FlatOut!
Image default
Zero a 300

McLaren 600LT é apresentado no Brasil, Nissan confirma X-Trail como resposta ao Compass, o novo seis-em-linha da Land Rover e mais!

Este é o Zero a 300, nossa rica mistura das principais notícias automotivas (ou não) do Brasil e de todo o mundo, caro car lover. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere com a gente!

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

McLaren 600LT chega ao Brasil

Depois de apenas sete meses desde seu lançamento, o McLaren 600LT está sendo lançado no Brasil nesta quinta-feira (14) em um evento na concessionária da marca em São Paulo. O supercarro chegou ao Brasil na semana passada (foto abaixo) e já pode ser encomendado por cerca de R$ 2,7 milhões.

O McLaren 600LT é uma versão limitada do 570S, com peso reduzido, mais potência e carroceria 74 mm mais longa — que explica o “LT” em seu nome: vem de Long Tail. O motor é o mesmo V8 biturbo de 3,8 litros,  que foi recalibrado para produzir 30 cv a mais e chegou aos 600 cv. O torque aumentou de 61,2 kgfm para 63,2 kgfm.

Segundo a McLaren, 23% dos componentes do 600LT são diferentes em relação ao 570S. Isto inclui um novo spliter frontal, novas saias laterais e um novo difusor traseiro, além de uma nova asa traseira fixa. Os faróis também são diferentes, dispensando as lentes externas e ficando um pouco mais parecidos com as peças do McLaren 620S. De acordo com a fabricante, além de melhorar a aerodinâmica do carro, os novos componentes ajudaram na redução de peso: o 600LT tem até 96 kg a menos que o 570S, chegando aos 1.247 kg – uma relação peso/potência de 2,07 kg/cv.

Até mesmo o sistema de escape contribuiu para a redução de peso: com as saídas posicionadas próximas ao motor, e não no para-choque traseiro, foi preciso usar menos tubulação. O que, nas palavras dos britânicos, também melhorou consideravelmente a experiência sonora da coisa.

Por dentro, além dos bancos de fibra de carbono vistos pela primeira vez no McLaren P1, o habitáculo passou a ser revestido com “Alcantara leve”. Comparado ao lado de dentro do 570S, o 600LT aposta no minimalismo. Para chegar à redução de 96 kg, porém, é preciso encomendar o carro com alguns opcionais: os bancos especiais Super Lightweight do McLaren Senna, que pesam apenas 3,35 kg cada e os para-lamas dianteiros vazados.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Juliano Barata (@flatout_brasil_oficial) em

O modelo já teve um exemplar vendido no Brasil e outros três encomendados. O preço de R$ 2,7 milhões, contudo, pode variar de acordo com os opcionais escolhidos pelo cliente. (LC)

 

 

Chery lança Tiggo 7 com motor turbo por R$ 107.000

O time dos carros chineses fabricados no Brasil acaba de ganhar mais um membro: o Chery Tiggo 7, que chega às lojas três meses depois de ser apresentado no Salão do Automóvel de São Paulo em novembro último.

Fabricado em Anápolis/GO, o SUV tem duas versões: T, de R$ 106.990; e TXS, de R$ 116.990. Ambas possuem exatamente o mesmo conjunto mecânico – que é idêntico ao do irmão menor, o Chery Tiggo 5x: um quatro-cilindros de 1,5 litro com turbo, 150 cv (com etanol; a potência com gasolina é de 147 cv) e 21,4 mkgf de torque, acoplado a uma caixa de dupla embreagem e seis marchas que leva a força para as rodas dianteiras.

O Tiggo 7, apesar do que o nome sugere, tem cinco lugares. Ele mede 4.505 mm de comprimento, 1.837 mm de largura, 1.670 mm de altura e 2.670 mm de entre-eixos. A capacidade do porta-malas é de 414 litros – com o banco traseiro rebatido, chega 1.100 litros.

As diferenças entre as duas versões estão nos equipamentos: o Tiggo 7 T é equipado com rodas de 17 polegadas, controle eletrônico de estabilidade, ar-condicionado digital de duas zonas, central multimídia com tela de 9 polegadas e conexão com Apple CarPlay, chave presencial e luzes diurnas de LED. Já o TXS vem com rodas de 18 polegadas, teto solar panorâmico, bancos dianteiros com aquecedor (e ajustes elétricos para o motorista) e seis airbags. (DH)

 

Nissan confirma rival para o Jeep Compass no Brasil

Apresentado no Brasil em novembro passado durante o Salão do Automóvel, o Nissan X-Trail foi confirmado  para o mercado brasileiro nesta última quarta-feira (13), em um evento realizado pela fabricante em Interlagos.

A Nissan não divulgou muitos detalhes sobre o modelo, mas sabe-se que ele será posicionado acima do Kicks e irá competir com o Jeep Compass, o Hyundai Tucson e o Volkswagen Tiguan 1.4 TSI na faixa dos R$130.000 a R$ 150.000. Apesar de ser exposto no Brasil na versão híbrida, o modelo terá apenas motores a combustão convencionais no Brasil porque, de acordo com a marca, o preço do híbrido seria pouco competitivo no Brasil.

No evento a Nissan também apresentou o Nissan Note e-Power, cuja tecnologia híbrida (que usa um motor a combustão para alimentar as baterias e motores elétricos) já foi confirmada para o Kicks e deverá ser oferecida também no próprio Note no Brasil. Os lançamentos devem acontecer entre 2020 e 2022. (LC)

 

Range Rover Sport estreia novo 6 cilindros em linha

A Land Rover anunciou nesta última quarta-feira (14) a edição especial HST do Range Rover Sport, cuja maior novidade é o novo motor seis-em–linha 3.0 da família Ingenium, que vem para substituir o antigo V6 da família AJ. O motor AJ foi lançado em 1996 nos Jaguar XJ e XK como um V8 de 4 litros, hoje ele engloba o V6 de 3 litros e o V8 de 5 litros famosos pelo ronco, mas não pela eficiência. Esses motores usam supercharger e estão ficando defasados nessa era de motores turbo e eletrificação.

O motor Ingenium foi apresentado como um quatro-cilindros em 2015 e tem arquitetura modular, com cilindros de 500 cm³ e turbo twin-scroll. O novo motor é o primeiro seis-cilindros da família e traz algumas novidades como o supercharger elétrico, que atinge 120.000 rpm em 0,5 segundo e fornece torque em baixas rotações, deixando o turbo para altas rotações. O motor também conta com um sistema continuamente variável de levante das válvulas para controlar o fluxo de ar nas câmaras de combustão, similar ao MultiAir da Fiat. Para ajudar no consumo e nas emissões ele conta com um sistema híbrido leve de 48 volts e frenagem regenerativa. Além da modularidade, o fato do motor ser um seis-em linha ajuda no packaging dentro do cofre e tem funcionamento naturalmente mais suave que um V6.

A potência total do novo 3.0 é 400 cv e o torque é 56 kgfm, contra 340 cv e 46 kgfm do antigo V6 3.0. Com o novo motor o Range Rover Sport HST faz de 0 a 100 km/h em 6,2 segundos, contra 7,1 do motor antigo. O Ingenium de 6 cilindros emite 12% menos CO2 e 75% menos particulados que o V6 AJ, enquanto o consumo baixou 11,8%.

A edição HST traz aparência esportiva, com rodas pretas, acabamento em fibra de carbono na grade, capô, saídas de ventilação e tampa do porta-malas, pinças de freio vermelhas, e acabamento em suede nos bancos, volante e alavanca de cambio. Por enquanto o motor 3.0 Ingenium está disponível apenas nessa edição do Range Rover Sport, mas será gradualmente estendido para o resto da linha do grupo britânico. (ER)

 

Freios automáticos de emergência serão obrigatórios em 40 países

A Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou na terça-feira (12) que 40 países — incluindo os membros da União Europeia e o Japão — fizeram um acordo para instituir a obrigatoriedade dos sistemas de frenagem automática de emergência nos carros novos.

Com a aprovação da ONU o projeto será apresentado no Fórum Mundial em junho e a exigência deverá ser adotada nos países membros do acordo a partir de 2020, embora a adoção efetiva deva acontecer a partir de 2025, uma vez que esse tipo de obrigatoriedade precisa de um prazo para implementação pelas fabricantes.

Segundo a ONU, a adoção do sistema “irá melhorar significativamente a segurança nas vias, especialmente nas cidades” onde 9.500 fatalidades foram registradas em 2016 na União Europeia. O número corresponde a 38% das mortes no trânsito europeu.

Como o Brasil não é membro do fórum de regulamentação para veículos, nossos carros ficaram fora do acordo, embora tal sistema pudesse contribuir significativamente para a redução das mortes em vias urbanas, onde os atropelamentos são a maioria das fatalidades. (LC)

 

Michelin e Maxion apresentam roda flexível que não quebra em impactos com buracos

Rodas de liga leve são bonitas, mas também são relativamente frágeis – o que é um grande problema no Brasil, onde a maioria das estradas está bem longe das condições ideais (leia-se: cheias de buracos). Mesmo que se tome extremo cuidado, danos como riscos, arranhados e lascas quase inevitáveis. Especialmente nos carros mais novos, com rodas maiores e pneus de perfil mais baixo.

Para testar uma solução alternativa para este problema, a Michelin e a Maxion se juntaram para desenvolver uma roda inquebrável, feita de borracha, que se deforma junto com o pneu.

A roda é construída usando aquilo que a Michelin chama de “tecnologia Acorus”. A inspiração vem do Acorus calamus, uma espécie de junco que é um dos personagens da fábula “O Carvalho e o Junco”, de Esopo. Em uma tempestade violenta, o tronco do carvalho se quebra, mas o junco, com seu caule flexível que enverga com o vento, sobrevive.

A demonstração no vídeo foi realizada com uma roda de 21 polegadas calçada com um pneu 285/30, passando sobre um buraco a 28 km/h. Note que, após se deformar consideravelmente, a roda retorna rapidamente a seu formato original, sem danos aparentes.

A roda possui um aro de liga leve, feito pela Maxion, que é mais fino que o normal. Contudo, as bordas do aro e os raios, fabricados pela Michelin, são feitos de borracha – e é isto que torna a roda flexível, porém rígida o bastante para ser utilizada normalmente. Segundo as companhais, a roda ainda é um protótipo, mas já é compatível com qualquer pneu comum. (DH)

 

Red Bull, Mercedes e ex-Force India revelam seus carros de 2019

Mais equipes de Fórmula 1 revelaram seus carros para a temporada de 2019: Mercedes-Benz, Force India (que não se chama mais Force India) e Red Bull Racing – a RBR.

A Mercedes-Benz apresentou o W10, carro com o qual pretende conquistar seu sexto título consecutivo – tanto entre os construtores quanto entre os pilotos. A pintura do carro muda apenas em detalhes em relação ao W09, o carro utilizado pela Mercedes no ano passado. A Mercedes segue com a dupla Valtteri Bottas e Lewis Hamilton.

Já a Force India mudou de nome, e agora se chama SportPesa Racing Point F1 Team. Isto se deve à nova patrocinadora titular da equipe, a SportPesa, uma empresa do ramo de apostas esportivas. A pintura do novo carro, o RP19, continua sendo predominantemente cor-de-rosa, que é a cor oficial de sua outra patrocinadora, a BWT, companhia austríaca do setor de saneamento.

Sergio Perez continuará na equipe, mas Esteban Ocon será substituído por Lance Stroll. sendo Sergio Perez e Esteban Ocon. Vale lembrar que a SportPesa utiliza motores Mercedes-AMG.

Por fim, a Red Bull Racing apresentou o RB15, seu carro para 2019, em uma sessão de testes no circuito britânico de Silverstone com Max Verstappen ao volante. Verstappen terá como colega o francês Pierre Gasly, de 21 anos.

O RBR R15, porém, não teve sua pintura definitiva revelada. Nas imagens publicadas pela Red Bull, o carro aparece com um esquema de cores provisório, com fundo cinza escuro metálico e detalhes em vermelho. As cores definitivas não deverão fugir muito do tema azul-escuro com detalhes em amarelo e vermelho visto nas últimas temporadas. (DH)

 

Nova Mercedes-Benz Classe S tem interior flagrado – com um tablet enorme no painel

Se você é dos que lamentam o desaparecimento dos comandos físicos nos painéis dos carros, prepare-se para mais um golpe: foi flagrado o  interior da próxima geração do Mercedes-Benz Classe S, prevista para 2021 como modelo 2021. Não prece, mas o Classe S que temos hoje, código W222, completa cinco anos em 2019. Cada geração costuma durar sete anos.

A geração atual, na época de seu lançamento em 2014, já causou uma sensação ao ter duas enormes telas no painel – idênticas, uma ao lado da outra, uma para o cluster de instrumentos e outra para a central multimídia. Mas hoje até mesmo o Classe A traz esta configuração, e por isso o novo Classe S trará a tela no console central. Ou, melhor colocando, ela será o console central.

A imagem, flagrada pelo especialista em flagras KGP Photography, mostra o interior do carro quase todo coberto por uma capa preta, mas é possível ver boa parte da tela, que é vertical e possui uma fileira de botões na base. O topo da tela está sob a capa, o que pode significar que há outra fileira de botões ali. Fora isto, não dá para ver muito mais – a Mercedes realmente quer manter o restante do interior em segredo, ao menos por enquanto. Existe a possibilidade de o carro ser apresentado ainda no fim de 2019, mas por enquanto nada foi dito de forma oficial.

Vale lembrar que o próximo Classe S já foi flagrado em testes no fim de dezembro passado. Embora ainda esteja bastante camuflado, o protótipo revela que a carroceria ficou mais lisa e limpa, perdendo os vincos marcados característicos da geração anterior. Além disso, as lanternas traseiras agora são largas e horizontais – o modelo atual tem lanternas menores e verticais. (DH)

Matérias relacionadas

Gear Knobs pode ser o nome do novo programa de Clarkson, Hammond e May, Honda NSX e novo Camaro ZL1 em Nürburgring, um supercarro V12 da Mercedes-AMG e mais!

Leonardo Contesini

Amarok V6 chega por R$ 185.000, Ford já tem um novo Mustang Bullitt, Jenson Button na Super GT japonesa e mais!

Leonardo Contesini

Sprint Zagato: a história do último Alfa Romeo à moda antiga

Dalmo Hernandes