FlatOut!
Image default
Car Culture História

Lotus T125 Exos: o quase-F1 para track days que foi um dos maiores fracassos da história

Constantemente somos lembrados de que carros caríssimos, feitos exclusivamente para as pistas que custam uma fortuna, se tornaram muito recorrentes nos catálogos das fabricantes. Nos últimos anos, ultimate track toys como o McLaren Senna, o Lamborghini Veneno, o Pagani Zonda R ou a Ferrari FXX também se tornaram vitrines para tecnologias que, anos depois, aparecem em carros mais mundanos. É um segmento disputadíssimo, onde só têm vez produtos de apelo inquestionável. Geralmente, se dão bem aqueles que já tem uma reputação consolidada – e uma boa infraestrutura para se sustentar.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Assim, parece loucura que o track toy mais absurdo de todos tenha sido criado por uma fabricante cheia de tradição, mas que, também tradicionalmente, sofria constantes ameaças de fechamento. Mas foi exatamente isto o que aconteceu há dez anos, quando a Lotus apresentou o T125 Exos – que provavelmente era o mais perto de um carro de Fórmula 1 de verdade que um entusiasta poderia querer. E que foi um belíssimo fracasso.

Vamos voltar a 2009. Dez anos atrás, a Lotus encontrava-se em uma situação delicada financeiramente. Era uma situação recorrente desde a década de 1980, quando a companhia quase pediu falência e foi salva ao ser comprada pela General Motors em 1986 – tornando-se, também, meio que uma divisão esportiva da GM. Lembra do Lotus Omega?

Depois, porém, a Lotus foi vendida pela GM a Romano Artioli – empresário italiano que havia acabado de comprar a Bugatti e colocar no mercado o absurdo EB110. Ele não deu conta de cuidar das duas companhias e vendeu a Lotus, falida, para a Proton. Não fosse pelo bem sucedido Elise, que já estava pronto para ser lançado em 1996, a Lotus poderia não ter sobrevivido à virada dos anos 2000.

A situação melhorou com o sucesso do Lotus Elise, mas a situação da companhia estava longe de ser a ideal – não havia lucro e, consequentemente, também não havia meios de lançar novos modelos. Foi por isto que, em outubro de 2009, a Lotus convocou Dany Bahar para assumir o comando e transformar a fabricante em um negócio lucrativo.

Bahar tinha credenciais: seu currículo demonstrava que ele, como Rei Midas, tinha a capacidade de transformar tudo o que tocava em ouro. Ou melhor, em dinheiro. Antes de assumir a Lotus, ele havia sido o diretor comercial da Ferrari. Foi ele quem teve a iniciativa de transformar a Ferrari em uma marca de lifestyle, com produtos licenciados e parques temáticos – e fez a fabricante lucrar mais com outros produtos do que com os próprios carros. Se a Ferrari hoje está em uma posição extremamente confortável, isto se deve a Dany Bahar.

O plano era que Dany Bahar fizesse o mesmo pela Lotus. Por isso, ele teve carta branca para colocar em prática qualquer plano que imaginasse. E seu plano incluía transformar a Lotus em outro tipo de companhia.

Lembro bem desta época porque foi em 2010 que comecei a trabalhar como jornalista automotivo. Na época, causaram comoção os anúncios feitos pela Lotus sob o comando de Dany Bahar. A fabricante lançaria novos modelos de superesportivos feitos para encarar os medalhões da indústria. Como um novo Lotus Esprit, movido por um V8 inédito e todo desenvolvido in house, capaz de entregar 570 cv – sob medida para encarar a Ferrari 458 Italia e o Lamborghini Gallardo.

O novo Lotus Esprit foi prometido para o primeiro semestre de 2013 – mas hoje, seis anos depois, sabemos que ele jamais virou realidade. A Lotus seguiu apostando alto no Elise e no Exige e eventualmente conseguiu se recuperar nas mãos da Proton, que é uma das maiores fabricantes de automóveis do sul da Ásia. Já a Proton (ou melhor, 49,9% da companhia) pertence à chinesa Geely – que também é dona da Volvo e de outras companhias menores, especializadas em carros elétricos. Ou seja, tecnicamente a Lotus possui um respaldo muito maior hoje em dia do que há dez anos.

Outra parte do plano de Dany Bahar era o Lotus T125, codinome Project Exos. Pouco se sabe até hoje sobre as minúcias técnicas do carro, mas na prática ele era uma versão ligeiramente menor e um pouco mais mansa do Lotus T127, o carro que disputou a temporada de 2010 da Fórmula 1 com Jarno Trulli e Heikki Kovalainen.

Assim como o T127, o Lotus T125 tinha monocoque de fibra de carbono, freios de carbono-cerâmica e suspensão com amortecedores inboard. E o motor também era um Cosworth – exceto que, em vez de um V8 de 2,4 litros e 750 cv igual ao do carro de F1, ele foi equipado com um V8 de 3,5 litros feito com base em um projeto da Cosworth para a Fórmula Indy. Ainda assim, eram 650 cv a 11.000 rpm em um carro de 560 kg – parcos 0,86 kg/cv.

Ou seja, não é preciso pensar muito para entender que o Lotus T125 era serious business, do ponto de vista técnico. E este foi um dos fatores que o tornaram um completo fiasco.

O Lotus T125 foi revelado a um grupo seleto de 12 potenciais clientes em meados de 2010, em um evento duplo. Primeiro, na fábrica da Lotus, em Hethel, para conhecer os bastidores da companhia e visitar os galpões onde ficavam guardados os carros de corrida e esportivos clássicos. Depois, no Museu do Louvre, em Paris, onde o quase-F1 estava exposto ao lado de outros conceitos da Lotus. Para explicar aos presentes os detalhes do carro, a Lotus chamou o lendário Sir Stirling Moss e de Takuma Sato, que já havia passado pela Jordan e pela BAR e, na época, havia acabado de estrear na Indy.

Foi um evento absurdamente exclusivo e proibitivamente caro, mas Dany Bahar tinha a certeza de que estava no caminho certo – e provavelmente acreditava que havia conquistado ao menos parte dos convidados.

O carro foi mostrado ao público em janeiro de 2011, em um evento no circuito de Birmingham, no Reino Unido, com uma demonstração por parte de Jean Alesi. Para ajudar no buzz, o T125 também apareceu em um episódio de Top Gear, com impressões de Jeremy Clarkson e uma volta rápida do Stig na antiga pista de testes.

O T125 foi muito bem nas mãos do Stig, virando 1min03s8 – apenas quatro segundos mais lento que o carro de Fórmula 1 usado pela Renault em 2005. Clarkson, porém, descreveu a experiência de acelerar uma máquina feita para gerar quantidades absurdas de downforce como “agonizante”. Sem dúvida o carro era rápido, mas não era uma máquina divertida de dirigir, como, digamos, um Caterham Seven. Não havia prazer ao volante; era mais um lance profissional.

O plano era fabricar 25 unidades do Lotus T125, e vender cada uma delas a pelo menos £ 650.000 – cinco vezes o que custava um McLaren MP4-12C na época. Na nossa moeda, era o equivalente a quase R$ 2,7 milhões.

Mas ninguém comprou o carro. Nin-guém. A Lotus só construiu dois exemplares, um carro com pintura azul, usado na apresentação no Louvre, e outro com a pintura preto-e-dourado da John Player Special, usado para divulgação e aparições na TV, como no Top Gear. Além do fato de ser considerado técnico demais, o Lotus T125 também era uma extravagância muito grande para uma companhia que queria, antes de tudo, deixar o prejuízo para trás. E ainda devemos lembrar que no começo da década, a economia mundial ainda sofria os efeitos da crise de 2009. Então, depois de criar o carro errado no momento errado, Dany Bahar acabou demitido da Lotus em junho de 2012, acusado de desviar fundos da empresa.

Bahar, no fim, revelou-se um Midas ao contrário. E a companhia acabou se saindo bem sem ele – e hoje, com a rede de segurança chinesa, começa a colocar em prática o plano de expandir sua atuação e entrar no segmento dos super SUVs de luxo, além de planejar um hipercarro para os próximos anos.

Não surpreende, portanto,  que a Lotus prefira fingir que o T125 não existiu. Mas agora, o carro preto e dourado será leiloado pela RM Sotheby’s no próximo mês de março, durante o Concours d’Elegance Amelia Island, na Flórida. O carro acompanha componentes aerodinâmicos de fibra de carbono sobressalentes, além de alguns jogos de rodas e pneus e ferramental completo.

Embora tenha uma história conturbada, quase vergonhosa, o Lotus T125 não deixa de ser um dos mais absurdos track toys já feitos. A RM Sotheby’s espera vendê-lo por algo entre US$ 400.000 e US$ 600.000 – entre R$ 1.485.000 e R$ 2.227.000 em conversão direta. Se considerarmos o preço original e a inflação, é quase uma pechincha.

Sugestão de Victor Parreiral Xavier

Matérias relacionadas

Um Chevette com motor V8 427 é o sleeper mais incrível do mundo (nesta semana)

Dalmo Hernandes

Este é o tributo mais incrível já feito a Ayrton Senna e ao Honda NSX

Dalmo Hernandes

Evo X: o Lancer Evolution chega ao seu auge

Leonardo Contesini