FlatOut!
Image default
Projetos Gringos

Koenigsegg ensina a arte de fazer rodas de fibra de carbono

Christian von Koenigsegg, o mago sueco dos supercarros, fabrica rodas de fibra de carbono desde 2012 para equipar seus modelos — obviamente, o One:1 não ficaria de fora. Agora, é hora de descobrir como elas são feitas usando uma mistura de arte e tecnologia.

Quase tudo no Koenigsegg One:1 é feito de fibra de carbono. Da suspensão às rodas. E sendo um carro especial, ele usa um tipo especial de fibra de carbono chamado prepreg, que já tem a resina impregnada durante o processo de trama. Sendo assim, ela precisa ser armazenada em locais frios para evitar que a temperatura ambiente comece o processo de cura antes da hora. Para fabricar as rodas, são usados dois moldes negativos (a fibra é aplicada por fora do molde, e não por dentro): um para o miolo e um para o aro. A aplicação é manual, camada por camada, e o processo dura algumas horas.

Os moldes são, então, unidos e embalados a vácuo. Em seguida, vão para a autoclave, onde são aquecidos sob pressão para que a fibra seja curada e as camadas se juntem, adquirindo a rigidez necessária. Koenigsegg diz que suas rodas de fibra de carbono, que pesam cerca de 5 kg, são 40% mais leves do que as mais leves rodas de metal produzidas atualmente. Ele demonstra isto segurando uma roda recém-saída da autoclave (e devidamente resfriada) com um só dedo.

Sem Título-1

Christian von Koenigsegg explica que, para ele, as rodas são os componentes do carro onde a leveza é mais importante — reduzindo a massa não suspensa nas rodas, o carro fica menos suscetível à força centrífuga durante o esterçamento, contribuindo para maior estabilidade. Sendo assim, os raios e o centro da roda são ocos. Koenigsegg orgulhosamente diz que este processo foi aperfeiçoado por muito tempo e não pode ser mostrado para as câmeras.

Como são feitas à mão, as rodas estão sujeitas a pequenas variações na distribuição de peso por toda sua estrutura — até a aplicação da válvula, única parte de metal da roda, contribui para isto. A solução está na hora de colocar os pneus: como eles também não têm distribuição de massa 100% uniforme, as diferenças são compensadas uma pela outra. Bela sacada.

Mas há outra questão: o calor gerado pelas frenagens. Além de chegar aos 300 km/h em 14 segundos, os Koenigsegg também são capazes de ir de 300 km/h a 0 em 6,6 segundos — imagine a temperatura dos discos de freio depois de algum tempo. Koenigsegg limitou-se a dizer que, para contornar este problema, foram usados “resinas e compósitos especiais”.

Recentemente a BMW anunciou que, entre outras inovações, suas rodas de fibra de carbono serão lançadas em até dois anos. Mas, enquanto a fabricante bávara pesquisou muito para encontrar um processo mais barato, mantendo as mesmas características inerentes à fibra de carbono, a Koenigsegg pode se dar ao luxo de fazer suas rodas à moda antiga.

Não é que a BMW não tenha recursos — longe disso — mas, como já vimos, a ideia dos alemães é produzir rodas em série. A Koenigsegg, por outro lado, fez até agora 27 jogos de rodas, dando atenção individual a cada uma delas no processo incrível que é mostrado neste vídeo.

Matérias relacionadas

O Rei do Pop em duas rodas: você sabia que Michael Jackson era fã de motos?

Dalmo Hernandes

Bullitt, 1968: tudo o que você sempre quis saber sobre a perseguição mais famosa do cinema

Dalmo Hernandes

Alexa Taylor, a garota de 18 anos que pilota um Camaro de 9 segundos — que ela mesma construiu!

Dalmo Hernandes