A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #54

Mais potência, mais torque: os detalhes do Jeep Grand Cherokee Stroker, o Project Cars #54

Bem, pessoal, aqui estou de volta com a segunda parte do meu Project Cars. Desta vez vou um pouco mais a fundo no projeto, e explicarei meu objetivo e contarei um pouco do que já foi feito e também dos “tropeços” pelo caminho.

Primeiro, o que pretendo conseguir: mais torque, mais brutalidade, mais potência. Quero mais do que os 49 mkgf originais. Por que? É bom demais grudar no banco. E vou fazer isso ao estilo americano: mais deslocamento (um kit stroker) e, quem sabe, um supercharger mais adiante.

cofre motor (1)

Para começar estou na dúvida entre os kits stroker forjados da “Hughes Engines” de 408 pol³ (6,7 l) ou os “hemi-size” de 426 pol³ (7 l). Por que essa dúvida? Pois o stroker 408 é mais fácil de ser instalado, e o 426 necessita de um retrabalho de bloco; tenho medo de fragilizá-lo (mas é um 426, poxa! Um 426!). Estou pesquisando isso para não fazer besteira. De resto, ele ganhou um CAI (coletor de ar frio) priorizando o fluxo e temperatura de ar, uma TBI maior (maior até que as borboletas de 52 mm usadas em preparações), cabeçotes, comando, coletores e escapes dimensionados entre outras coisas. Já o supercharger, esse é um item que só vou saber se entra no projeto lá pra frente, apesar de ser um fã incondicional da junção V8+supercharger.

empoeirado na oficina

O projeto não envolve somente ganho de torque, potencia e cilindrada, não! Ele também terá trabalho de suspensão e freios, assim como reforço no sistema de transmissão todinho (e sim, vou manter o 4×4) e um cuidado na parte estética do carro (inclusive os emblemas “Grand Cherokee” laterais vindo da versão Black Gloss SRT8 2014). A suspensão vai ser trabalhada de forma que acompanhe o ganho de performance e melhore a capacidade de fazer curvas. Os freios serão trocados e, particularmente, foi uma das primeiras coisas que pensei quando comprei o carro. Logo de cara troquei por discos de performance e pastilhas de cerâmica nas quatro rodas. O freio original da Grand Cherokee é relativamente fraco, por isso o conjunto será substituido por um maior e mais robusto.

de volta as originais

As rodas pretas TSW Nurburgring do primeiro post estão fora do projeto – já coloquei as originais de 16 polegadas de volta, agora repintadas de grafite metálico. Por quê? Explico-lhes: mandei refazer a furação no padrão da Grand Cherokee, e para usá-las era necessário espaçadores. Nesse tempo três parafusos prisioneiros do espaçador já quebraram ao meio, e como eu já não gostava da ideia de usar espaçadores, decidi me desfazer delas e colocar outras com offset mais próximo do centro. Enquanto isso voltei a usar as originais e acabei com a necessidade do espaçador. A escolha das rodas está dificil, pois não quero fugir muito do visual “caveirão”, ou seja, rodas cromadas ou chamativas estão fora de cogitação. Confesso que sou apaixonado pelas Binno de Stock Car.

espaçador quebrado

Voltando ao torque, não gosto de citar números pois nem sempre condizem com o resultado, mas pretendo chegar próximo dos 95 mkgf, pelo menos. Como sou apaixonado por arrancadas, a prioridade é baixar o tempo de aceleração, por isso ela continuará com o sistema de tração integral. O carro original vai de zero a 100 km/h em aproximadamente sete segundos e eu ainda acho isso alto para um V8 com tração integral. Já encontrei em fóruns gringos esse modelo ZJ LX preparado fazendo 150 km/h em sete segundos e isso me animou bastante, pois sei que é possível melhorar isso. E claro, pretendo fazer tudo legalizado.

Muitas das peças que serão utilizadas nesse projeto ainda serão escolhidas entre as tantas opções que os gringos têm. Outras já estão a caminho e, pelas experiências que já passei sei que até chegar em casa vão demorar um pouquinho, mas isso faz parte do processo todo, não? Sempre ouvi que em um bom projeto não se pode ter pressa. Cuidado nos detalhes e carinho são o que fazem toda a diferença.

traseira

Bom meus caros, por enquanto é isso. Na próxima postagem conto mais novidades. Abraços!

Por Colbert Bramont Loureiro, Project Cars #54

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #129: conheça a história do Mustang Interceptor de Leonardo Rocha

Leonardo Contesini

Project Cars #124: depois da montagem do motor, meu Santa Matilde 1978 finalmente desperta o 4.8

Leonardo Contesini

Project Cars #400: finalizando o Fiat Bravo e começando o Alfa Romeo 155 Elegance

Leonardo Contesini