A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Notícias

Nürburgring é vendido mais uma vez – desta vez para um bilionário russo

A novela de Nürburgring parece estar cada vez mais longe de acabar. Depois de ir à falência e ser posto a leilão pelo governo alemão no fim de 2013, Nürburgring acabou comprado em março deste ano por 77 milhões de euros pelo Capricorn Group, uma empresa de componentes automobilísticos sediada no próprio complexo.

A compra de Nür pelo Capricorn Group foi um alívio para os fãs e usuários do circuito, visto que a empresa já atua no ramo do automobilismo, e não se trata de um grupo de aventureiros montados em dólares de origem duvidosa, algo que sempre é prejudicial para o esporte.

A tranquilidade, contudo, durou pouco: em agosto a imprensa alemã divulgou a notícia de que o Capricorn Group havia atrasado a segunda parcela do pagamento, no valor de 5 milhões de euros. Na ocasião os engarregados do processo e falência de Nürburgring renegociaram um prazo para o pagamento, mas o impasse continuou até esta semana, quando o bilionário russo Viktor Kharitonin entrou em cena e assumiu o pagamento da segunda e da terceira parcela da compra.

Kharitonin assumiu as cotas do Grupo Capricorn por meio de uma empresa intermediária chamada NR Holding AG. Segundo o administrador da insolvência , “as operações e a gestão de Nürburgring, assim como o acesso do público à pista e os eventos não serão afetados pelos acontecimentos”.

kharitonin_vi

Kharitonin é um empresário russo de 41 anos e o principal acionista e CEO da Pharmstandadr, a principal companhia farmacêutica russa, fundada em 2003 por ele e Roman Abramovich — outro magnata russo, proprietário do Chelsea Football Club. O russo ao menos parece ter algum interesse por automobilismo, em especial com carros clássicos: ele participou  da Mille Miglia histórica deste ano com um Mercedes 500 K 1935.

14124394067_37ee2d1439_z

 

Por que Nürburgring foi vendido?

Nürburgring foi criado pelo governo alemão na década de 1920, e foi mantido por muito tempo com dinheiro público, dos pagadores de impostos alemães. Por todo esse tempo qualquer pessoa poderia usufruir do circuito mediante uma quantia relativamente baixa. Logicamente o custo da manutenção do circuito é alto, e nem mesmo a locação quase mensal para as fábricas ajudava a manter o saldo positivo – especialmente no período entre outubro e março, quando a região começa a esfriar drasticamente à medida em que se aproxima o inverno europeu.

Por isso em 2004 foi apresentado um projeto de revitalização de Nürburgring, que incluiu a construção de um complexo formado por hotel, centro de convenções, shopping e parque de diversões a um custo de 200 milhões de euros. Para colocar o projeto em prática, foi firmado um acordo entre o governo alemão e a empresa privada Nürburgring Automotive GmbH, formando uma iniciativa de capital misto.

Nuerburgring_2009_Leisure_Park

 

Três anos depois, o custo do projeto aumentou para 215 milhões de euros, e mesmo sob críticas e questionamentos alertando sobre a inviabilidade de operar com uma demanda mínima superestimada de 500.000 visitantes por ano, em 2008 o banco do estado de Rhineland-Palatinate injetou 85,5 milhões de euros no projeto.

A situação começou a desandar quando descobriu-se uma série de fraudes em pagamentos de comissões por estudos técnicos e obras que não haviam sido realizadas. No final de 2009, a seis meses da concessão do complexo à Nürburgring Automotive pelo governo alemão, descobriu-se que a empresa privada não investira um único euro na construção dos prédios, que foi bancada, portanto, pelo capital de fundos europeus e do banco nacional alemão.

Apesar dos esforços de várias iniciativas privadas locais, o controle do complexo foi passado à Nürburgring Automotive em maio de 2010 por um contrato de 20 anos, e a empresa recebeu um crédito inicial de 40 milhões para começar as operações. Na mesma época tempo foi iniciado um processo para averiguar se houve fraude na concessão de Nürburgring.

Como as projeções de público anual foram superestimadas, a ausência de visitantes e a pressão por retorno financeiro levaram a Nürburgring Automotive a tomar decisões equivocadas que acabaram se transformando em uma doença financeira degenerativa e incontrolável. Como em qualquer shopping ou centro comercial, parte do faturamento dos condôminos/associados é destinado à manutenção da estrutura – que nesse caso inclui o autódromo.

Só que a Nürburgring Automotive decidiu restringir o uso da pista aos hóspedes e clientes de seus próprios estabelecimentos associados, que obviamente não têm estrutura para atender toda a demanda necessária para encher o caixa da manutenção. Essa medida inconsequente teve um impacto profundo e prejudicial aos demais negócios do complexo, que deixaram de remeter a taxa de manutenção devido à queda do movimento e faturamento.

Para tornar a situação ainda mais escandalosa, ao realizar o GP de Fórmula 1, a Nürburgring Automotive recebe fundos do governo alemão que garantem a cobertura das despesas e o lucro dos ingressos, mesmo que eles não sejam vendidos. Parece até coisa do Brasil.

A essa altura você já deve ter perdido a conta, mas nós fomos somando: a Nürburgring Automotive recebeu 524 milhões de euros em forma de créditos, e suspeita-se que boa parte dessa fortuna foi desviada para os bolsos dos administradores da empresa e seus associados. Por isso o governo alemão retomou o controle do complexo para tentar recolocar as coisas nos eixos enquanto não encontrava um novo parceiro privado para assumir o inferno verde.

Como solução emergencial, os administradores da Nürburgring Automotive pediram uma caução de 13 milhões de euros para a Comissão Europeia, que foi negada por ser contra as regras de concorrência da União Europeia. A empresa também não pôde mais pedir ajuda ao governo, pois além de ser considerado um apoio estatal ilegal, o Estado já está sendo investigado pela ajuda anterior.

save-the-ring

Assim começaram os rumores de que Nürburgring iria fechar. Quando o governo alemão negou a ajuda à empresa Nürburgring Automotive, também exigiu sua liquidação para honrar suas dívidas. A palavra “liquidação” gerou a confusão: muitos interpretaram a falência da empresa como o fim do circuito, como se o a sra. Angela Merkel fosse retomar a área, e destruir toda aquela estrutura inviável e imprestável para construir um parque, ou um aeroporto ou qualquer coisa.

O que faliu foi a Nürburgring Automotive GmBH, a empresa que administrava (ou tentava) o complexo Nürburgring. Como em qualquer outro processo de falência, os ativos da empresa — ou seja, o circuito, o hotel, o parque de diversões e o shopping — foram vendidos para saldar parte das dívidas.

Como vimos, Nürburgring é rentável e não faltaram interessados a assumir o circuito, apesar de tudo o que aconteceu durante a desastrosa concessão. O erro da concessão foi superestimar a demanda e assim projetar os gastos e investimentos com base em dados completamente absurdos. Se foi um golpe para arrancar dinheiro público ou uma grande lambança administrativa, é a investigação do governo alemão quem vai dizer.

[via Bridge to Gantry ]

Matérias relacionadas

GPS integrado pode coletar dados do motorista e do carro e enviá-los para as fabricantes

Leonardo Contesini

Nova geração do Fiesta é maior, mais espaçosa e equipada com motores 1.0 Turbo de até 140 cv

Leonardo Contesini

Imposto sobre venda de carros usados fica mais caro no estado de São Paulo

Leonardo Contesini