A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Projetos Gringos

Koenigsegg ensina a arte de fazer rodas de fibra de carbono

Christian von Koenigsegg, o mago sueco dos supercarros, fabrica rodas de fibra de carbono desde 2012 para equipar seus modelos — obviamente, o One:1 não ficaria de fora. Agora, é hora de descobrir como elas são feitas usando uma mistura de arte e tecnologia.

Quase tudo no Koenigsegg One:1 é feito de fibra de carbono. Da suspensão às rodas. E sendo um carro especial, ele usa um tipo especial de fibra de carbono chamado prepreg, que já tem a resina impregnada durante o processo de trama. Sendo assim, ela precisa ser armazenada em locais frios para evitar que a temperatura ambiente comece o processo de cura antes da hora. Para fabricar as rodas, são usados dois moldes negativos (a fibra é aplicada por fora do molde, e não por dentro): um para o miolo e um para o aro. A aplicação é manual, camada por camada, e o processo dura algumas horas.

Os moldes são, então, unidos e embalados a vácuo. Em seguida, vão para a autoclave, onde são aquecidos sob pressão para que a fibra seja curada e as camadas se juntem, adquirindo a rigidez necessária. Koenigsegg diz que suas rodas de fibra de carbono, que pesam cerca de 5 kg, são 40% mais leves do que as mais leves rodas de metal produzidas atualmente. Ele demonstra isto segurando uma roda recém-saída da autoclave (e devidamente resfriada) com um só dedo.

Sem Título-1

Christian von Koenigsegg explica que, para ele, as rodas são os componentes do carro onde a leveza é mais importante — reduzindo a massa não suspensa nas rodas, o carro fica menos suscetível à força centrífuga durante o esterçamento, contribuindo para maior estabilidade. Sendo assim, os raios e o centro da roda são ocos. Koenigsegg orgulhosamente diz que este processo foi aperfeiçoado por muito tempo e não pode ser mostrado para as câmeras.

Como são feitas à mão, as rodas estão sujeitas a pequenas variações na distribuição de peso por toda sua estrutura — até a aplicação da válvula, única parte de metal da roda, contribui para isto. A solução está na hora de colocar os pneus: como eles também não têm distribuição de massa 100% uniforme, as diferenças são compensadas uma pela outra. Bela sacada.

Mas há outra questão: o calor gerado pelas frenagens. Além de chegar aos 300 km/h em 14 segundos, os Koenigsegg também são capazes de ir de 300 km/h a 0 em 6,6 segundos — imagine a temperatura dos discos de freio depois de algum tempo. Koenigsegg limitou-se a dizer que, para contornar este problema, foram usados “resinas e compósitos especiais”.

Recentemente a BMW anunciou que, entre outras inovações, suas rodas de fibra de carbono serão lançadas em até dois anos. Mas, enquanto a fabricante bávara pesquisou muito para encontrar um processo mais barato, mantendo as mesmas características inerentes à fibra de carbono, a Koenigsegg pode se dar ao luxo de fazer suas rodas à moda antiga.

Não é que a BMW não tenha recursos — longe disso — mas, como já vimos, a ideia dos alemães é produzir rodas em série. A Koenigsegg, por outro lado, fez até agora 27 jogos de rodas, dando atenção individual a cada uma delas no processo incrível que é mostrado neste vídeo.

Matérias relacionadas

Por que o Porsche 918 Spyder tem as saídas de escape em cima do motor?

Dalmo Hernandes

Como dirigir um carro antigo sem se matar, morrer de medo ou fazer cagada

Juliano Barata

Canepa: a concessionária, oficina, equipe de corrida e preparadora que mais entende de Porsche no planeta

Dalmo Hernandes