A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture História

Mitsubishi Chariot GT: a minivan com motor de Lancer Evolution que você não conhecia

Nós, entusiastas, geralmente não passamos muito tempo pensando em minivans – há muitos, muitos outros tipos de carros mais interessantes do que elas, do ponto de vista puramente gearhead. Contudo, para o consumidor médio – nem tanto no Brasil, e mais nos EUA e na Europa, mas isto não anula o ponto –, uma minivan “esportiva” pode ser uma proposta atraente. Um carro que satisfaça as necessidades diárias de uma família, claro, mas que também possa acelerar e fazer curvas razoavelmente bem e, talvez mais importante, pareça esportiva. Esse pessoal esqueceu mesmo que existem peruas…

Enfim: o ponto é que, hoje em dia, existe uma oferta palpável de minivans com motores potentes e visual agressivo.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.


Na Europa, onde as minivans são culturalmente mais populares, há opções curiosas – como o VW Golf SportsVan, que é feito sobre a plataforma MQB e pode ser comprado na versão GT, com rodas de 17 polegadas e motor 1.0 TSI de 115 cv, acoplado a uma caixa manual de seis marchas. Oa VW Touran R-Line, que tem rodas de 18 polegadas, visual decididamente esportivo, e um motor 2.0 TDI com os mesmos 115 cv, mais câmbio de dupla embreagem e sete marchas.

Em outros países ocorre algo semelhante. Talvez você se surpreenda ao saber que a Honda Odyssey norte-americana por exemplo, só é vendida com um motor V6 3.5 de 280 cv e é capaz de ir até os 100 km/h em 6,8 segundos. O modelo japonês não é tão potente, mas também não faz feio – seu motor é o K24, famoso por seu potencial de preparação, calibrado para entregar 177 cv.

Porém, mais surpreendente ainda seja a minivan Nissan Serena – que, acredite se quiser, está disponível no Japão com um pacote Nismo, inspirado pelo Nissan GT-R Nismo. Ou seja, carroceria branca, teto preto, e detalhes em vermelho nos spoilers e saias laterais.

O motor é o mesmo de outras versões, com dois litros e 144 cv, acoplado a um câmbio CVT. Mas a Nissan Serena tem um sistema de escape exclusivo e suspensão com acerto mais firme.

Neste post, porém, viemos falar de uma minivan esportiva mais antiga – e, considerando o contexto, muito mais interessante. Trata-se da Mitsubishi Chariot Resort Runner GT, que foi desenterrada recentemente pelos americanos do site The Drive. Sim, o nome é longo, mas é só um detalhe: o que importa é que ela era uma minivan esportiva de verdade, com toda a mecânica do primeiro Lancer Evolution.

Lançada em 1983 e produzida no Japão até 2003, a Mitsubishi Chariot foi uma minivan comum a maior parte do tempo ao longo de suas três gerações – talvez você até tenha visto algum exemplar rodando no Brasil, onde ela foi vendida como Mitsubishi Space Wagon.

No entanto, nos anos 1990 a indústria automotiva japonesa era conhecida por sua criatividade e ousadia. Mesmo com o fim do “milagre econômico” na virada da década, as fabricantes não tinham medo de investir em versões de nicho, talvez sabendo que jamais teriam a oportunidade de colocar aquelas ideias absurdas em prática outra vez.

Foi na segunda geração da Chariot, em 1995, que a Mit resolveu dar a ela um pouco mais de punch. Eles provavelmente estavam empolgados com o desempenho e a competência do Lancer Evolution, que deu início a uma bela onda de vitórias no Campeonato Mundial de Rali, culminando com o título do finlandês Tommi Mäkinen na temporada de 1996.

Geralmente a Mitsubishi Chariot era equipada com o motor 2.0 4G63 naturalmente aspirado, que já entregava bons 170 cv. A tração era dianteira, e o câmbio podia ser manual de cinco marchas ou automático de quatro marchas. Até aí, tudo normal.

A Mitsubishi Chariot Resort Runner GT, porém, era bem mais radical – na prática,a Mitsubishi simplesmente transferiu o powertrain do Evo para a minivan, incluindo o 2.0 turbo 4G63T, o sistema de tração integral com gerenciamento eletrônico e o diferencial do sedã esportivo.

O motor era menos potente, é verdade – em vez de 270 cv, a Chariot ficava com “apenas” 230 cv; já o torque caía de 31,5 kgfm para 29,5 kgfm. Ainda assim, com câmbio manual de cinco marchas, a “Chariot Evo” ia de zero a 100 km/h em menos de sete segundos. Era bem mais que os 4,8 segundos que o Evo III levava para chegar aos 100 km/h, mas ainda era um tempo excelente para um carro de 1.500 kg que não foi concebido como esportivo.

Ainda mais porque, apesar do powertrain extremamente desejável, a Chariot GT ainda era uma minivan com toda a praticidade de uma minivan, com até sete lugares e um enorme porta-malas (quase 2.000 litros com os bancos traseiros rebatidos).

Os bancos dianteiros eram Recaro, iguais aos do Evo III RS. Por fora, não havia muito para identificar a versão especial além de adesivos nas laterais, uma bolha transparente sobre os ocupantes dianteiros (formando uma espécie de para-brisa panorâmico), e um aplique no para-choque dianteiro que, com uma boa dose de imaginação, remetia à dianteira do Evo.

É possível que você jamais tenha ouvido falar na Mitsubishi Chariot “Evolution” até agora (caso contrário, parabéns), o que só deixa evidente o quanto ela é rara, jamais tendo sido oferecida fora do Japão – e ocasionalmente exportada de forma clandestina para outros países de mão inglesa, onde certamente havia quem tivesse um gosto exótico o bastante para desejá-la. De todo modo, a Mitsubishi não voltou a fazer uma versão esportiva da Chariot.

Coincidentemente (ou nem tanto), a mesma receita foi aplicada pela Subaru, maior rival da Mitsubishi, em outro modelo não-ortodoxo: o crossover Forester, que na verdade é um dos poucos crossovers que apetecem aos entusiastas – uma perua elevada com tração 4×4 e visual robusto.

O Subaru Forester STi foi lançado em 2004 apenas para o mercado japonês, e usava o mesmo motor boxer EJ25 turbo do Subaru WRX STi, com 2,5 litros e 265 cv – e era capaz de ir de zero a 100 km/h na casa dos seis segundos baixos.

 

Matérias relacionadas

A história de Nelson Piquet contada por ele mesmo… em uma escola de Brasília

Leonardo Contesini

Mercedes CLK GTR: o rival que o McLaren F1 (quase) não teve

Leonardo Contesini

Brough Superior SS100: a volta da “Rolls-Royce das motos”

Dalmo Hernandes