“Não seja curioso, não tire fotos de acidentes”

Dalmo Hernandes 9 janeiro, 2018 0
“Não seja curioso, não tire fotos de acidentes”

É 2018, e a maioria das pessoas que você conhece tem um smartphone com uma câmera razoável e acesso à Internet na palma da mão. Que as relações interpessoais ficaram mais ágeis na Era da Informação é fato – ninguém mais precisa ficar esperando uma ligação telefônica ou mesmo um e-mail: uma mensagem no Whatasapp, uma foto no Instagram ou uma publicação no Facebook são instantâneos. E tudo pode ser compartilhado e exposto imediatamente, de forma pública ou privada.

Com todo mundo conectado o tempo todo, muita coisa mudou. O modo de fazer notícias, por exemplo: muitas vezes, a única mídia disponível é aquela que foi gerada por quem estava no local – o famoso “fotógrafo amador” ou “cinegrafista amador” que aparece nos créditos. Nós mesmos já usamos filmagens feitas por testemunhas em acidentes, como o que aconteceu em setembro de 2014 durante uma exibição de monster trucks na cidade de Haaksbergen, na Holanda. Uma das picapes modificadas perdeu o controle foi contra a multidão, matando 18 pessoas. Lembrando: são imagens fortes, e talvez você não queira dar o play no vídeo abaixo.

Estamos falando de um ambiente que já seria filmado com smartphones de todo jeito, por alguém que estava distante, mas serve para ilustrar o que estamos dizendo: é comum que se filme acidentes. Meio mórbido, não?

Mais do que mórbido: anti-ético. Uma campanha feita na Alemanha, cujo vídeo espalhou-se pela internet e pelas redes sociais há alguns dias, tem como tema este hábito nas ruas e estradas do país. O mote: Sei kein Gaffer. É difícil uma tradução direta do alemão que conserve o significado, mas pode ser entendido como “não seja intrometido” ou “não seja curioso”. Em alemão, Gaffer é aquele cara que fica se metendo em tudo, mas sequer tem a capacidade de ajudar. E, como ouvimos desde pequenos, muito ajuda quem não atrapalha.

No caso, atrapalhar quer dizer parar o carro diante de um acidente, sacar o celular e começar a tirar fotos e selfies da cena, incluindo os veículos envolvidos (ou seus escombros) e as vítimas.

O vídeo tem legendas em inglês que podem ser traduzidas automaticamente pelo Youtube. No entanto, se quiser, você pode dispensá-las: a linguagem visual do vídeo é bastante clara, com gestos, música de fundo e emojis que tornam fácil entender o que está acontecendo

O vídeo é um pouco mais longo do que uma campanha costuma ser. Conta a história de três jovens em um carro, dois caras e uma garota, voltando de uma viagem de férias. Logo de cara, o motorista saca o celular e tira selfies enquanto dirige. Logo em seguida, saca o celular para enviar uma mensagem para a mãe e avisar que estava voltando para casa.

Então, o trio nota que um acidente aconteceu à frente. Dois carros bateram e um deles pegou fogo. Os bombeiros estão no local, ainda apagando as chamas, enquanto a equipe de salvamento chega e começa a checar o estado das vítimas. É aí que o motorista começa a agir como um moleque irresponsável de 16 anos. Primeiro, ele chama os amigos para ver de perto o ocorrido. Então, saca o celular e começa a tirar foto atrás de foto, sempre compartilhando tudo na Internet. Ele também envia algumas fotos a sua mãe.

foto

Os três adultos continuam com seu surto juvenil ao chegar perto de um caminhão dos bombeiros que está aberto e pegando um capacete que está no banco para tirar fotos, sempre em busca de curtidas e comentários. O trio começa a passar dos limites e é alertado por um dos bombeiros, que estava examinando uma das vítimas: “vocês estão atrapalhando a equipe!”, ele diz.

O vídeo é gráfico, e mostra um cadáver carbonizado (obviamente cenográfico, mas ainda chocante) que está sendo examinado pelos profissionais. O motorista do carro ainda tenta tirar mais algumas selfies, desta vez com o cadáver ao fundo. Até mesmo a garota que está com ele fica chocada com o tipo de coisa que ele compartilha e manda para sua mãe.

As mensagens que ele manda para a mãe chegam, mas ela não está lendo e nem respondendo. O rapaz estranha e tenta ligar para ela… e um celular no chão, próximo ao corpo, começa a tocar. O corpo carbonizado com quem ele tirou selfies é o de sua mãe, e ele acabou de postar a foto na internet sem saber que era ela.

Na Alemanha é ilegal fotografar ou filmar vítimas de acidentes, seja de carro ou de trabalho. Segundo as autoridades alemãs, invadir uma cena de acidente atrapalha muito o trabalho de quem ganha a vida socorrendo pessoas feridas em situações assim. É uma situação de pressão, stress, onde um serviço delicado e imprescindível está sendo realizado. Curiosos só atrapalham.

Além disso, tem a ver com a dignidade, a privacidade e o bem-estar das vítimas. Ainda que fotografá-los não seja ilegal no Brasil, um sobrevivente preso nas ferragens de um veículo tem o direito de ter sua imagem preservada. A última coisa que ele precisa é da câmera de um celular apontada para ele naquele momento. Sem falar que são imagens fortes e impressionantes, que causam extremo desconforto em muitas pessoas.

Mais do que anti-ético, temos de acrescentar mais uma coisa: é perigoso estar na cena de um acidente – as chances de ser tornar outra vítima aumentam muito. Basta lembrar do caso que aconteceu na rodovia BR-282, na altura da cidade de Descanso, no oeste de Santa Catarina. Duas horas depois de uma colisão entre um ônibus e uma carreta, um caminhão desgovernado atingiu a cena em alta velocidade, levando tudo em seu caminho – carros, barreiras, equipes de salvamento e curiosos que lotavam o local.

Foi uma tragédia: pelo menos 90 pessoas ficaram feridas, e 27 morreram. O número de vítimas seria menor caso as pessoas não tivessem parado no local movidas pela curiosidade.

Por mais que seja fácil, quase instintivo e por vezes útil registrar um incidente no trânsito ou na estrada com o celular, há de se ter bom senso respeitar certos limites.