Jack Brabham Trophy, 1971 – quando chefes de equipe da Fórmula 1 disputaram uma corrida de Escort Mk1

Dalmo Hernandes 15 maio, 2018 0
Jack Brabham Trophy, 1971 – quando chefes de equipe da Fórmula 1 disputaram uma corrida de Escort Mk1

Antigamente o automobilismo era um esporte diferente. E não estamos falando apenas dos carros, que obviamente mudaram muito ao longo das décadas, mas também das formalidades e informalidades do esporte a motor. Você consegue imaginar os chefes de equipe e ex-pilotos de hoje trocando tinta na pista ao volante de carros esportivos de rua? Pois foi exatamente o que aconteceu em 24 de outubro de 1971 no circuito de Brands Hatch, Reino Unido.

Foi o Jack Brabham Trophy, na qual 15 exemplares do Escort Mk1 preparados pela Ford disputaram dez voltas na pista com chefes de equipe e ex-pilotos de Fórmula 1, como forma de marcar o fim da temporada que culminou com o título de Jackie Stewart, da Tyrrell-Ford.

Não se sabe ao certo por que a corrida foi batizada com o nome de Jack Brabham, mas talvez tenha a ver com o fato de o lendário homem que venceu um campeonato com um carro que ele mesmo construiu ter se aposentado das pistas no ano anterior, em 1970. O caso é que ele foi um dos vários chefes de equipe (e, no seu caso, também um dos ex-pilotos) que participaram da prova. Outros foram Frank Williams, John Surtees, Max Mosley Ken Tyrrell e Colin Chapman – apenas nomes de peso, veja bem. Cada um deles ficou com um carro sorteado aleatoriamente, todos com as mesmas especificações técnicas.

O Escort Mk1 Mexico foi inspirado no sucesso do modelo nos ralis – no fim dos anos 60 e começo dos anos 70, o pequeno Ford de tração traseira era praticamente imbatível, sendo que sua vitória mais importante foi o London-Mexico World Cup Rally, prova disputada entre 19 de abril e 27 de maio de 1970 na qual mais de 25.700 km foram percorridos pelos competidores.

1970_Ford_Escort_rally 13980570516_a52295e664_b

O vencedor foi o finlandês Hannu Mikkola, com o sueco Gunnar Palm como co-piloto, ao volante de um Escort Mk1. Em comemoração pelo feito, a Ford lançou uma edição especial do Escort chamada Mexico, que tinha um motor de 1,6 litro com cabeçote de fluxo cruzado e 86 cv. O carro tinha decoração especial, com faixas na linha de cintura, volante de três raios e painel com conta-giros.

ford_escort_mexico_1-1

Os carros que a Ford cedeu para a corrida dos chefes da F1 eram novinhos, e supostamente receberam pimenta extra no motor, suspensão preparada e perderam alguns itens de acabamento (como o carpete) para aliviar peso. No mais eram carros comuns. E isto é o mais legal.

Ford-Escort-Mexico8

Os chefes correram por dez voltas, e foi uma prova bastante apertada e cheia de toques entre os carros. Apesar de a qualidade da imagem não ser das melhores, é divertido ver os pequenos cupês com os chefes de equipe da Fórmula 1 brigando pela ponta – especialmente Colin Chapman e Jack Brabham, que perdeu a liderança no começo da última volta mas conseguiu recuperar-se, ultrapassando Chapman, Williams e Surtees na reta final para vencer a prova. Detalhe: os próprios pilotos das equipes ficaram encarregados de sinalizar para seus chefes da pit lane.

Segundo consta, Brabham entregou seu troféu a Colin Chapman no fim da prova, porque o chefe da Lotus havia ficado sem a última marcha e por isso não conseguiu vencer. Uma bonita demonstração de espírito esportivo.

Infelizmente, porém, aquele dia não terminou bem. A corrida dos chefes de equipe foi a atração de abertura para a prova principal, a Rothmans World Championship Victory Race – algo como uma corrida amistosa para os pilotos que haviam competido naquela temporada. O plano era que a prova durasse 40 voltas em Brands Hatch, mas o piloto suíço Jo Siffert, da BRM, que havia conquistado a pole position, sofreu um acidente na volta 15 causado por uma falha mecânica. Siffert, que atacava a curva Hawthorn em alta velocidade, perdeu o controle do carro e atravessou a pista, batendo em um barranco. O carro capotou e pegou fogo. Siffert, que ficou preso nas ferragens, morreu queimado. A prova foi interrompida imediatamente e terminou com uma vitória triste de Peter Gethin, colega de Siffert na BRM.

Talvez por isso não seja mais fácil encontrar informações e registros da época, e nem detalhes a respeito do que aconteceu com os carros – a Ford provavelmente pegou a maioria deles de volta sem muito alarde. O único que tem seu paradeiro conhecido é o carro que foi conduzido por Jack Brabham, o vencedor da prova.

Ford-Escort-Mexico3 Ford-Escort-Mexico1

O carro foi devolvido à Ford e disputou alguns ralis regionais por alguns anos, antes de ser vendido a um colecionador em 1985. Depois de 23 anos guardado, o carro foi restaurado entre 2007 e 2008 e vendido em um leilão pela Bonhams a um entusiasta britânico identificado apenas como “Michael”. Ele decidiu dar mais um trato no carro, com uma nova pintura na cor original e uma preparação leve no motor, que recebeu um par de carburadores Weber de corpo duplo e agora entrega 95 cv.

Ford-Escort-Mexico7 Ford-Escort-Mexico9 Ford-Escort-Mexico6