A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Carros Antigos

O Fiat Uno EF argentino nos faz até esquecer o Uno Turbo

Nós, fãs do Fiat Uno, não precisamos que alguém nos pergunte para declarar nossa admiração pelo hatchback – é praticamente irresistível. E, se você é fã de verdade do Uno, nem precisa ser uma das versões esportivas: qualquer Mille mais antigo que esteja inteiro e bem cuidado já arranca suspiros. É quase doença.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

É claro, porém, que um Uno R ou um Turbo fazem o coração bater mais rápido. Especialmente porque as versões esportivas brasileiras têm um tempero tropical diferente – é só lembrar do visual quase tuning do “nosso” Uno Turbo em comparação ao estilo mais elegante e discreto da versão italiana, por exemplo.

Agora, não somos apenas nós, brasileiros, que temos variantes endêmicas do Uno. Nossos hermanos na Argentina também têm algo bem interessante: o radical e desconhecido Uno EF.

 

Nós já falamos sobre a fantástica cena dos uneros argentinos, que é equivalente ao culto pelo Volkswagen Gol no Brasil – eles investem pesado na preparação do motor Sevel, seja para uso em track days ou arrancadas, e desenvolveram receitas para chegar às 9.000 rpm.

Um dos membros desta cena era o preparador Edgardo Fernández, que decidiu criar um Fiat Uno esportivo mais especializado – um carro que entregasse bons resultados em pista, que fosse capaz de proporcionar uma condução mais animada nas ruas, e que ainda mantivesse um mínimo de usabilidade no dia a dia, sem problemas com superaquecimento ou ruído excessivo.

Seu ponto de partida foi o Fiat Uno SCV, versão mais potente e melhor equipada vendida na Argentina – algo equivalente ao nosso Uno CSL/MPI, incluindo na escolha pelo motor Sevel 1.6, que originalmente entregava 94 cv e 13,7 kgfm de torque. A inspiração de Edgardo foram os Uno de pista usados na Turismo Carretera, o que se traduzia em para-lamas alargados, suspensão preparada e uma nada discreta asa acima do vigia traseiro.

O carro também ganhava novos para-choques de fibra de vidro, com desenho semelhante ao que se via no Uno Turbo brasileiro, porém ainda mais exagerado – e com o detalhe do recesso para a saída de escape central no para-choque traseiro. O interior era mantido bastante original, com alguns toques especiais: revestimento de couro preto, bancos concha, volante Momo e, opcionalmente, um painel digital importado da Itália.

O mais interessante, porém, era a preparação mecânica. O motor Sevel era modificado pelo mecânico Rafael Balestrini, e recebia um novo comando de válvulas, válvulas com maior diâmetro, dutos de admissão polidos e cabeçote rebaixado (para aumentar a taxa de compressão). Com dois carburadores de corpo duplo, entregava 115 cv – sem qualquer tipo de indução forçada. Eram 3 cv a menos que o nosso Uno Turbo, e o desempenho era equivalente: zero a 100 km/h em 9,6 segundos (o Uno Turbo o fazia em 9,2 segundos) e máxima de 180 km/h.

Mas o Uno EF tinha mais vocação para a pista: a suspensão era consideravelmente mais firme, com bitolas mais largas e um subchassi feito sob medida na dianteira, enquanto a traseira perdia o feixe de molas transversal e adotava braços triangulares com amortecedores telescópicos. As rodas de 14 polegadas tinham calotas do tipo turbofan, e abrigavam freios a disco nas quatro rodas – de 240 mm na frente, emprestados do Renault 18, e de 238 mm na traseira.

O resultado era um comportamento totalmente diferente – mais que o motor, a suspensão preparada garantia uma dinâmica muito mais afiada, e proporcionava uma segurança muito maior para “virar tempo” na pista.

O conforto no dia a dia ficava comprometido, claro, mas era um preço pequeno a se pagar – e o Uno EF tornou-se meio que um Santo Graal para los uneros argentinos, especialmente por sua raridade: foram feitas poucas dezenas, e estima-se que agora existam menos de 40 unidades circulando pela Argentina. Bem que um deles poderia se perder aqui pelo Brasil, não?

Matérias relacionadas

O adversário que Ayrton Senna não conseguiu superar

Leonardo Contesini

Gasolina delivery: quando o posto de combustível vai até o seu carro

Dalmo Hernandes

Brasília Dacon, Fúria Alfa Romeo, Pumas e outros épicos até os anos 80 no Clássicos Brasil 2016 – parte 2

Juliano Barata
error: Direitos autorais reservados