A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Lendas do WRC: Citroën C4 WRC e a consagração de Sébastien Loeb na elite do rali mundial

Como você já deve saber a esta altura, Sébastien Loeb é o maior vencedor da história do Campeonato Mundial de Rali com nada menos que nove títulos em sequência, de 2004 a 2012. Ao longo destes nove anos, Loeb só piltotou carros de uma equipe: a Citroën.

Até 2006 o Xsara WRC foi o carro de rali da equipe de fábrica da Citroën. O carro foi imbatível nos três primeiros anos. A equipe de fábrica faturou  três títulos de construtores em 2003, 2004 e 2005, e Loeb ganhou seus dois primeiros títulos do mundial de pilotos em 2004 e 2005.

O ano de 2006, porém, trouxe um adversário inesperado: o Ford Focus, que finalmente acertou na receita e tirou o Xsara de seu trono. Loeb continuou vencendo sem parar, mas a Citroën precisava reagir se quisesse voltar ao topo. Se pensarmos bem, em uma época de evolução rápida no WRC, o Xsara até durou bastante tempo sem alterações significativas — foram seis anos, de 2001 a 2006. Estava mais do que na hora de preparar um sucessor.

Quando você examina um Citroën C4 e vê as linhas elegantes, as saídas de ar perfumadas, o painel digital e o volante com centro fixo, tem a impressão de que é um carro muito sofisticado. O que muita gente não sabe é que, logo que foi apresentado ao mundo — no Salão de Genebra de 2004 — o C4 já deixou claro que foi feito pra ser um campeão do WRC.

lendas-c4 (1)lendas-c4 (2)

O cara aí em cima é o primeiro conceito do C4, adequadamente batizado de C4 WRC Concept. Era um perfeito carro de competição, com direito a volante de saque rápido, bancos concha e gaiola de proteção, e deixou claras as intenções do novo modelo, cuja versão de produção estreou ainda naquele ano.

Um belo resumo da temporada de 2006 do WRC — se tiver 52 minutos livres, assista, porque vale a pena

Àquela altura o Xsara ainda competia, mas já sentia o peso dos anos — especialmente em 2006, quando o Ford Focus conquistou seu primeiro título. Felizmente, o desenvolvimento do novo carro de rali da Citroën estava caminhando a passos largos. Naquele mesmo ano a versão definitiva do C4 WRC foi apresentada também no Salão de Genebra, pronta para estrear na temporada seguinte do WRC.

lendas-c4 (3)

lendas-c4 (7) lendas-c4 (6)

O novo carro tinha um desafio muito grande pela frente, pois além de vencer, deveria superar seu antecessor. Por sorte, era um carro de concepção bem mais moderna, baseado na recém-lançada plataforma do Peugeot 307. Além disso, a Citroën trabalhou ao lado de Loeb ao longo de todo período de desenvolvimento do carro de rali — desde sua apresentação, em 2004, até sua estreia em 2007 — para garantir que seu principal piloto e sua nova ferramenta trabalhassem em harmonia.

Sendo um carro maior que o Xsara, com 4,2 metros de comprimento e 1,8 metro de largura, o C4 não teve problemas em se adequar ao regulamento do WRC e a carroceria não precisou de grandes modificações para tal. Contudo, há diversas diferenças entre o C4 de rali e o C4 que vemos nas ruas.

lendas-c4 (5)

A suspensão, a exemplo do 206 WRC, é independente do tipo McPherson nas quatro rodas, diferentemente do modelo de rua, que usa eixo de torção. O Xsara WRC foi o ponto de referência, o benchmark, e por isso o C4 continuou usando o motor de dois litros com comando duplo no cabeçote e turbo — agora com 315 cv a 5.500 rpm (15 cv a mais que o Xsara) — acoplado a uma caixa semi-automática de seis marchas com trocas sequenciais. A força do motor é levada para as quatro rodas através de três diferenciais: dois mecânicos, na dianteira e na traseira; e um eletrônico no centro.

lendas-c4 (4)

Em relação ao conceito, o carro não recebeu muitas alterações estéticas, embora o conjunto aerodinâmico e a asa traseira tenham sido substituídos para adequar-se ao regulamento e, por razões óbvias, o teto de vidro tenha dado lugar a uma chapa de aço tradicional — afinal, você já viu um carro de rali com teto de vidro?

lendas-c4

O primeiro ano do C4 WRC, 2007, foi um ano de desenvolvimento; o carro ainda precisava ser aperfeiçoado e, com base no feedback de Loeb e seu colega de equipe Dani Sordo, a Citroën faria as mudanças necessárias. Apesar disso, o desempenho do novo carro de rali foi o suficiente pra que Loeb não interrompesse sua espetacular sequência de títulos.

Loeb em ação com o C4, Monte Carlo, 2007

Na verdade, logo na estreia do C4 — o Rally Monte Carlo de 2007 —, Loeb e Sordo conseguiram uma dobradinha em cima da Ford. O bom desempenho continuou ao longo da temporada e raramente os franceses deixavam o pódio, com direito a mais sete vitórias em 16 etapas e outras duas dobradinhas (na Catalunha e na Irlanda) e, claro, ao título de Loeb. Aliás, o Citroën C4 foi um dos únicos (se não o único) carro do WRC a competir com a mesma dupla principal ao longo de toda sua carreira nas pistas.

lendas-c4 (11)

A competitividade de Loeb e Sordo foi comprovada no ano seguinte, 2008, quando a Citroën inaugurou uma nova sequência de títulos que só foi interrompida em 2013, quando Loeb se aposentou e outro francês chamado Sébastien conquistou seu primeiro título: Ogier, pela Volkswagen. Aliás, a primeira experiência de Sébastien Ogier em na categoria de topo do WRC foi 2008 e pela Citroën. Coincidência, não?

De qualquer forma, nas temporadas seguintes o bom desempenho se repetiu. O C4 WRC continuou superior à concorrência graças ao talento de Loeb e à ótima atuação de Sordo. Juntos, ambos acumularam 36 vitórias pela Citroën e, quatro anos, sendo que duas delas foram conquistadas por Ogier em 2010 — ano em que Kimi Räikkonen decidiu aventurar-se nos ralis, acompanhando Ogier na equipe secundária da fabricante francesa.

Kimi Räikkonen, honrando o sangue finlandês

Em 2011, o C4 deu lugar ao DS3 — sucessor que, nas mãos de Loeb, ainda concedeu à Citroën mais dois títulos de construtores antes que Ogier, agora na VW, se tornasse o grande nome do momento no rali. Mas estas histórias vão ficar para os dois últimos posts da série Lendas do WRC do FlatOut. Fique ligado!

Matérias relacionadas

Estes são os carros mais antigos fabricados até hoje

Dalmo Hernandes

A história do painel de instrumentos digital

Dalmo Hernandes

Realidade alternativa: as versões de seis cilindros do BMW M3 E30

Leonardo Contesini