmente acharam que seria bacana colocar um motor de Honda CRF230, uma moto off-road (que é vendida no Brasil, inclusive), no Mustang. Se fosse um Mustang de verdade com um motor Honda, chamaríamos de heresia. Nesse caso, não há como pelo menos não abrir um sorriso ao ouvir o ronco típico de uma dirt bike e ver que ele vem de um carro de brinquedo. Ainda que exista um pouco de “trapaça” no projeto.

A criação é de um canal no Youtube chamado Grind Hard Plumbing Co., no qual dois caras chamados Ethan e Edwin documentam todo tipo de projeto automotivo que fazem. Não há muito material ainda, mas há algumas coisas interessantes. Em um dos vídeos, por exemplo, a dupla resgata a Toyota Tacoma abandonada por um amigo por dois anos em um matagal fazendo ligação direta, e a levam para casa como prêmio.

Depois eles a transformam em um buggy off-road:

É o tipo de loucura que todo mundo já pensou em fazer (bom, eu já pensei). Mas o projeto principal da Grind Hard Plumbing Co. é mesmo o Mustang de brinquedo com motor de verdade – os caras até postaram uma série de vídeos documentando a transformação.

Quando falamos de “trapaça”, nos referimos à estrutura do carro. Isto porque um brinquedo de plástico não tem uma estrutura rígida o bastante para suportar a força de um motor de moto – nem mesmo um de 50 cm³, quanto mais um motor mais potente, como o usado por Ethan e Edwin. Dito isto, a solução encontrada pelos caras é bem roots: eles compraram um kart artesanal no Craigslist (uma espécie de “OLX norte-americano”), feito com tubos de metal e já totalmente funcional, e o usaram como base, cortando e adaptando o “chassi” para acomodar a carroceria de plástico.

O motor traseiro do kart foi trocado pelo motor de Honda CRF 230F, que teve o curso ampliado, o que aumentou seu deslocamento de 223 cm³ para 240 cm³. Além disso, ganhou filtro de ar cônico e um comando de válvulas mais agressivo, chegando aos 24 cv em vez dos 19 cv originais. E o motor foi instalado na dianteira por questão estética – para imitar os carros de arrancada que têm parte do motor exposta acima do capô – mas também para reduzir o peso sobre as rodas traseiras, facilitando escapadas nas curvas. Por sorte a transmissão do kart é feita por corrente, o que tornou bem mais simples a tarefa de mudar a posição do motor. Só foi preciso fabricar novos suportes sob medida.

Todo o processo foi documentado em um time lapse, o que facilita muito o entendimento de como foi feito o “Barbie Kart”. Rodas, pneus e freios a disco são próprios para karts, mas foi preciso reforçar a estrutura com longarinas porque ela simplesmente não suportava a força do novo motor.

Com tudo pronto, chegou a hora de testar a criação, que recebeu um novo banco, para-lamas alargados, um freio de mão para travar as rodas de trás e, claro, uma enorme asa traseira (novamente: e daí que ele é cor de rosa?). O resultado: um Mustang de brinquedo capaz de chegar a nada menos que 115 km/h. Aferidos pelo navegador do smartphone, claro, mas ainda assim impressionante. O zero a 100 km/h em é cumprido em seis segundos, quarto-de-milha em 16 segundos. Um Ford Mustang Boss 302, com motor V8 de cinco litros e 295 cv, levava 6,8 segundos e 14,7 segundos para cumprir o quarto-de-milha.

O Mustang também era um carro de verdade, com 1.450 kg a mais na balança. É óbvio que esta é uma comparação absurda e nem um pouco técnica, mas isto não importa. Imagine a sensação de velocidade de chegar aos 115 km/h sentado em cima daquilo que é basicamente um motor com rodas e um volante. E o risco, também: um dos caras disse que já quase morreu três vezes no Barbie Kart.

Ainda bem que nem todo sonho de criança se realiza – não seria uma boa ideia colocar um a criança de sete anos no volante dessa coisa.

Por outro lado, esta garotinha de seis anos de idade, Lila Kalis, já sabe provocar a traseira de seu Corvette Power Wheels:

O pai de Lila, Joshua Kalis, postou o vídeo no Youtube despretensiosamente em maio de 2016. O carro recebeu um freio de mão adaptado para que Lila possa travar as rodas traseiras e fazer drift, e ela gosta mesmo do negócio – e até foi botar banca com o pessoal da equipe Hoonigan de Ken Block! Mais uma para o time dos gearheads, desde cedo.

Matérias relacionadas

Um novo autódromo em São Paulo, o novo Bentley Continental GT3, Lamborghini Urus em ação e mais!

Leonardo Contesini

Enzo, Silvia, Isabella: os carros batizados com nomes de pessoas – Parte 1

Dalmo Hernandes

Um Alfa Romeo 155 íntegro e original, uma VW Parati monocromática preparada, um Civic Si turbo de 370 cv e mais no GT40

Dalmo Hernandes