A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #351

Mitsubishi Pajero TR4 off-road: a primeira trilha e os primeiros upgrades no Project Cars #351

Bem, amigos. Meu primeiro post sobre a Pajero TR4 foi para situar como eu entrei nesse mundo. Daqui para frente vou começar a falar de trilhas e modificações. Bem, houve esse encontro nacional da página do facebook do Pajero TR4 Brasil em Lavras Novas, distrito de Ouro Preto, seria a minha primeira trilha, nunca tinha feito nada além da estrada de terra que levava até a roça do meu pai. Fui com a cara e a coragem e zero experiência, mas até aí foi tranqüilo, porque tinha muitas outras pessoas sem experiências assim como eu.

O encontro foi top, reuniu 38 Pajero TR4 de diversos anos, e neste encontro eu vi como era divertido o off-road, e que era possível se divertir a 5 km/h. Meu carro passou muito bem pelos obstáculos, e o lift que eu tinha feito ajudou um pouco a superá-los. Conheci pessoas maravilhosas nesse encontro, pessoas que mantenho amizade até hoje. A partir deste momento, tendo contato com essas novas pessoas e principalmente os organizadores; passei a freqüentar mais as trilhas leves, chegando a fazer todo fim de semana uma diferente, às vezes até duas por fim de semana, mas sempre com algum tipo de limitação.

IMG_20141129_062207

O kit básico de lift de 2 polegadas consistia em trocar as molas originais por molas maiores. Existem empresas que produzem tais molas, mas na época eu achava o valor abusivo, então optei pela opção mais em conta, que era usar as molas dianteiras da Ford Courier para colocar na traseira da TR4. Na dianteira seriam calços nos amortecedores para aumentar a altura do carro, novamente não comprei de empresas especializadas, e acabei fazendo o meu, no final o meu custo de produção do lift ficou a metade do valor das empresas especializadas.

IMG_20140720_170959

Nesse momento eu já estava andando com carros mais preparados e pessoas bem mais experientes que eu. Meus companheiros de trilhas eram Troller, Willys, Samurai, Engesa, Defender, entre outros, e ai começou o meu problema, ou digamos assim, a minha felicidade. Em uma trilha noturna e com chuva onde havia duas TR4 contando com a minha, uma Defender e um Engesa, eu vi que meu carro do jeito que estava original, já fazia muita coisa, mas não iria agüentar fazer o que eu já queria fazer, o meu pneu ainda era o original, Pirelli Scorpion, ótimo pneu para o asfalto, mas deixava muito a desejar fora dele, então eu vi que teria que ser a primeira coisa a fazer, mas a grana tava curta, então não daria para fazer de imediato.

IMG_20140816_120438

 

Como comecei a fazer muitas trilhas, claro que inicialmente de nível leve comecei a pegar experiência, ver qual era o limite do meu carro, ver em quais obstáculos ele passava mais fácil e quais eram mais difíceis, e com isso fui aprendendo cada vez mais, e passei a andar com um turma bem experiente que tinham paciência de ensinar e o lema era “ninguém fica pra trás”. Agora conhecendo muito bem as limitações do meu carro, comecei a pesquisar quais peças eu poderia estar comprando para melhorar o desempenho dele no off-road.

IMG_20140906_082820

Nas pesquisas, descobri que a TR4 não possui chassis e sim um “chassi integrado ao monobloco” uma espécie de híbrido entre o chassi tradicional com longarinas e o monobloco. A idéia é preservar a rigidez e o bom comportamento urbano, sem abrir mão da robustez necessária ao fora de estrada. E Desta forma as modificações para ela são mais complexas do que os “jipes” com chassis, mas não é coisa de outro mundo. Algumas pessoas do meio até dizem que ela não é jipe, justamente por isso, mas acabam se surpreendendo com o potencial do carrinho.

IMG_20140927_110436

Com isso em mente e vendo a minha necessidade nas trilhas comecei a fazer meu carrinho de compras. Nesse ponto, a TR4 tirou todo o dinheiro do Tempra V6. A minha lista de compra inicialmente incluía pneus de uso misto, bloqueio traseiro e proteções inferiores, mas era uma grana preta comprar isso tudo, comecei a pesquisar valores e opções de compra, um dos mais caros era o Bloqueio, acabei decidindo que compraria somente ele, porque só ele já f*dia todo o orçamento e a meu ver era uma aquisição hiper interessante e que me possibilitaria passar pelos obstáculos mais facilmente. Comecei a pesquisar as opções de bloqueios para a tr4 e achei duas opções: o bloqueio da ARB, que poderia ser desligado e estava quase R$ 8.000, e o Bloqueio da Kaiser 100%, ou seja, o tempo todo atuando que estava R$ 3.000. Nem precisei pensar muito em qual escolher. Não é a toa que a maioria das Pajero TR4 usam o Kaiser.

kaiser1

Pra minha sorte consegui achar um usado e com três meses de uso, por um valor bem abaixo do novo, com isso tive uma sobra de caixa e comecei a procurar pelos pneus mistos. O mais comum usado no off Road é o BF Goodrich, mas o pneu para a minha roda (aro17’’) era muito caro e bem mais largo que a largura original. Comecei a pesquisar as opções e a mais acertada era comprar um jogo de rodas aro 16’’ e pneus aro 16’’ na medida original da TR4, para a minha surpresa, o conjunto de roda aro 16’’ + os 4 pneus, saia mais barato do que os quatro pneus no aro 17”, novamente não tive que pensar muito, com a diferença, acabei comprando espaçadores de rodas de 32 mm.

IMG_20141205_112741

Com o pneu + rodas e o bloqueio, meu carro iria virar outro, instalei tudo, e no mesmo dia que eu pegue já fui estrear na trilha, era uma trilha noturna. Estava todo feliz, e na subida de uma montanha a homocinética dianteira quebrou, já estava estralando, mas não esperava que fosse quebrar, e o caminho era sem volta, e o carro no 4×2 não conseguiria fazer a trilha, teria que ser puxado o tempo todo, mas, nessa hora que vi que a aquisição do bloqueio e dos pneus foi sensacional, consegui completar a trilha, sem ser puxado por ninguém, forcei mais do que se estivesse usando o 4×4 reduzido, mas não fiz feio com o 4×2. Pronto, já estava feliz e satisfeito com os up-grades, só tinha que arrumar a homocinética; mas a grana tinha ido toda embora, a solução era se afastar durante um tempo das trilhas e ficar andando de 4×2.

Mas como nem tudo é tão simples, a vontade de fazer trilhas era maior, para variar fui fazer trilha de 4×2, cheguei a fazer 2 trilhas, a primeira era bem leve, e a segunda falaram que era leve, mas chegando lá, não era tão leve, ainda mais para quem estava somente de 4×2. Resultado, fiz a trilha e ninguém acreditava que eu estava de 4×2, achavam que era mentira, cheguei a passar mais fácil do que outros carros com 4×4 ligado, graças ao bloqueio claro, teve neguim deitando debaixo do meu carro para conferir se eu não estava mentindo, mas como nem tudo era perfeito, na parte final era uma subida muito íngreme, que no 4×4 reduzida já seria desafiadora, no 4×2 tornou-se um problema, queimei a embreagem toda, e tive que ser puxado pelo guincho, até o mirante que seria feito o churrasco. A fumaça subia e o cheiro então, nem se fala. Agora tinha que trocar embreagem e a homocinética. E agora já tinha em mente outro produto na lista de compra, graças a essa trilha.

Cenas dos próximos capítulos:

IMG_20141218_143222

Por Diógenes Moreira, Project Cars #351

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #376: a despedida de uma Chevrolet Caravan Diplomata 1988

Leonardo Contesini

Project Cars #207 – a história do meu Voyage Sport preparado por conta própria

Leonardo Contesini

Project Cars #270: uma apresentação detalhada do meu Chevrolet Omega CD

Leonardo Contesini