FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Jensen Interceptor Mark III: um legítimo muscle car britânico à venda no Brasil

A indústria automotiva britânica dos anos 70 não tem a melhor das reputações. Boa parte disto se deve à British Leyland, conglomerado que chegou a responder por 40% do mercado de carros no Reino Unido e reuniu sob seu guarda-chuva companhias como Rover, Land Rover, Jaguar e Mini.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Na época da British Leyland, a maioria dos carros britânicos usava componentes elétricos Lucas – que eram um tanto problemáticos, comprometendo a confiabilidade de todos os modelos de forma bem democrática, do Mini Cooper ao Jaguar XJ12.

Mas existem opções que são, digamos, mais seguras. Por exemplo: um esportivo britânico com mecânica importada dos Estados Unidos – motor e câmbio de muscle car, robustos e duráveis, em uma embalagem com design e refinamento típicos dos ingleses. Um carro como o Jensen Interceptor – que é nosso Achado meio Perdido de hoje.

Fundada em 1922, Jensen era uma companhia independente especializada em carros esportivos, feitos sobre componentes mecânicos de outras fabricantes – inicialmente, eles usavam motores V8 Ford flathead. Um de seus clientes famosos foi o ator Clark Gable, que encomendou em 1934 um modelo sob medida com motor Ford que deu origem a uma série limitada.

Já na década de 1950 a Jensen conseguiu notoriedade por ser uma das primeiras companhias europeias a construir carros de fibra de vidro – o Jensen 541, de 1955, que usava um seis-cilindros Austin; e o C-V8, de 1962, que tinha um V8 Chrysler de 6,3 litros e 270 cv.

No entanto, para o sucessor do C-V8 – o Interceptor – a Jensen optou pelo aço, com desenho assinado pelo estúdio italiano Carrozzeria Touring.

Fabricado entre 1966 e 1976, o Jensen Interceptor oferecia uma alternativa aos britânicos mais conhecidos, como o Jaguar E-Type e o Aston Martin DB5. Como eles, o Interceptor trazia um visual elegante, e proporções típicas de grand tourer, mas ele também apostava nos V8 Mopar.

O Interceptor passou por duas atualizações ao longo de sua vida – ou seja, existem três versões diferentes, conhecidas como Mark I, II e III. As diferenças estéticas entre as três são mínimas, como o desenho da grade e dos faróis. O MkI tinha um V8 de 383 pol³ (6,2 litros) com potência de variava entre 250 cv. O MkII, que veio em 1969, tinha 270 cv. O câmbio era sempre manual de quatro marchas ou o automático TorqueFlite da Chrysler, que tinha três marchas.

Nosso Achado meio Perdido de hoje é um Interceptor MkIII, que foi o primeiro a usar o motor V8 440 da Chrysler, com carburador de corpo quádruplo e 305 cv – força o bastante para ir de zero  a 100 km/h em 7,8 segundos, com velocidade máxima de 217 km/h. A partir de 1972, a potência que foi reduzida para 284 cv por questões de economia e emissão de poluentes.

O nosso Achado meio Perdido de hoje é um Interceptor 1971, o que significa que ele é anterior à redução de potência. Esta versão é raríssima no Brasil – segundo vendedor, que é especializado em clássicos europeus, existem apenas dois Interceptor MkIII em nosso País.

O carro aparenta estar em bom estado de conservação e bom nível de originalidade, embora a carroceria possivelmente já tenha sido repintada na tonalidade azul metálico original. O interior tem painel com detalhes em madeira e bancos em couro creme com canaletas bordô, e possui todos os mostradores e itens de acabamento originais e em bom estado. O mesmo vale para todos os emblemas e lanternas.

As rodas, porém, são um jogo de Magnum, frequentemente usadas em muscle cars – talvez sejam um aceno à origem americana do motor. Originalmente, o Interceptor MkIII usa rodas GKN, de fabricação britânica.

Em termos de manutenção, o Interceptor está em ordem, de acordo com o vendedor – e, neste aspecto, o motor V8 americano também representa uma vantagem, pois isto facilita bastante o acesso a peças de qualidade. E também abre mais possibilidades de preparação, caso você esteja disposto a modificar um clássico deste calibre. Isto posto, quando se compra um carro antigo, nunca é má ideia investir em uma revisão geral.

Se você ficou interessado, pode clicar aqui para acessar o anúncio, onde estão os contatos do vendedor.

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Este pode ser o Alfa Romeo 164 que você estava esperando: motor V6, câmbio manual, bem conservado e à venda!

Dalmo Hernandes

Este Peugeot 205 “Rallye” pode ser seu próximo project car

Dalmo Hernandes

Sonho americano: este raro Studebaker Commander Coupe impecável está à venda no Brasil

Dalmo Hernandes