A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Automobilismo Car Culture Carros Antigos

O Legado Lauda: a Ferrari 312 arrepia Monaco a 12.500 rpm para o cinema

No Grande Prêmio de Mônaco de 1974, Niki Lauda quase conquistou uma vitória especialmente doce. Desde 1955 a Scuderia não vencia no principado – a última vez havia sido em 1955, quando o francês Maurice Trintignant foi o primeiro a cruzar a linha de chegada com a Ferrari 625.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Lauda havia conquistado a pole position virando 1min23s3 com sua Ferrari 312 B3 – 0,3 segundo mais rápido que o colega de equipe, Clay Regazzoni, e 0,5 segundo à frente de Ronnie Peterson, o terceiro colocado, que corria pela Lotus. Mas o piloto austríaco da Ferrari foi um dos vários pilotos que não chegaram ao final da corrida – dos 27 que largaram, apenas nove chegaram ao final. Aquela foi uma corrida marcada por acidentes e problemas mecânicos, e Lauda foi uma das vítimas: um defeito na ignição o tirou da liderança em sua 32ª volta.

Em outubro de 2018, quase 45 anos depois da corrida, a Ferrari 312 B3 de Niki Lauda retornou a Mônaco nas mãos do piloto alemão Marco Werner. A ocasião era especial: o Monaco Historic Grand Prix 2018, 11ª edição da corrida para clássicos da Fórmula 1 que acontece a cada dois anos, e é aberta a monopostos construídos até 1980.

Os carros são divididos em sete categorias, e disputam corridas de dez a 12 voltas, com duração máxima de 35 minutos para os carros mais antigos, e 45 minutos para os mais modernos. É uma bela oportunidade para as gerações mais jovens poderem ver os ícones do passado em ação, conduzidos por pilotos de mão cheia – e o onboard abaixo é um belo argumento.

Você pode ver um apanhado com os melhores momentos da corrida no vídeo abaixo:

Werner já venceu as 24 Horas de Daytona em 1995, com o Porsche 962 Spyder da equipe Kremer. Em 2001, ele foi contratado pela Audi e tornou-se um de seus melhores pilotos, vencendo as 24 Horas de Le Mans com o protótipo R8 em 2005, e com o R10 TDI em 2006 e 2007. Com a Audi, Werner também venceu as 12 Horas de Sebring em 2003, 2005 e 2007.

O carro que ele conduziu no Monaco Historic GP de 2018 foi um passo importante na história da Ferrari. Ele era a quarta evolução da Ferrari 312B, projeto de Mauro Forghieri apresentado em 1970.

A série 312 trouxe um novo motor flat-12 de três litros – que, pela configuração dos cilindros em um ângulo de 180°, ajudava a tornar mais baixo o centro de gravidade do carro e, consequentemente, aumentar sua estabilidade nas curvas.

Entre 1970 e 1974 a Ferrari realizou diversas modificações no projeto, incluindo reformulações completas na aerodinâmica e experiências com diferentes arranjos de suspensão traseira, até chegar à 312 B3 para a temporada de 1974.

Na Ferrari 312 B3 de Niki Lauda, o flat-12 de três litros entregava 490 cv a 12.500 rpm, e a suspensão traseira usava um arranjo com braços triangulares sobrepostos com amortecedores duplos e barra estabilizadora ajustável que você pode ver em ação no vídeo abaixo, que foi gravado nos treinos de classificação para o Monaco Historic GP de 2018. Repare nos furinhos perto das rodas (que aparecem aos 00:25 pela primeira vez): eles servem para fazer o ajuste da barra de acordo com a necessidade de maior ou menor tensão. Também é possível vê-a torcendo nas curvas – aliás, os ângulos da câmera proporcionam uma visão privilegiada, e bastante rara, do conjunto em ação.

Também é possível ver os discos dos freios traseiros inboard, montados junto do diferencial e não nas rodas. Era uma forma de reduzir a massa não-suspensa do carro e também evitar que o sistema suspensão recebesse a carga proveniente da inércia nas frenagens.

Os dois vídeos foram feitos por uma produtora chamada Stereoscreen, que está trabalhando em um documentário chamado The Lauda Legacy – “O Legado de Lauda” em uma tradução livre, que contará a história do lendário piloto austríaco tricampeão de Fórmula 1. As imagens são belíssimas, assim como o áudio – que captura com altíssima qualidade o ronco do flat-12.

A Stereoscreen ainda não deu mais detalhes sobre a produção, mas dá para entender por que o teaser usa o carro de Lauda em 1974. Aquela foi uma temporada importantíssima para o piloto, que foi contratado pela Ferrari naquele ano junto com Clay Regazzoni para substituir Jack Ickx e Mario Andretti.

Ambos já eram colegas de equipe na BRM, e a Scuderia apostou alto dupla – a equipe italiana já não conquistava um título na F1 desde 1964. Lauda havia vencido sua primeira corrida pela Ferrari semanas antes, na Espanha, e sua pole position em Monaco mostrava que sua contratação havia sido uma decisão acertada. Ele certamente teria vencido aquela corrida se não fossem os problemas com o carro.

Como sabemos, Niki Lauda levou para casa seu primeiro título de Fórmula 1 no ano seguinte, 1975, com a nova Ferrari 312T – que, apesar do nome, não tinha um turbocompressor. O “T” era de Transversale, pois a transmissão era montada na transversal, à frente do eixo traseiro, reduzindo o momento de inércia polar e ajudando o carro a mudar de direção mais rápido.

“Rush – No Limite da Emoção” retratou de forma artística a rivalidade de Niki Lauda com James Hunt, seu acidente em Nürburgring no GP da Alemanha de 1976 e sua superação em 1977, quando conquistou o segundo título com a Ferrari. The Lauda Legacy, pelo que podemos perceber, deverá trazer uma abordagem mais documental – e, a julgar pelos teasers, vem coisa boa por aí.

 

Matérias relacionadas

Este BMW de 17 anos ainda parece tão moderno quanto os modelos atuais

Dalmo Hernandes

De Le Mans para as ruas: como é dirigir um Ford GT40 por Nova York?

Leonardo Contesini

Este holandês dirigiu dos EUA até o Brasil só para assistir à Copa do Mundo

Dalmo Hernandes