A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Automobilismo Projetos Gringos

Keiichi Tsuschiya vai voltar a competir – e será com um Toyota AE86!

Keiichi Tsuchiya, o Drift King, é uma lenda do automobilismo japonês há pelo menos quatro décadas. Hoje com 62 anos de idade, Keiichi começou sua carreira como piloto no fim da década de 1970, saindo das corridas de rua direto para provas de turismo. Como você já deve saber, o estilo de pilotagem de Keiichi Tsuchiya, usando e abusando do drift, ajudou a popularizar o estilo não apenas no Japão, mas em todo o mundo. Ele não é chamado de “o Rei do Drift” à toa, afinal.

Keiichi também apresenta desde a década de 1990 os programas da Best Motoring International e de sua publicação especializada em carros preparados, a  Hot Version. Com o crescimento da Internet nos últimos anos, muitos de seu quadros antigos foram publicados online no YouTube – tanto por entusiastas que converteram suas fitas VHS para o formato digital quanto pelo canal oficial da própria Best Motoring, que produz novos vídeos até hoje. E assim, o nome e o trabalho de Keiichi Tsuchiya voltaram aos holofotes – especialmente nas redes sociais, que estão cheias de clipes de seus vídeos e memes com screenshots dos mesmos.

Achievement_0a4184_5709308

Fica fácil entender, então, porque o experiente piloto continua na ativa e com a agenda lotada. E agora, o especialista no dorifuto – que foi até consultor da equipe de produção de “Velozes e Furiosos: Desafio em Tóquio” – vai participar de um novo desafio: competir no World Time Attack Challenge 2018 (WTAC), evento de time attack realizado todos os anos em Sydney, na Australia, e uma das principais provas do calendário na categoria. E, é claro, ele vai correr com um Toyota AE86.

12398024_keiichi-tsuchiya-at-wtac-2016-the-story_tea71f9d3

A imagem de Keiichi Tsuchiya é irremediavelmente associada à do AE86, um dos carros mais lendários da Toyota. O AE86 foi o ultimo modelo do Toyota Corolla a ter motor dianteiro longitudinal e tração traseira, e a fabricante japonesa o criou pensando exatamente nos entusiastas: ele foi concebido para ser um carro barato, leve e bom de curva, e não é à toa que hoje, 35 anos depois do lançamento, o AE86 continua sendo um project car extremamente popular – e muitas vezes é encarado como uma tela em branco, pronta para receber um conjunto mecânico completamente diferente do original. Não faltam exemplares do AE86 equipados, por exemplo, com o popular V8 LS da Chevrolet, que lá fora é barato, abundante e conta com literalmente dezenas (centenas?) de receitas de preparação à escolha.

O Toyota AE86 de Keiichi Tsuchiya o acompanha há mais de duas décadas e é um carro que já passou por diversas configurações diferentes. Então, nada mais natural que dar a ele um AE86 para sua primeira participação como competidor oficial no WTAC. Não é o carro dele, e sim outro AE86 – o que fica evidente ao examinar sua dianteira. O carro de Keiichi Tsuchiya é um Toyota Sprinter Trueno, com faróis escamoteáveis e frente mais baixa, além de uma versão com cabeçote de 20 válvulas do motor 4A-GE, quatro-cilindros naturalmente aspirado com comando duplo no cabeçote que, com a preparação correta, é facilmente capaz de passar das 10.000 rpm.

keiichi (1)

Não é a primeira vez que Keiichi participa do WTAC, mas nas ocasiões anteriores ele foi convidado especial em baterias de exibição. Agora, para sua primeira vez como inscrito na competição, ele vai pegar emprestado o AE86 do piloto australiano Beau Yates, que é um Corolla Levin – que tem a dianteira mais alta, com faróis expostos, e esta é a principal diferença entre o Levin e o Trueno. Yates é um dos pilotos patrocinados pela própria Toyota e participa de campeonatos de drift com seu AE86 desde 2003.

O carro, diferentemente do AE86 de Keiichi Tsuchiya, usa um motor Toyota 3S-GTE, utilizado originalmente no Toyota Celica entre 1986 e 1999 e no Toyota MR2 de segunda geração entre 1990 e 1999. O motor atualmente usa pistões e bielas TRD; coletores de admissão e escape, corpo de borboleta, intercooler e “flauta” Hypertune; injetores SARD e turbocompressor TiAL 3076R.

IMG_7117-Edit129 (1)

É o bastante para entregar cerca de 360 cv, com um ronco matador. O vídeo abaixo, gravado com uma câmera GoPro dentro do cofre durante uma competição de drift, deixa isto bem claro:

Para que Keiichi Tsuchiya corra com ele no WTAC, o carro recebeu algumas modificações. Para começar, a transmissão manual convencional usada pelo AE86 deu lugar a uma caixa Sadev sequencial de seis marchas. A suspensão traseira foi interira refeita usando um novo sistema 4-link com geometria ajustável, além de molas e amortecedores do tipo Coilover da MCA Golf – tudo ajustado para grip em vez de drift – ou seja, Keiichi não vai andar de lado como é de seu costume. As portas originais foram trocadas por pelas de fibra de carbono, assim como o capô. Para-choque dianteiro e para-lamas foram também foram feitos sob medida.

IMG_7087-Edit122 (1)IMG_7068-Edit119 (1)IMG_7132-Edit131

O motor também recebeu atenção: com uma nova ECU Emtron KV8 no lugar da Haltech E11v2, a potência deverá ultrapassar a marca dos 640 cv (!) – certamente foram aplicados outros truques ao 3S-GTE, mas nada foi revelado ainda. Por outro lado, um dos upgrades que foram revelados pelos organizadores do WTAC é o sistema de freios ABS da Bosch – que não é como os freios ABS de um carro de rua, de acordo com eles, e sim um sistema projetado e programado especificamente para carro de competição. Com ele, a distância de frenagem e o desgaste dos pneus e componentes dos freios são significativamente menores.

IMG_7150-Edit134

O World Time Attach Challenge Sydney 2018 acontecerá no próximo fim de semana, nos dias 12 e 13 de outubro. Mas Não será a primeira vez que Keiichi Tsuchiya participará do WTAC: na edição de 2016 ele conduziu este mesmo AE86, ainda em configuração de drift. E, na condição de convidado especial, ele não poupou os espectadores de assisti-lo pilotando como sempre fez: de lado.

Já no ano passado, Tsuchiya fez dorifuto com um Pagani Huayra BC, edição especial do supercarro revelada em 2016 que usa um V12 biturbo de seis litros e 800 cv, com 112,1 mkgf de torque.

A julgar pelo quanto o Drift King conhece o circuito de Sydney Motorsports Park, só podemos esperar um excelente desempenho de sua parte no WTAC 2018.

Matérias relacionadas

A diversidade e a união da cultura automotiva secreta do Havaí

Dalmo Hernandes

Estes são os melhores anúncios em vídeo para carros antigos que já vimos

Dalmo Hernandes

Museo Mille Miglia: um passeio fotográfico entre alguns dos carros mais marcantes da lendária corrida italiana

Leonardo Contesini