A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Projetos Gringos

Mole Construzione Artigianale 001: e se o Alfa Romeo 4C fosse desse jeito?

O conceito de um esportivo com configuração mecânica, construção e proporções de supercarro, porém com o tamanho e a potência de um hot hatch, sempre me atraiu. Não um carro como o Lotus Elise – que também é fantástico, mas também é um tanto frugal e old school demais para o que estou dizendo. Algo como… o Alfa Romeo 4C.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

É realmente uma pena que o pequeno esportivo que a Alfa lançou em 2015 não tenha feito o sucesso projetado pela fabricante. Ele deveria ter sido o retorno triunfal da Alfa Romeo ao mercado norte-americano, e marcar a volta da empresa aos modelos de tração traseira em grande estilo. Ele acabou fazendo bastante barulho nos primeiros meses, mas acabou não sendo um grande sucesso, mesmo considerando o preço elevado – nos EUA, apenas 238 exemplares foram vendidos em 2018, para se ter ideia, representando uma queda de 42% em relação ao ano anterior. Assim, o cupê foi descontinuado e, por enquanto, toma-se como certo o fim da versão Spider depois de 2020. Muito dificilmente a Alfa Romeo colocará no mercado um sucessor.

Isto não quer dizer, de modo algum, que o Alfa Romeo 4C não seja um carro fantástico, do ponto de vista técnico. O pequeno esportivo de motor central-traseiro usa um monocoque de fibra de carbono com subchassis de alumínio na dianteira e na traseira, além da própria carroceria de fibra de carbono. Com isto, tem um peso seco de apenas 895 kg (ou 1.050 kg na versão norte-americana, que tem proteção extra contra impactos). O motor é um quatro-cilindros de 1,75 litro (exatos 1.742 cm³), turbinado, com 240 cv a 6.000 rpm e 35,7 kgfm de torque, e é moderado por uma caixa de dupla embreagem e seis marchas. O zero a 100 km/h é cumprido em 4,5 segundos, e a velocidade máxima é de 258 km/h – para um supercarro em miniatura, está ótimo.

Enfim, chega de enrolação – o caso é que uma empresa italiana conseguiu algo que parecia improvável: deixar o 4C ainda mais bacana. Uma pena que isto só tenha sido feito no fim da vida do carro.

O nome do projeto é Mole Construzione Artigianale 4C e, como deve ter ficado evidente, trata-se de um 4C construído artesanalmente por uma empresa italiana chamada Mole Automobili. O trabalho foi todo feito em parceria com a Adler Group, que é a empresa terceirzada pela Alfa para a construção do monocoque do 4C.

O trabalho do designer Umberto Palermo consistiu em mais do que uma mera atualização do 4C – ele pode ser encarado como um estudo para uma hipotética nova geração, usando de elementos estéticos comuns a outros modelos lançados pela Alfa Romeo depois do 4C, em especial o sedã Giulia e o SUV Stelvio. Isto fica evidente no desenho dos faróis, pequenos projetores alojados em aberturas de formato inspirado pela face do Giulia; e no cuore sportivo mais avantajado. Repare que, na verdade, a silhueta dos faróis é formada por um elemento vazado, que permite escoamento aerodinâmico, dando apenas a ilusão de uma peça integral.

A lateral também ganhou novas linhas, com vincos mais marcados, e o emblema da Alfa Romeo estilizado no espaço atrás das janelas. Já a traseira foi totalmente reformulada, trocando o tradicional para-brisa por um conjunto de cinco fendas – que dão um ar bem mais conceitual à área. Nas lanternas, foi conferido um tratamento semelhante ao que ocorreu nos faróis, com lentes menores e uma moldura aberta, com um formato semelhante ao usado pela Zagato em seus modelos mais recentes. O aspecto geral é mais imponente e limpo, nesta parte do carro.

Se parece que o carro ficou maior, é mais do que impressão: no total, o Mole Construzione Artigianale 001 é 30 cm mais longo que o 4C original, e 6 cm mais largo.

O interior também foi totalmente reformulado, adquirindo um desenho mais refinado e conceitual, com revestimento em couro bicolor marrom e preto, painel de instrumentos remodelado e saídas de ar reposicionadas. Ao que parece, o interior perdeu o rádio – ou seja, ficou ainda mais minimalista do que antes.

A ideia da Mole Automobiles, a princípio, era vender uma série limitada do Construzione Artigianale 001. Contudo, depois de apresentar o carro em um evento na cidade de Turim, no fim de 2018, e no Salão de Genebra há alguns meses, a empresa decidiu que ele permaneceria um one-off. O carro foi leiloado no final de maio pela RM Sotheby’s em Villa Erba, na Itália, por € 166.750 – o equivalente a pouco mais de R$ 730.000 em conversão direta.

A Alfa não vai dar um sucessor para o 4C – em vez disso, como revelado recentemente, o plano é lançar um supercarro híbrido de mais de 700 cv como sequência do belo (e incompreendido) 8C. Olhando para o Construzione Artigianale 001, porém, é inevitável ficar um pouco triste… só um pouco.

Sugestão do leitor Manoel Cintra

Matérias relacionadas

REC Watches, a empresa que transforma carros clássicos de ferro-velho em relógios de pulso

Dalmo Hernandes

Você encararia um projeto de garagem com este roadster britânico?

Leonardo Contesini

Este Subaru Impreza anfíbio encara qualquer terreno… mesmo quando não há terreno!

Dalmo Hernandes