A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Sessão da manhã

Mopar Rock: um Plymouth Duster Twister ao som de Led Zeppelin

Já que falamos de carros e rock ‘n’ roll em nosso top mais recente, que tal começar o dia misturando Led Zeppelin com um V8 clássico Mopar?

O que temos aqui é um Plymouth Duster Twister 1972 ao som de “When The Levee Breaks”. Apesar do nome hoje remeter a um SUV de shopping, esse Duster era uma variação esportiva do Valiant, e era feito sobre a plataforma “A-Body” também usada nos Dodge Dart e Charger brasileiros. Mais ou menos como um Dodge Dart SE  com carroceria fastback.

O Duster foi lançado em 1970, quando a Plymouth decidiu dar um upgrade no `Cuda que o deixou maior e mais potente para competir na Trans-Am. O papel do Duster era ser o esportivo de entrada da marca, e por isso ele era vendido por apenas US$ 2.172 na versão básica com o motor slant-six de 125 cv. Para efeito de comparação, são US$ 13.150 em valores atuais —, mas se você achasse os 125 cv insuficientes para o carro, por apenas US$ 400 o Duster recebia o motor 340 de 278 cv, semelhante ao usado pelo `Cuda.

[vimeo id=”75445741″ width=”620″ height=”350″]

O Duster Twister do vídeo é um desses com o 340, mas recebeu uma preparação stroker para aumentar o deslocamento para 418 pol³ (ou 6,8 litros), e pelo que se vê no conta-giros, ele parece ter um comando bem nervoso para chegar perto das 6.500 rpm. Todo o resto do carro parece original, incluindo a cor Verde Fodástico, que na verdade chama-se Sublime Green, uma das dezenas de opções do colorido catálogo da Chrysler na época (mais adiante teremos um post sobre ele). As rodas Rally e os espelhos de corrida também eram equipamentos originais de série. E se você tiver uma vista afiada, verá o cartoon do tornado com olhos perto da lanterna traseira direita, que identificava os Twister.

Com esse visual é difícil dizer que ele era um Sleeper, mas com o 340 e uma plataforma mais leve do que muitos dos muscle cars da época, talvez não fosse uma boa ideia desafiar um Duster até o próximo semáforo. Especialmente se rolasse Led Zeppelin no stereo. 

 

Matérias relacionadas

“Don’t Crack Under Pressure”: Ayrton Senna, Fernando Alonso e Steve McQueen em uma bela campanha da Tag Heuer

Dalmo Hernandes

550 cv e 102 mkgf: esta perua Mercedes-Benz W203 a diesel é o nosso novo carro de drift favorito

Dalmo Hernandes

Mercedes-Benz SLS AMG Black Series vs. Porsche 911 GT2 RS: a última batalha

Dalmo Hernandes
error: Direitos autorais reservados