A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Vídeos Zero a 300

Mergulhe neste onboard com um Supra Mk4 de 700 cv virando 7:18 em Nürburgring

O poder que Nürburgring Nordschleife exerce sobre os entusiastas é tão grande que há quem dedique sua vida a conhecer cada milímetro do traçado de 20 km e todas as suas 73 curvas – o que também é um sinal do quão complexo e difícil é o Inferno Verde. É claro que, para tal, é recomendável morar na Alemanha ou ao menos na Europa, onde se pode atravessar três ou quatro países em uma viagem de seis horas tranquilamente. Mas o caso é que hoje vamos falar de um cara que ficou tão obcecado por melhorar seu seu desempenho em Nürburgring com seu Toyota Supra que transformou o hobby em um meio de vida.

Quem acompanha fóruns internacionais há tempos talvez conheça este carro: o Bignum Supra, exemplar fabricado em 1993 que há mais de dez anos bate cartão em Nürburgring com o britânico Simon Hart ao volante. O veterano project car já apareceu em dezenas de vídeos onboard na última década, sempre baixando cada vez mais seu tempo Bridge-to-Gantry (que elimina cerca de 1,6 km do traçado cheio devido ao controle de acesso dos turistas e, por isso, é a mais usada como referência). Olha só: pouco mais de quatro anos atrás, em maio de 2014, o Bignum Supra – então com 600 cv – virou 8:06.

Agora, com 100 cv a mais à disposição do pé direito e quatro anos de experiência a mais no currículo, Simon Hart virou impressionantes 7:18. O onboard foi publicado há cerca de duas semanas no YouTube, e é uma das voltas mais intensas que já vimos no Nördschleife, com pilotagem absurdamente precisa para um piloto não-profissional – especialmente se tratando de um Touristenfahrten, com outros carros na pista –,  um belo ronco de 2JZ e a válvula blowoff chiando o tempo todo. É este o vídeo que viemos mostrar – o outro logo acima foi só um aperitivo.

O tempo de 7:18 é mais rápido que a Ferrari 488 GTB que em 2017 virou 7:21. É o mesmo tempo do atual Porsche 911 GT3 (não-RS). São apenas 8 segundos a mais que o s 7:10 do Mercedes-AMG GT R. O que nos leva a questionar: qual é a receita deste carro em especial?

Como já dissemos, este é um projeto bem antigo que está em evolução constante para melhorar seu desempenho não exclusivamente, mas principalmente em Nürburgring. Há seis ou sete anos o carro era assim:

supra (3)

Hoje ele está assim:

supra (5)

De cara notam-se os novos elementos aerodinâmicos na dianteira, a asa traseira bem mais generosa e as peças de fibra de carbono na carroceria. Como estamos falando de um projeto que já teve diversas configurações diferentes fica inviável analisar todas elas, mas a receita atual já é impressionante o suficiente.

supra (7)

O motor 2JZ-GTE, seis-em-linha de três litros com comando duplo no cabeçote, originalmente era sobrealimentado por dois turbos paralelos e entregava cerca de 320 cv. Atualmente o sistema usa um único turbo Borgwarner S366, que “enche” de forma mais eficiente e, operando a 1,9 bar, ajuda o 2JZ a entregar seus 700 cv, acompanhados de 96 mkgf (!) de torque. O motor também recebeu componentes internos forjados (pistões CP Carrillo e bielas Tomei), cabeçote com retrabalho de fluxo, comandos de válvula de maior graduação, válvulas ARP e coletor de escape HKS, além de válvulas injetoras Precision de 1.000 cc, dois radiadores de óleo e um intercooler encaixado no para-choques dianteiro.

supra (15) supra (11)

A força é moderada por uma caixa manual Getrag V160 de seis marchas, com embreagem Centreforce e diferencial Tomei com autoblocante. Os freios são um jogo de Brembo GT e a suspensão usa amortecedores Nitron ajustáveis com barras estabilizadoras Whiteline na dianteira e na traseira. As rodas BBS LM de 18×9 polegadas na dianteira e 18×10 polegadas geralmente usam pneus street legal, mas para a volta de 7:18 foram calçadas com pneus slick que, de acordo com Simon, são os mesmos usados no Campeonato Britânico de Turismo, o BTCC.

supra (14) supra (18) supra (13)

O interior recebeu bancos Recaro Pole Position com revestimento vermelho e cintos de competição – Schroth para o piloto e Sabelt para o carona. O habitáculo foi aliviado com a remoção da maior parte dos revestimentos e recebeu uma gaiola de proteção parcial. O banco traseiro, naturalmente, foi removido, e foram espalhadas por toda a cabine câmeras para filmar os onboards.

supra (10) supra (17)

E já foram gravados vários, não apenas no ‘Ring.

Como dissemos, Simon Hart fez de seu hobby um ganha-pão. De tanto fuçar em seu Supra, o inglês acabou adquirindo vasto conhecimento a respeito do carro e abriu uma oficina especializada no esportivo da Toyota. Segundo diz no site da [email protected], que toca junto de seu irmão, James Hart, Simon já construiu sete motores de Supra, montou três carros inteiros (incluindo preparação, customização e acerto) e restaurou seu próprio carro, sendo um dos especialistas no esportivo da Toyota mais respeitados do Reino Unido.

Matérias relacionadas

Um Passat Variant com motor turbo de 200 cv, um Land Rover Series 1 todo original, um C36 AMG W202 e mais no GT40

Dalmo Hernandes

Iso Autoveicoli, parte 2: o belíssimo Grifo e a decadência da fabricante italiana

Dalmo Hernandes

Challenger Hellcat agora tem 808 cv, Lamborghini Terzo Millenio está sendo apresentado a clientes como híbrido V12, Mercedes Classe X pode ganhar V8 e mais!

Leonardo Contesini