A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

O fim de Top Gear USA e mais tretas no Top Gear UK, Ford GT ganha edição especial em homenagem a Le Mans, Suécia quer estradas elétricas e mais!

Este é o Zero a 300, nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo, caro car lover. Assim você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere com a gente!

 

Top Gear USA chega ao fim

I’m very sad to say, but Tuesday night’s #TopGear on @History is the last TG US that we have shot for you. I’m not saying Top Gear USA is done, but it’s done for the immediate future on @History . I remember the day that I got the phone call to ask if I’d be interested in talking to one of the producers about possibly being one of the hosts of the US’s version of the world’s most iconic car show. It’s been an amazing ride for sure, and although I don’t think the show is done, it appears that it’s done with our friends at History, and we’re incredibly grateful for being a part of the A&E Networks family. I have had so much fun with Tanner and Adam, they really are like brothers to me. We’ve traveled this amazing country and to some of the coolest places on earth together, and even in the hardest moments, it’s been a total dream come true. The three of us will stick together and hope to bring you much more Top Gear USA, albeit it somewhere else it appears. To the FANS- we cannot say enough how much we truly appreciate each and every one of you. You have always been there for us in great numbers, and we really do love you all. You are the reason shows like ours exist, and you’re also the reason we’ve been so lucky to do this show for so long together. We never dreamed how many families would sit and watch our show and laugh together. We never knew how many couples would sit and watch three goofballs go out and try to make each other laugh. And yet, you all watched…and you told other people and shared in the joy. To everyone who worked on TGUS- thank you. For everything. You’re our family and you’re the reason we got to do this for so many years together. So here’s a toast to all of you out there. I hope you’ll watch Tuesday night and enjoy the last show we made for you. We took a trip of a lifetime down to Cuba and drove classic American cars from the 50’s down there, and I can tell you it’s one of the coolest things we have ever done together. Cheers and lots of love, Rutledge

Uma foto publicada por @rutledgewood em

Nas primeiras horas desta segunda-feira, o apresentador do Top Gear USA, Rutledge Wood, anunciou em seu Instagram o fim do programa. Ao menos por enquanto. Wood publicou uma foto com seus dois parceiros do Top Gear, Tanner Foust e Adam Ferrara, legendada por um longo texto que, resumidamente, diz que o novo episódio de hoje será o último.

Ele não deixa claro se a versão americana do programa será extinta; seu texto fala que, “considerando um futuro imediato”, o programa acabou no History e que ele e seus colegas esperam que um dia Top Gear USA volte à TV com uma nova temporada. Nós também.

Embora Top Gear USA nunca tenha chegado perto do sucesso e da qualidade da versão britânica, ele tinha suas qualidades e sua personalidade, sem soar como uma paródia do original — tanto que durou seis temporadas. É provável que se tivesse outro nome, o nível de exigência do público sobre Top Gear USA não fosse tão elevado. Ironicamente, o programa americano termina em um momento conturbado de sua versão original britânica — o que fazia com que a gente até achasse ele mais interessante e divertido que o atrapalhado retorno dos ingleses. Depois de Fifth Gear, o mundo perde seu segundo programa de carros em 2016.

 

Matt LeBlanc dá ultimato aos produtores de Top Gear

Captura de Tela 2016-06-27 às 12.36.18

LeBlanc e Evans apontando quem deve sair do programa

No Top Gear britânico as coisas não estão muito melhores. Ele não teve seu fim decretado, mas Chris Evans continua como epicentro dos problemas e da discórdia na nova versão do programa. Segundo os jornais britânicos, Matt LeBlanc deu um ultimato à BBC, dizendo que deixará o programa se Chris Evans continuar na equipe.

A tensão entre os dois vem rendendo boatos desde o início do programa, e ainda que LeBlanc tenha feito piada sobre esses boatos, agora o jornal Evening Standard citou uma fonte ligada ao programa dizendo que o ultimato é real, e que o americano não é o único membro da equipe insatisfeito com Evans. Segundo a matéria, Evans cria uma atmosfera que o coloca como personagem central, algo como “eu vs. o resto”.

Outro jornal, o The Sun, diz que LeBlanc está cansado do comportamento frio e rude de Evans. Ainda de acordo com o Sun, Evans também não está satisfeito com a aclamação popular de Chris Harris e Rory Reid, além de não ajudar nenhum dos novos integrantes nas gravações em estúdio. O jornal fala, mais precisamente, que Evans “não os encoraja de forma alguma”.

LeBlanc já tem contrato assinado para mais duas temporadas, enquanto o contrato de Evans prevê 20 episódios. Se o ultimato de LeBlanc for realmente verdadeiro, os executivos da BBC terão problemas em tomar uma decisão — e não estamos falando em escolher o melhor, e sim em rescisão de contrato. Por isso, as gravações da segunda temporada também devem atrasar, ao menos até que a BBC defina o futuro dos apresentadores e do programa. Enquanto isso, Jeremy Clarkson, Richard Hammond e James May devem estrear seu “The Grand Tour” nos próximos meses.

Contratos à parte: Top Gear não ficaria melhor com um trio formado por Chris Harris, Rory Reid e Matt LeBlanc no estúdio?

 

Ford GT ganha edição especial para comemorar 50 anos da vitória em Le Mans

2017-ford-gt-66-heritage-edition

Depois de vencer em sua categoria nas 24 Horas de Le Mans deste ano, o Ford GT irá ganhar uma edição especial para continuar a comemoração. Batizada GT ’66 Heritage Edition, a versão celebra os 50 anos da primeira vitória da Ford em Le Mans, na qual a marca derrotou a Ferrari e conquistou os três primeiros lugares com três GT40 MkII.

 

Como esperado, o ’66 Heritage ganhou a pintura do GT40 vencedor, pilotado por Bruce McLaren e Chris Amon, com base preta brilhante ou fosca e faixas prateadas. Além disso, ele terá um pacote com elementos de fibra de carbono e o número 2 sobre o capô e nas portas, remetendo também ao carro vencedor de 1966. Também como no clássico, o GT ’66 terá rodas douradas, agora feitas de alumínio forjado e com 20 polegadas de diâmetro e prisioneiros pretos.

2017-ford-gt-66-heritage-edition-4

O acabamento especial continua na cabine: bancos de fibra de carbono com couro ébano, cintos de segurança azuis como no clássico de corrida, e detalhes dourados nos bancos, painel de instrumentos e borboletas de troca de marcha. Ainda não se sabe quantos exemplares serão produzidos, nem quanto cada modelo irá custar. A Ford divulgou apenas que ele será produzido em quantidade limitada somente para o ano-modeo 2017.

 

Suécia está testando “estradas elétricas” para caminhões

elvag

O departamento nacional de trânsito da Suécia está testando dois projetos que envolvem o tráfego de caminhões pesados: estradas “eletrificadas” para alimentar os sistemas híbridos dos caminhões de um futuro próximo.

A primeira delas coloca a rede elétrica instalada 5,5 metros acima da estrada (como nos ônibus elétricos que circulam por São Paulo e Santos), um trecho da rodovia E16 em Sandviken. Os caminhões, logicamente, têm que usar o dispositivo que receberá os 750 volts em corrente contínua e o enviará para o sistema híbrido do motor. O trecho se estende por cerca de 2,5 km, e os caminhões fornecidos pela Scania podem chegar aos 90 km/h.

A outra fica em Arlanda, situada 55 km ao norte de Estocolmo, e inclui um trilho elétrico inserido na pista. Atualmente há apenas uma faixa construída apenas para os testes, mas a partir de 2018 o sistema será integrado a algumas rodovias para testes.

Embora sejam apenas testes, eles já fazem parte dos planos suecos de tornar sua frota de caminhões pesados totalmente livre de emissões até 2030.

 

BMW/Toyota não terá versão M

2017-BMW-Z5-Roadster-5

Se as versões M do BMW Z3 e do Z4 estão entre os melhores esportivos criados pela fabricante alemã, seria normal criar alguma expectativa pela versão M do futuro “Z5”, não? Pois isso não acontecerá.

Caso você não lembre, a atual geração do esportivo (E89) já deixou de dispor de uma versão preparada pela divisão M, contando apenas com variações M Sport, que não usam motores com o código S, como os demais M-Cars. E isso não mudará com o lançamento de seu sucessor: o pessoal da revista Road and Track conversou com o líder de projeto do BMW M2, que confirmou o sucessor do Z4 como um modelo “standard”, apenas.

Considerando uma série de fatores já conhecidos sobre o “Z5”, a BMW parece querer simplificar ao máximo o novo modelo: além de ser construído pela Magna Steyr, na Áustria, ele também não terá versões híbridas ou tão potentes quanto seu irmão de plataforma da Toyota. Já sabíamos que eles seriam visualmente diferentes, mas parece que as diferenças serão muito mais profundas que as curvas da carroceria.

 

Uma carona na volta recorde do Subaru WRX na Ilha de Man

Há algumas semanas falamos sobre o recorde do piloto Mark Higgins com o Subaru WRX na Ilha de Man — um recorde que superou sua própria marca, registrada no ano passado. Na ocasião a Subaru ainda não havia divulgado os vídeos do feito, mas a fabricante japonesa resolveu isso nesta semana, com uma carona pela câmera onboard do esportivo.

Higgins quebrou o recorde pela terceira vez. Na primeira, em 2011, ele baixou em mais de dois minutos o antigo recorde, conquistado por Tony Pond em um Rover 827 Vitesse em 1990. Foram 19:56,7 e uma média de 181,7 km/h, com máxima de 260,5 km/h. Três anos mais tarde ele levou um WRX STI à ilha e quebrou seu próprio recorde, com 19:15 e média de 189,07 km/h. Desta vez ele usou algo mais radical, um WRX STI Time Attack, com mais potência e suspensão de corrida, para completar os 60 km em 17:35.

 

Romain Dumas vence Pikes Peak – Rafa Paschoalin termina em 6º na categoria

13524363_1132384803470311_7025469471633729076_n

Neste último fim de semana a Subida Internacional de Montanha de Pikes Peak comemorou 100 anos e, como vimos na semana passada, pela primeira vez teve um brasileiro entre os inscritos. Caso você não tenha visto, o desafiante é ninguém menos que o camarada flatouter Rafael Paschoalin, que também foi o primeiro brasileiro a disputar o Tourist Trophy da Ilha de Man.

Rafael terminou a prova no 6º lugar de sua categoria, Pikes Peak Middleweight, com 11:30,493, tempo que o colocou na 55ª colocação geral entre 97 competidores — incluindo protótipos, carros, motos, quadriciclos e sidecars.

romaindumas

Na classificação geral o vencedor foi o francês Romain Dumas, que venceu as 24 Horas de Le Mans na semana passada. Com um protótipo Norma M20 RD Limited Spec-2016, ele completou a subida em 8:51,445.

Matérias relacionadas

Este carro é a prova de que qualquer motor cai bem ao Chevette

Dalmo Hernandes

500 Milhas de Kart: prova termina com pancadaria generalizada e equipes desclassificadas

Dalmo Hernandes

Por que alguém colocaria seu supercarro para fazer off road?

Dalmo Hernandes