A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Top

As melhores músicas para acelerar — Parte 1: ROCK

Foram 632 comentários no post de ontem, no qual perguntamos qual é a música que te deixa com mais vontade de pisar fundo. Não foi fácil, mas aí está: a primeira parte da lista com as melhores músicas para acelerar, escolhidas por vocês.

Nesta primeira parte, separamos as melhores músicas de bandas de rock — que corresponderam à maioria das sugestões, mas a(s) próxima(s) parte(s) com certeza trarão outros estilos. Até lá, aumente o som e curta com a gente!

“Show Me How to Live” — Audioslave

O Audioslave foi um supergrupo formado em 2001 por membros do Soundgarden e do Rage Against The Machine, com Chris Cornell nos vocais, o mago Tom Morello na guitarra, Tim Commerford no baixo e Brad Wilk na bateria (este último foi o cara que tocou no último álbum do Black Sabbath, 13). Seus três álbuns de estúdio estão cheios de sons legais para ouvir dirigindo, como “Gasoline”, “I Am the Highway” e “Be Yourself”, mas o destaque aqui vai para “Show Me How to Live”, do autointitulado début, que fala sobre um robô que ganha vida mas não sabe direito o que fazer com ela. Bem que poderia ser sobre um carro que pede para ser acelerado.

“Thunderstruck” — AC/DC

O senso comum pede que, quando se cita AC/DC em uma lista como essa, a música escolhida seja “Highway to Hell”, o clássico do álbum de mesmo nome com Bon Scott nos vocais, mas Thunderstuck foge do clichê e ainda remete a um carro sendo ligado, as rotações subindo, até chegar na estrada e acelerar com gosto rumo a uma aventura inesquecível.

“Paranoid” — Black Sabbath

“Paranoid” foi o segundo álbum do Black Sabbath, lançado em 1970. O álbum foi gravado em dois ou três dias, mas era preciso uma música curta e rápida para fechar a tracklist. A música, escrita às pressas e gravada com Ozzy Osbourne lendo as letras enquanto cantava, tornou-se a faixa-título e o maior hit do álbum. Com menos de três minutos de duração, ela estimula o pé direito como poucas.

“Sabotage” — Beastie Boys

Os Beastie Boys começaram em 1981 como uma banda punk, mas seu primeiro álbum, lançado em 1986, foi um dos responsáveis por criar e popularizar a improvável mistura de rock e rap. Aquele que talvez seja o maior sucesso do grupo, porém, só veio em 1994 — o single “Sabotage”, do álbum Ill Communication. O clipe, inspirado nos filmes policiais da década de 70, traz muita ação, humor e banheiras americanas. Junte tudo à batida empolgada e as frases gritadas e você tem uma bela receita para acelerar.

“Kickstart My Heart” — Mötley Crüe

O Mötley é uma das maiores bandas de hard rock/glam metal da história, e os visual dos caras no auge da carreira era a representação mais perfeita do estilo, com androginia, glamour e exagero. Goste ou não disso, é impossível negar que o som dos caras empolga — especialmente Kickstart My Heart, do álbum Dr. Feelgood, de 1989. Com sua letra e clipe que falam sobre corridas de arrancada e seu riff inicial que imita o ronco de um motor, não é à toa que a música foi incluída na trilha sonora de Gran Turismo 3. 

“My Favourite Game” — The Cardigans

Falando em Gran Turismo, este som do The Cardigans foi o tema de abertura do segundo game da série — do qual já falamos muito no FlatOut —, mas apenas na versão americana, em que substituiu a clássica “Moon Over the Castle” (e desagradou a alguns fãs). Fora a associação natural ao game de corridas, a voz doce da vocalista loirinha  Nina Persson embala uma batida empolgante, e é ilustrada por um clipe bem gearhead e o álbum de que ela faz parte se chama Gran Turismo. Não preciso dizer muito mais, preciso?

“Highway Star” — Deep Purple

“Minha garota é a mais gostosa e o meu carro é o mais rápido, e os dois me fazem acelerar” é a mensagem básica do clássico do Deep Purple, presente no álbum Machine Head, de 1972. Além disso, a própria música traz uma cadência que lembra a de um motor em funcionamento. É praticamente impossível controlar o impulso de pisar fundo quando “Highway Star” sai pelos alto-falantes.

“Painkiller” — Judas Priest

Ao lado de”British Steel”, de 1980, Painkiller é o maior clássico do Judas Priest. Foi lançado 10 anos depois e mostrava que a banda — em especial o vocalista Rob Halford — ainda estava em plena forma. A faixa título fala sobre uma criatura de metal, mais rápida do que uma bala e mais barulhenta que uma bomba atômica, uma descrição que também combinaria perfeitamente com um muscle car preparado.

“Go With the Flow” — Queens Of The Stone Age

Músicas têm significados diferentes para todo mundo, e a mensagem que uma música passa para você pode não ser a mesma que o compositor imaginou. “Go With the Flow”, do Queens of the Stone Age, nos soa como uma ode à brevidade da vida. Tudo é passageiro, tudo muda, e de uma hora para a outra tudo que significava o mundo para você pode perder todo o valor. Por isso, pegue seu carro e acelere — e deixe que ele te leve para onde você quiser ir, mesmo que o destino seja lugar nenhum.

“Eu Quero Ver o Oco” — Raimundos

O Raimundos é uma das maiores bandas do Brasil, e uma das únicas bandas de rock pesado a atingir o mainstream. Por isso, nada mais justo do que escolhê-los como a banda nacional desta lista. “Eu Quero Ver o Oco” faz parte do segundo álbum dos caras, Lavô Tá Novo, de 1995, e diz a lenda que sua letra foi inspirada em um acidente com o Fusca do baixista Canisso, que tentava ensinar Rodolfo, o ex-vocalista, a dirigir. Apesar da história e da letra falar mais de ódio do que de amor aos carros, é impossível ouvir o riff e não sentir uma coceira no pé direito.

Matérias relacionadas

As peruas mais legais que você pode comprar por até R$ 25 mil

Dalmo Hernandes

Os truques e “trapaças” mais engenhosos do automobilismo

Dalmo Hernandes

As rodas aftermarket favoritas dos leitores do FlatOut – parte 1

Dalmo Hernandes
error: Direitos autorais reservados