A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Trânsito & Infraestrutura

Na estrada: como se comportar na faixa da esquerda

Foto: curitiba.pr.gov.br

Um dos posts mais lidos nesses dois anos e meio do FlatOut é aquele em que contamos como a polícia acaba com os “donos da faixa da esquerda” nos EUA. Nele, mostramos a tática policial para tirar à força os motoristas que trafegam lentamente pela esquerda nas highways e interstates daquele país. Se você nunca leu, veja neste link.

O respeito à faixa da esquerda é fundamental não apenas para garantir fluidez no trânsito, mas também para torná-lo mais seguro. É isso que possibilita, por exemplo, os trechos ilimitados das autobahnen alemãs — como explicamos neste post sobre as regras de “etiqueta” destas rodovias.

Curiosamente nunca falamos sobre as faixas da esquerda no Brasil, nem sobre a etiqueta e as leis de trânsito que você deve obedecer ao viajar por uma rodovia duplicada. Hoje vamos mudar isso.

Segundo o item IV do Artigo 29 do Código de Trânsito Brasileiro “quando uma pista de rolamento comportar várias faixas de circulação no mesmo sentido, são as da direita destinadas ao deslocamento dos veículos mais lentos e de maior porte, quando não houver faixa especial a eles destinada, e as da esquerda, destinadas à ultrapassagem e ao deslocamento dos veículos de maior velocidade”.

Para garantir o bom funcionamento desta regra de trânsito, o Código até prevê infração e penalidade para quem simplesmente ignorar a função da faixa da esquerda. Ela é prevista pelo Artigo 198: Deixar de dar passagem pela esquerda, quando solicitado. O problema é que, embora seja obrigatório ceder passagem, por questões de segurança isso nem sempre pode ser feito imediatamente. Da mesma forma é preciso bom-senso do motorista mais rápido no ato de solicitar a passagem.

Por isso, vamos falar sobre algumas “regras de etiqueta” da faixa da esquerda e como se comportar para evitar conflitos e situações de risco.

 

Comunique-se

As setas e demais luzes são sua voz no trânsito. Por isso, se você está ultrapassando outro veículo ou uma fileira de veículos, mantenha a seta esquerda ligada para que os carros que vêm atrás saibam que você também está ultrapassando. Se você pretende ceder passagem assim que houver espaço seguro para isso, a dica é ligar a seta direita durante a ultrapassagem de uma fileira para avisar que você logo irá dar a vez. É como se você dissesse “calma aí, cara. Já vou sair”.

Como saber se há espaço seguro para voltar? Uma dica que os instrutores de auto escola dão é que se você ver toda a dianteira do carro ultrapassado no seu retrovisor direito, já pode mudar de faixa com segurança.

 

Se estiver ultrapassando, tenha paciência

É bem comum topar com um carro mais lento na faixa da esquerda. Embora alguns motoristas achem que seu sinal de luz ou sua seta ligada para a esquerda tem o mesmo efeito que a sirene em veículos de emergência, exigindo que todos saiam da sua frente imediatamente, os carros mais lentos também têm o direito de ultrapassar em segurança.

Por isso, ao topar com alguém que está ultrapassando em velocidade inferior à sua, mantenha distância, mantenha a seta esquerda ligada e aguarde o motorista mais lento terminar a ultrapassagem. Não queira que o motorista da frente reduza velocidade e se enfie entre dois caminhões só para você não precisar reduzir a velocidade e esperar um pouco. Se ele concluir a ultrapassagem e não perceber que você está esperando, aí sim dê o sinal de luz ou até um toque breve na buzina.

E caso seja você o motorista mais lento, não se ofenda: um pedido de passagem é só um pedido de passagem. Sua dignidade não será afetada por ser ultrapassado. Saia como pede a lei. Mesmo que você esteja no limite de velocidade. O que nos leva ao próximo item dessa lista.

 

Não seja o fiscal da velocidade alheia

Você está na esquerda, no limite de velocidade e um carro mais rápido se aproxima e pede passagem. A lei de trânsito diz que você deve ceder a passagem assim que possível, mas alguns motoristas resolvem fazer o papel da Polícia Rodoviária e se recusam a sair da esquerda pois já estão no limite de velocidade. Sabe-se lá o que passa na cabeça desses motoristas, pois a relação entre estar no limite de velocidade e não ser obrigado a dar passagem não tem lógica alguma. O fato é que, além de ser proibido, esse comportamento também causa uma situação de tensão que pode acabar mal.

Além de tudo isso, ainda há a questão da calibragem do velocímetro (também chamada de “margem de erro”), que varia de carro para carro e até mesmo entre modelos com rodas de diâmetro diferentes. Isso significa que a 100 km/h ou 120 km/h no painel do seu carro nem sempre é a mesma velocidade real que 100 km/h ou 120 km/h indicados no painel de outro carro. Normalmente estas margens variam de 4% a 8%, mas em carros mais antigos pode chegar a 10% ou mais.

 

Quer ficar tranquilo? Fique na direita

LeftLane-620x349

Sim, às vezes as rodovias estão cheias de caminhões na faixa da direita, mas se você não está disposto a ultrapassá-los, não dirija na faixa da esquerda, Ela é reservada aos veículos mais rápidos e ultrapassagens. Se você quer dirigir curtindo a vista, a música no rádio, o papo com o passageiro ou simplesmente quer andar devagar, a direita é o seu lugar.

 

Aprenda a lidar com caminhões

Uma carreta carregada pode chegar a mais de 40 toneladas, o que dá aproximadamente 32 vezes o peso de um carro comum. Mas ela não tem 32 vezes mais potência que um carro comum. É fácil perceber, portanto, que para uma carreta retomar sua velocidade de cruzeiro ela gasta tempo e dinheiro (em forma do aumento do consumo de diesel — imagine quantas retomadas são feitas em 1.000 km). É por isso que os caminhoneiros evitam perder velocidade e também é por isso que eles aproveitam qualquer espaço na esquerda para ultrapassar quem está mais lento que ele. E é aí que mora o problema.

caminhao

Alguns motoristas não compreendem essa relação peso/potência dos caminhões, nem imaginam o consumo de diesel de um monstro de 18 rodas, e têm verdadeiros acessos de fúria quando um caminhão lento entra na sua frente para ultrapassar um caminhão ainda mais lento. Se você estiver na esquerda se aproximando de dois ou mais caminhões que seguem pela direita, aja defensivamente. Repare a distância entre o caminhão de trás e o da frente — um caminhão próximo do outro pode estar prestes a iniciar a ultrapassagem.

Se a ultrapassagem for à noite, mantenha a seta esquerda ligada e dê um lampejo curto de luz alta para que o motorista do caminhão perceba sua aproximação. Por estar em posição mais elevada, dependendo da sua velocidade o caminhoneiro pode não perceber sua aproximação antes de você estar perto demais para qualquer reação emergencial.

 

Não alimente o monstro

O ditado é geralmente aplicado a discussões na internet. Um usuário ou um grupo de usuários começa com provocações, alguém rebate, vem a tréplica e a discussão se torna uma briga enorme e sem sentido. Mas ela poderia ser evitada. Uma das maiores causas de road rage/fúria sobre rodas é o revide à agressividade e provocações de outros motoristas.

Na rodovia, geralmente começa quando o apressado cola na sua traseira e exige passagem como se você fosse um helicóptero para sair dali imediatamente, ou quando você pede passagem e o sujeito não cede. Nesse caso, lembre-se que carros são caros, a franquia do seguro é alta, o pré-tensionador do cinto de segurança machuca, o airbag queima as mãos, deixa o rosto assado, sua namorada/esposa/filha pode acabar com uma cicatriz no rosto, suas férias vão para o saco, você pode morrer e outras coisas ruins podem acontecer.

Deixe o nervosinho ser nervosinho sozinho. Diante da provocação, dê passagem assim que possível sem revidar — nada de frear bruscamente para assustar o cara colado na sua traseira. Se o sujeito acelera quando você vai passar, reduza a velocidade e fique para trás. É melhor perder uns minutos do que a viagem inteira.

 

Quer acelerar? Tem hora e lugar

EstradaCheia

Rodovia, infelizmente, nem sempre é sinônimo de viagem rápida. Em rodovias que cortam trechos urbanos, a pista se torna uma avenida local, com gente dirigindo como se estivesse no centro da cidade. Em feriados prolongados, períodos de festas e férias, as rodovias ficam tão cheias quanto a Marginal Tietê às sete da manhã.

Nesses dois casos você encontrará um volume de veículos acima do normal. O ideal seria evitar a estrada nessas situações, mas, se não der, tenha em mente que você não poderá viajar no limite de velocidade. Com a estrada cheia há mais veículos lentos na faixa da direita e mais veículos não tão lentos ultrapassando na faixa da esquerda. O jeito é se conformar e ficar na fila da esquerda em velocidade e distância compatíveis com o fluxo. Sempre haverá alguém com muita pressa costurando o trânsito e colocando a teoria da Curva de Solomon em prática. Se você topar com um desses, siga o conselho anterior.

Matérias relacionadas

Hamburgo pretende eliminar os carros da cidade até 2034

Dalmo Hernandes

São Paulo instala 132 novos radares, Curitiba testa sistema de multas por velocidade média

Leonardo Contesini

Mortes no trânsito brasileiro aumentam 40% em dez anos – mas por quais razões?

Leonardo Contesini