FlatOut!
Image default
Lançamentos Motos

NMoto Nostalgia: um tributo à BMW R7, uma das motos mais bonitas do planeta

Quando a BMW Motorrad lançou a R nineT (assim mesmo, com “n” minúsculo e “T” maiúsculo), em 2014, a ideia era colocar no mercado uma moto com visual minimalista e charme retrô natural. Isto influenciou até mesmo a escolha do motor: ela ganhou um boxer bicilíndrico arrefecido a ar, com cilindros grandes e aletados, em vez de um motor arrefecido a líquido – um radiador bem na frente do quadro pareceria moderno demais.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Uma bem-vinda consequência desta abordagem foi que a BMW R nineT se tornou muito popular entre custom shops ao redor do globo, que a encaram como uma ótima “tela em branco” para projetos – seus componentes são facilmente removíveis e seu estilo é facilmente adaptável a diferentes escolas de personalização.

O exemplo mais recente é a NMoto Nostalgia, apresentada nesta semana. A NMoto, que fica em Miami, nos EUA, decidiu transformar a BMW R nineT em uma réplica de outra moto emblemática feita pelos alemães: a BMW R 7 Prototype, de 1937.

A BMW lançou sua primeira motocicleta, a R32, em 1923. Ela já tinha diversos elementos que se tornariam característicos das motos BMW, como motor boxer de dois cilindros, carcaça da transmissão integrada ao motor e transmissão por cardã. Seu visual, mesmo anos depois, ainda remetia ao das primeiras motocicletas da história – que eram, em essência, bicicletas com motores.

Com o passar do tempo o desenho das motos da BMW começou a ficar mais refinado e a adquirir identidade própria. O tanque de combustível ficou mais volumoso, os para-lamas ganharam uma silhueta mais rebuscada, e havia um rudimentar sistema de suspensão com mola do tipo cantilever na dianteira – a suspensão traseira se resumia a um par de molas sob o banco. Tomemos como exemplo a BMW R42 de 1927:

A BMW R7 nasceu com uma missão simples, porém ambiciosa: ser a moto mais bonita do planeta, e dar origem a uma nova linhagem de esportivas da companhia alemã. E ela era realmente muito bonita, com influências Art Déco, com formas complexas na carenagem moldada à mão, para-lama dianteiro vazado, tanque de combustível cromado e o conjunto mecânico oculto sob painéis de metal.

Mas a BMW R7 jamais passou da fase de protótipo – a iminência da Segunda Guerra Mundial, que estourou em 1939, fez com que a companhia cancelasse o projeto e guardasse o protótipo em um galpão por quase 70 anos.

Apenas em 2005 a BMW decidiu tirar o protótipo de seu descanso e restaurá-lo por completo, em um processo que levou quase quatro anos e foi levado a cabo por dois renomados restauradores alemães –Armin Frey, que cuidou da mecânica, e Hans Keckeisen, que encarregou-se da estrutura e da carroceria.

O grande trunfo da BMW K7 era justamente seu design. Embora ela tivesse todos os elementos típicos das motos da época, a maneira como foi executada a tornou quase atemporal. E foi por isso que a NMoto decidiu transformar a BMW R nineT em uma versão atual da R7 – com um resultado impressionante.

Da moto original só sobraram parte da estrutura tubular e o boxer de dois cilindros – um quatro-tempos de 1.170 cm³ com comando duplo nos cabeçotes, 110 cv a 7.550 rpm e 12,1 kgfm de torque a 6.000 rpm, acoplado a uma caixa de seis marchas que leva a força para a roda traseira através de um cardã. É o bastante para passar dos 200 km/h.

O restante da NMoto Nostalgia é uma reprodução quase 100% fiel da BWM R7 original, em formas, proporções e materiais. Tanque de combustível, carenagens, a carcaça do farol (que traz o painel de instrumentos embutido), o guidão e demais componentes foram moldados à mão em alumínio, a exemplo do protótipo de 1937. Observando as duas motos em sequência, é possível notar o posicionamento do motor e o formato dos cabeçotes como principais diferenças entre ambas – mas é fácil confundi-las.

Naturalmente, a NMoto Nostalgia também possui alguns recursos modernos, ainda que eles sejam mais difíceis de notar: o banco é regulável em cinco posições; a traseira usa um subchassi mono-amortecido (como a Harley Davidson Softail); a partida é do tipo keyless e os freios usam discos de 320 mm na dianteira, com um disco de 265 mm na traseira – ambos com ABS.

A NMoto Nostalgia já pode ser encomendada, e custa a partir de US$ 49.500 (cerca de R$ 191.000 em conversão direta). Ela será construída em quantidade limitada, com apenas um punhado de exemplares deixando a oficina em Miami a cada mês.

Matérias relacionadas

Não parece, mas este é o novo Nissan March (que pode chegar em 2018… ou não)

Dalmo Hernandes

Isto sim é loucura: uma moto com motor boxer de Subaru WRX – 100% legalizada para as ruas

Dalmo Hernandes

510 cv e 71,2 mkgf: este é o novo Mercedes-Benz C63 AMG

Leonardo Contesini