A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Carros Antigos

O Lamborghini cor-de-rosa da vovó mais gearhead que já conhecemos

Lorrie Stern é uma vovó comum, daquelas que não medem esforços para mimar seus netos — e ela tem cinco. Só que estes “mimos” incluem levá-los para passear de Lamborghini — um belo Espada 1974 cor-de-rosa que ela dirige todos os dias há 37 anos. Se Lorrie não é a vovó mais gearhead de todos os tempos, não sabemos quem é!

O Lambo foi um presente de seu falecido marido, Stanley Stern. Mas nem foi o primeiro carro esportivo dela — na verdade, os dois se aproximaram na escola, quando descobriram que tinham nos esportivos europeus uma paixão em comum. Lorrie já teve um Jaguar E-Type (ela diz que fazia curvas melhor do que qualquer outro carro) e uma Ferrari Mondial, só para citar alguns.

espadaverde

O Lamborghini foi comprado depois de um dos muitos passeios que o casal fazia até uma loja de carros importados em Nova York — que também foi o cenário dos primeiros encontros dos dois pouco depois que se conheceram. Lorrie tinha um Fiat 124 Spider que ela deu como entrada no Lambo, mas não sem convencer o marido a dar-lhe o carro de presente depois de algumas visitas à loja.

Eles voltariam para casa dirigindo o Lamborghini, mas Stanley deu à esposa uma condição: o carro deveria se tornar seu daily driver — e assim ele foi usado nas últimas quatro décadas.

lambo-vovo (8)

O Espada foi um grand tourer lançado em 1968 e foi fabricado por dez anos. Usava um motor V12 de quatro litros na dianteira que prodizia 325 cv até 1970, quando passou a desenvolver 350 cv. Foram produzidas pouco mais de 1.200 unidades do Espada, algo que torna o carro de Lorrie bastante raro no mundo todo.

O Lambo de Lorrie era um Espada 1974 um verde brilhante com câmbio manual. A cor original deu lugar ao rosa em 1979, quando Lorrie decidiu que um tom mais delicado daria mais destaque às formas projetadas por Marcelo Gandini, do estúdio Bertone.

 

Em 1992, ela mandou o Lambo para restauração, e contou ao New York Times que se não fosse por isto, teria se livrado dele. O carro ficou dois anos na oficina, e o serviço ficou tão bom que desde então, Lorrie participa com ele de eventos e concursos e sempre leva algum prêmio para casa — normalmente de carro mais exótico ou um prêmio especial.

Ela tem uma sala lotada de troféus e, há alguns anos, decidiu transformar a sala de sua casa em uma garagem para o carro, onde também guardaria os prêmios e equipamentos para manutenção… se a sua família não tivesse a impedido porque “acabaria com o valor da casa”. Quem não gosta, não entende.

A sua avó te enchia de comida quando você ia para a casa dela? Lorrie leva seus netos para passear de Lamborghini  — A gente adoraria ter uma avó assim.

lambo-vovo (2)

Matérias relacionadas

Conheça o Mercedes-Benz CLK GTR em detalhes como você nunca viu!

Leonardo Contesini

A nostalgia de Enduro, o maior clássico de corrida do Atari 2600

Dalmo Hernandes

Tem um Escort RS1600 de rali da equipe de fábrica à venda… alguém aí nos empresta R$ 500 mil?

Dalmo Hernandes