FlatOut!
Image default
Projetos Gringos Zero a 300

Isto é um Porsche Boxster biturbo de 520 cv com o piloto sentado no meio

Como se não bastasse ser o carro mais rápido do mundo em seu tempo, o McLaren F1 tinha outra característica marcante: a posição central do motorista, que deixava espaço para outras duas pessoas na cabine e ainda colocava o condutor em uma posição privilegiada para a pilotagem, com uma noção muito melhor do espaço que o carro ocupava na pista. Há algo de intrigante em um carro no qual o piloto vai sentado no meio.

É por isso que o Porsche Boxster de primeira geração que Bisi Ezerioha apresentou na última edição do SEMA Show, em novembro de 2017, é tão hipnotizante. Mas há outras razões, também.

O nome de Bisi Ezerioha já foi citado aqui algumas vezes. O entusiasta filho de nigerianos formou-se em ciências naturais e engenharia química na Califórnia, mas sua paixão sempre foram os carros. E foi por isso que, em 1995, ele fundou a Bisimoto Engineering. Alguns de seus carros já apareceram aqui no FlatOut, como um Porsche 911 Turbo 1976 com mais de 1.000 cv e carroceria widebody e uma minivan Honda Odyssey com motor V6 biturbo e… mais de 1.000 cv. Desde que começou a preparar carros Bisi os levou para participar de eventos de arrancada, que faziam muito pela divulgação de seu trabalho – a Honda Odyssey até participou de “Carangas e Carrões“, o programa de arrancada da Netflix que foi uma das melhores surpresas em conteúdo automotivo deste ano.

1523018139

Bisi ficou bem conhecido pela originalidade de seus projetos, e com o Boxster não é diferente. Como comenta Matt Farah, do The Drive, um dos que tiveram a sorte de conduzir o carro além de seu criador, a intenção de Bisi era justamente expandir seus horizontes e aperfeiçoar-se na arte de fazer um carro bom de curva.

O Boxster 986 foi escolhido por ser meio que um renegado. Além de ter sido estranhado pelos entusiastas na época por seu visual, ele sofria com o mesmo problema do primeiro Porsche 911 arrefecido a água: o motor M96. Na época do lançamento o M96 apresentou problemas no IMS – um eixo intermediário entre o virabrequim e os comandos de válvulas que, nos exemplares fabricados até 2004, podia falhar e causar danos severos ao motor, com reparos que podiam custar mais que o preço do carro.

Então, o desafio era pegar um carro que já era bom de guiar e torná-lo excepcional, mas primeiro dar a ele um motor mais potente e mais confiável. E ainda dar a ele algo para diferenciá-lo de todos os outros Boxster de primeira geração. O tipo de coisa que se espera de alguém com a reputação de Bisi.

De acordo com Matt, o carro é muito equilibrado dinamicamente, e sentar bem no meio permite que se tenha uma noção muito melhor da trajetória do carro, contribuindo também para a percepção do que as rodas e a suspensão estão fazendo. Além disto, contribui para distribuir melhor as massas entre os lados direitos e esquerdo do carro. Segundo a Bisimoto, com o piloto sentado no meio e a alavanca do câmbio deslocada para o lado direito, a distribuição de peso fica em 49,9 à esquerda e 50,1 à direita. Praticamente perfeito.

1518490829

Bisi comprou o Boxster com motor fundido por US$ 4.000 (cerca de R$ 15.000 em conversão direta). O motor foi refeito por completo e transformado em uma usina de força robusta e eficiente. Assim, usando diversos componentes novos, incluindo bielas feitas in-house e dois turbos Precision de 52 mm, além de novos pistões e camisas de cilindro, o flat-six agora entrega 426 cv em condições normais, com uma função de overboost que adiciona 100 cv ao toque de um botão por curtos períodos. O carro é movido a etanol E85, e o motor é gerenciado por uma ECU AEM Infinity. Há, ainda um intercooler Sparco do tipo água-ar, alguns radiadores CSF e coletores de admissão e escape feitos sob medida.

31490826_419503248522544_6486262604011405312_n

O motor é acoplado à caixa de cinco marchas original do Boxster, sem qualquer tipo de modificação. Consta que, apesar de ter de lidar originalmente com 220 cv, o câmbio não tem problemas para colocar mais do que o dobro disto no chão. Mas as marchas podiam ser mais longas.

As rodas são de fibra de carbono, fornecidas pela Carbon Revolution – a empresa que fabrica as rodas do Shelby GT350R, que têm o mesmo desenho – e calçadas com pneus Toyo R888. Os freios são maiores, com discos ventilados e slotados, com pinças de corrida com oito pistões. Bisi tentou usar os freios originais com mais que o dobro da potência e descobriu que, bem, eles não eram suficientes.

31935470_246718765881991_3801810307735617536_n centerseat

Além de ter o dobro da potência, o Boxster também perdeu peso: o interior foi completamente depenado, deixando apenas o banco, o volante, a caixa de pedais (feita sob medida), a alavanca de câmbio adaptada em um console do lado direito e a gaiola de proteção exposta – que, de acordo com o criador da obra, é crucial para manter a integridade estrutural de um carro que passou por uma modificação tão radical.

1522077205

O banco é fixo, o painel é digital e a caixa de pedais é o que se move para ajustar-se a diferentes pilotos. Para-lamas, para-choques e o teto rígido removível são de fibra de carbono. No total, o carro pesa 1.156 kg Segundo Matt, conduzir o Boxster com o banco no meio é análogo a pilotar um protótipo Le Mans, e uma experiência que não pode ser reproduzida com um carro “normal”.

Um dos poucos problemas do carro é a comunicabilidade do sistema de direção, que tem o peso correto e uma boa relação, mas pouco feedback. É compreensível, visto que este é um projeto em desenvolvimento e teve o sistema de direção todo redimensionado para a posição central do piloto.

1514310583

Agora, apesar de ser um projeto pessoal de Bisi, o Boxster “center-drive” poderá ser conduzido por outras pessoas, se tudo correr bem: o Clube de Proprietários de Porsche da Califórnia está conversando com Bisi para montar mais alguns exemplares e dar início a uma categoria monomarca independente. Para isto ele terá de aperfeiçoar a receita, mas pelo visto está no caminho certo.

 

Matérias relacionadas

Tente não sonhar com este Lancia Delta S4 Stradale 1985 com menos de 800 km rodados

Dalmo Hernandes

Cinco versões da Kombi que só foram produzidas no Brasil

Leonardo Contesini

Este Porsche 964 Martini Racing da RWB é um belo tributo ao Carrera RSR

Dalmo Hernandes